segunda-feira, 27 de maio de 2019

UMBANDA – MÉDIUNS E DIRIGENTES INSEGUROS.

            
             Na Umbanda temos personagens marcantes, que como médiuns fizeram a história da Luz Divina e fundamentaram seus usos e costumes. Zélio Fernandino de Moraes, o ícone fundante da Umbanda, nunca se permitiu ser bajulado, não teve quem o iniciou, foi iniciado direto pelo Astral Superior pelo portentoso Caboclo das Sete Encruzilhadas. Da mesma estirpe de Zélio, Benjamim Figueiredo, médium do Caboclo Mirim, que aos 17 anos manifesta este com pureza cristalina, o Guia que o faria até o final de sua vida estar firme à frente de muitos congás. Tivemos ainda W.W da Matta e Silva, que nunca teve “pai” ou “mãe” de “santo”, nenhum “mestre” humano botou a mão em sua cabeça, por orientação direta e força da Lei de Pemba vinda de Pai Guiné de Angola. Estes três exemplos, de médiuns seguros e livres, grandes educadores de consciências, pela atuação límpida dos espíritos que vibravam em suas sensibilidades mediúnicas, servem para toda a comunidade umbandista.
           Nos dias de hoje, verificamos um contingente enorme de médiuns dirigentes inseguros, que não se “garantem” em estar a frente de seus congás se não estiverem vinculados a um “pai” ou “mãe” no “santo”. Procuraram outros sacerdotes para se vincularem e assim adquiriram legitimidade, pois falta-lhes a confiança na mediunidade e a fé inquebrantável em Deus. Por vezes falta-lhes a própria valência mediúnica.
               Observo que não tenho nada contra a iniciação e consagração ritual. Eu mesmo tive dois dirigentes que me orientaram e ampararam em ritos de iniciação para dirigente de terreiro. Todavia, isto foi pontual e não gerou dependência ao iniciador. Se governar, depender “só” do Guias e do Astral para segurar o axé de uma egrégora, sempre foi o exemplo de grandes dirigentes de terreiro, que vão muito além de Zélio, Benjamim e Matta e Silva.
                O risco que corremos é estarmos cultuando egos de dirigentes que se alimentam da bajulação, mimos e reconhecimento público de seus “filhos” com casa aberta.
             Não é “pecado”, não é orgulho e nem vaidade se governar, ser independente, amadurecer e confiar no Amparo do Alto. Se você tem um “pai” ou “mãe” no “santo” a tiracolo, que sempre o socorre e lhe exige eterna fidelidade subserviente, está na hora de você repensar a sua espiritualidade.

Axé, Saravá, Namastê.
Norberto Peixoto
Dirigente do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidad
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics