domingo, 14 de fevereiro de 2016

OS MÉDIUNS DESISTENTES E O MENOSPREZO PELOS GRUPOS MEDIÚNICOS.


O programa redentor de um médium é esquematizado no Espaço, antes de sua reencarnação, conforme as suas pesadas dívidas com as leis divinas. É evidente que, em decorrência do alto grau de inferioridade, ainda peculiar aos habitantes da Terra, no seio da mediunidade pode crescer a erva daninha do egoísmo, desmerecendo o programa traçado pelo Alto. Mas é o livre-arbítrio do médium que estabelece a sua autonomia de decisão, e a qualquer tempo sua consciência pode determinar-lhe que desista do mediunato a que se propôs seguir, embora em nenhuma circunstância ele deixe de ser médium, já que pediu e aceitou a sensibilização do seu corpo astral, a fim de reencarnar como um intermediário com o Plano Maior.

Todavia, assim como nossos Maiorais afirmam que, por mais criterioso que seja o médium, "os homens passam e as instituições na Terra ficarão", o que tem valia é a obra realizada e não necessariamente o permanecer "obrigado" num terreiro ou num centro espírita, em detrimento de ser um médium "livre" em qualquer lugar. Naturalmente, em todo local ocorrem quedas de médiuns, e pior do que desistir da mediunidade e nada realizar é o serviço mediúnico mercenário.

Malgrado o menosprezo existente em muitos medianeiros em relação aos grupos mediúnicos, afirmamos que é a partir do espaço físico de reunião que se forma uma corrente vibratória sustentadora do trabalho do lado de cá, na qual os benfeitores do Espaço conseguem atuar e vos proteger. Envolvidos por essa egrégora benfazeja, criada a partir do direcionamento focal das boas emanações mentais do agrupamento, podemos neutralizar as energias densas, resultantes de pensamentos deturpados e fluídos deletérios de espíritos sofridos, no mais das vezes cruéis inimigos e desafetos dos próprios médiuns.

Ademais, não é incomum o médium que trabalha sozinho pressupor ter educado a mediunidade. Ou seja, ele presume não precisar de outros médiuns para o intercâmbio mediúnico, bastando a si mesmo, o que pode estar mascarando uma defesa do ego por traumas, recalques e medos mal resolvidos que dificultam o relacionamento interpessoal maduro. Insistindo em navegar solitário nos mares imprecisos da mediunidade, a presunção que o move fatalmente mudará a faixa de sintonia com os verdadeiros mentores. Consequentemente entidades mistificadoras e oportunistas incentivarão a sua "independência" e o afastamento definitivo do grupo mediúnico se consolida, assim como a onda do mar facilmente afunda um barquinho de papelão.

- livro pesquisado para a construção do texto:

MEDIUNIDADE DE TERREIRO

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O FALSO DISCÍPULO



    Disse Jesus que o verdadeiro discípulo seria reconhecido pelo amor que praticasse, por amar seus semelhantes INCONDICIONALMENTE.

     O falso discípulo decorou as escrituras, é um hermeneuta intelectual intolerante, armadilha do ego para fazer-se superior. O verdadeiro discípulo abraça incondicionalmente e fala de coração a coração;

    O falso discípulo sacrifica simbolicamente Jesus e com o seu sangue purifica os “impuros”, esconjurando-os às chamas infernais. O verdadeiro discípulo limpa as “chagas” morais dos caídos sem a presunção de pureza;

    O falso discípulo julga-se direitista e salvo. O verdadeiro discípulo não se presume evangelizado;
O falso discípulo exalta Jesus ensanguentado numa coroa de espinhos. O verdadeiro discípulo lembra-o misericordioso e consolador curando embaixo das copas das árvores e instruindo no Sermão da Montanha;

    O falso discípulo, se vegetariano, com acidez menospreza os carnívoros e por vezes prefere conviver com os animais do que com as humanas criaturas. O verdadeiro discípulo senta com todos à mesa e não impõe radicalmente sua escolha, assim como Jesus fazia em comunhão na casa dos coletores de impostos;

    O falso discípulo aguarda ansiosamente a purificação da humanidade através de proféticas catástrofes. O verdadeiro discípulo compreende que somos espíritos imortais e, elege à si mesmo, para consolar as “chagas” morais de seus irmãos caídos nos escombros da vida;

    O falso discípulo se esconde em fakes e perfis nas redes sociais não assumindo sua identidade. O verdadeiro discípulo não teme se mostrar, assim como Jesus o fez entrando em Jerusalém num burrico;

    O falso discípulo é fanático pelo guru espiritual ou o seu santo de fé. O verdadeiro discípulo compreendeu a universalidade do Mestre e entende que todos são seres divinos, chispas de uma mesma chama sagrada que é nosso Criador;

    Os verdadeiros discípulos estão em todas as religiões e em nenhuma ao mesmo tempo, eis que são o caráter e o amor os fatores eletivos ao Mestre e não a pseudo perfeição doutrinária.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

MÉDIUNS VAIDOSOS

     Os médiuns vaidosos são os mais visados pelos ataques das Sombras, sempre dispostos a atender aqueles que se encontram com o ego exaltado. Pela característica das manifestações mediúnicas na Umbanda, é exigido aos médiuns um esforço contínuo no sentido de manterem a humildade, eis que não existe Guia mais "forte" do que outro, pois os critérios que levam à concretização dos pedidos dos consulentes independem do nome da entidade que assiste o medianeiro, da sua hierarquia espiritual ou se está mais ou menos "incorporado" no "cavalo". O que leva a brisa benfazeja para os que buscam a Umbanda para a cura, o alento espiritual, e até algumas questões que envolvam auxílio das falanges benfeitoras no campo, material, é nada mais que o merecimento, associado ao respeito do livre-arbítrio de todas as criaturas.
     Essa é a maior dificuldade dos médiuns: discernir as fronteiras tênues do que intermediam com o Astral - se é adequado dentro das leis de equilíbrio e de causalidade que regem o carma de todos os seres. A ambição atiçada pelo ganho fácil e seguidamente provocada pelos elogios dos consulentes, que procuram agradar os médiuns em troca de favores, trabalhos milagrosos e toda sorte de ajuda que envolve as situações comezinhas da vida material, é como a ferrugem que lentamente e sem maiores esforços corrói a folha que cura.

- do livro JARDIM DOS ORIXÁS

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

QUAL A FUNÇÃO METAFÍSICA DE EXU?

    Objetivamente, Exu tem a função de equilibrador de todo o sistema cósmico, desde o macro até o micro; como bem diz um provérbio; ele fica em pé em cima de uma formiga. Assim, quem deve paga e quem merece recebe, nem um centavo a mais ou a menos, Exu sempre quitando as dívidas. Para uns, ele é sinônimo de caminhos abertos; para outros, pode ser de porteiras fechadas, mas sempre é dinâmico e atuante.

- do livro: Exu - o Poder Organizador do Caos. Edições Besourobox.

SAIBA MAIS SOBRE ESTA OBRA:

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

EXU OBARA

    EXU OBARA... Ativa conteúdos do inconsciente do médium expandindo suas percepções, induzindo-o ao transe.

   Durante o acoplamento mediúnico, os mentores utilizam uma grande quantidade de energias, tanto as originadas dos condensadores energéticos do terreiro, como as do médium - ectoplasma - e as atraídas pelo próprio guia espiritual através de vários processos magísticos. Estes fluídos etéreos são direcionados para a manutenção do contato mediúnico, para a consulta e ativações sobre o consulente e também como ajustes para o próprio médium. A Entidade responsável pelo mediunismo de seu aparelho sabe como ativar, paulatinamente, certos conteúdos do inconsciente do médium através de Exu Obara, possibilitando um aprimoramento psíquico e também expandindo gradualmente suas percepções do Plano Astral.

- do livro EXU - O PODER ORGANIZADOR DO COSMO. Edições BesouroBox.

SAIBA MAIS SOBRE ESTA OBRA: 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics