quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Bloco dos Músicos - Senhor Sete da Lira



"...no momento em que as escolas entrarem na avenida, eles estando junto, se deslocariam entre os seres desencarnados atraindo-os com a música alegre e contagiante, afastando-os então do povo, numa tentativa de impedir que influenciassem pessoas com ideias nefastas, desmanchando desta forma o ataque de falanges das trevas, contra a multidão de desavisados, nas noites de folia profana."       
     
         Os preparativos para os festejos carnavalescos estavam intensos e os trabalhadores da Escola Unidos da Vai Que é Festa, grupo com sede na periferia de uma grande cidade brasileira, agitavam-se no barracão, correndo de um lado para outro, terminando a montagem dos carros alegóricos, conferindo as fantasias, ultimando os preparativos de acordo com o tema escolhido para o desfile na passarela do samba. Uma correria danada, coordenar todo o pessoal envolvido, definir quem faria o que, para que tudo saísse nos conformes como o planejado ao longo do ano. O tema escolhido apresentaria o enredo “Os Prazeres do Mundo” e uma ala de belas mulheres selecionadas criteriosamente, vestindo peças de roupas minúsculas, praticamente seminuas, com os corpos esculturais a mostra, gingando e sambando, num convite capcioso a festejar os prazeres e licenciosidades da vida, com certeza faria o maior sucesso. Levantaria o público e os jurados, causando furor, excitando os sentidos de tal forma que seria praticamente impossível não ser tocado pela onda de sensualidade que se espalharia pela avenida. As fantasias cuidadosamente escolhidas e o brilho das lantejoulas dariam o toque de mil e uma noites com sedas, cetins e plumas, muitas plumas. O ouro que seduz brilhando, ofuscando os sentidos na noite mágica dos festejos momescos em que a população deixa tudo de lado para curtir as delícias do carnaval. Colocando todos os recalques para fora numa tentativa de lavar a alma na folia. Praticando toda espécie de barbaridades e soltando os baixos instintos na multidão desconhecida e sem rosto. Quando o desvario toma conta de alguns seres que então aproveitam para praticar todo tipo de atrocidades. Sendo que algumas terminam de forma trágica e outras o resultado se faz sentir no espaço de nove meses, quando nascem os filhos indesejados do carnaval. Crianças que não foram geradas com amor e respeito e que provavelmente nem saberão quem é o pai. Muitas serão consideradas produção independente e as mães irão arcar com a responsabilidade de criar os rebentos sozinhas, com todo o ônus que acarreta tal tarefa pesando em suas costas. Outras serão atiradas nos orfanatos e outras talvez tenham a sorte de encontrar uma família para adoção. E aquelas que não chegarão a nascer, por práticas de aborto ilegal?


       Janda pensava sobre o assunto e divagava observando o movimento de uma pequena sala localizada no mezanino do barracão, tendo ao seu lado um velho conhecido que a amparava e conduzia nos trabalhos em desdobramento astral e com o qual trocava ideias, sobre a agitação e o nervosismo que haviam se instalado naquelas pessoas, visto que o grande dia estava chegando. Faltava apenas um mês para o desfile. Atentos ao corre-corre perceberam quando um grupo totalmente diferente daqueles que ali trabalhavam se aproximou e misturou-se entre o pessoal da escola de samba. O responsável pelo grupo recém-chegado se aproximou, apresentando-se como um representante do Senhor Sete da Lira.

Janda arregalou os olhos, abriu a boca e de queixo caído, olhou para o amigo que a assistia numa interrogativa muda que lhe deu um ar estranho e bizarro que não passou despercebida pelos dois, arrancando deles sorrisos discretos, apesar do semblante sério e compenetrado. Logo ficou sabendo do motivo que os reunira naquele local estranho. Mesmo tendo se perguntado mentalmente, por que fora designada para tal encontro, recebeu de pronto a resposta que a deixara curiosa. Ainda mais que o grupo estava vestido a rigor, isto é, trajes de seda com casacas e cartolas, alguns de branco e outros de preto. Traziam consigo seus instrumentos musicais, violas, flautas, pistons, tamborins... Um tanto curioso e diferente de tudo que vira, porque alegres, cantando e tocando se misturavam com os integrantes da escola. O Senhor Sete explicou que tinham por missão acompanhar esta e outras escolas, infiltrando-se entre as alas e entre a bateria, porque pretendiam inspirar bons pensamentos naqueles seres, para que não fossem responsáveis por possíveis atos desastrados e pesarosos, que poderiam futuramente causar graves consequências entre eles e entre aqueles de cabeça fraca que se deixassem levar no embalo da insinuação do samba enredo com apelo irresistível ao desvario de toda ordem. E que no momento em que as escolas entrassem na avenida, eles estando junto, se deslocariam entre os seres desencarnados atraindo-os com a música alegre e contagiante, afastando-os então do povo, numa tentativa de impedir que influenciassem pessoas com ideias nefastas, desmanchando desta forma o ataque de falanges das trevas, contra a multidão de desavisados, nas noites de folia profana. Tais espíritos seriam encaminhados para locais próprios onde receberiam assistência e amparo, com estudo de suas fichas cármicas. Todos receberão ajuda e orientação, impedindo que aumentem ainda mais seus débitos com a justiça. Quem vai determinar o que acontecerá depois são os tribunais nos quais serão julgados de acordo com suas consciências, tudo organizado e dirigido por Pai Xangô e Senhor Ogum, sob as bênçãos de Oxalá. A nós cabe apenas organizar o trabalho na crosta e encaminhar os recalcitrantes, com base na ordem e no respeito. Agora se me dão licença, preciso resolver alguns detalhes da operação com meus comandados. Dito isto fez um leve e elegante gesto de despedida e foi de encontro aos companheiros que o aguardavam.

            Janda virou-se para o amigo espiritual e este comunicou que era hora de voltar, pois estava amanhecendo. Acordou e abriu a janela do quarto que dava para o mar. O cheiro gostoso e reconfortante trazido pela brisa fresca da manhã, juntamente com os primeiros raios de sol, anunciavam o raiar de um belo dia. Em seus ouvidos ecoava uma música... Seu Sete da Lira... Chegou lá de Aruanda... Seu Sete da Lira Baixou neste Congá...

                       QUÁ! QUÁ! QUÁ! QUÁ!

Lizete Iria
                               
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics