terça-feira, 20 de novembro de 2012

Existem casos que a Umbanda não consegue resolver, pois nem todos obtêm a cura. Qual a explicação para esses "fracassos"?

          Não se trata de fracassos da Umbanda ou dos guias, mas de fatores alheios ou falhas dos próprios doentes. Conversando com um preto-velho, esclareceu-me algumas dúvidas. Em princípio por que, algumas vezes, previsões, remédios, oferendas, conselhos dos guias não são eficazes, não surtem os efeitos desejados. “Ora” disse-me, “a Umbanda não é limitada a certas classes de espíritos. Nos terreiros, se o médium quiser e for permitida, dar-se-á a incorporação de toda espécie de desencarnados, desde os imperfeitos até sábios Instrutores do Espaço, e muitos deles, de más intenções(*) , se apresentam como pretos-velhos, caboclos, exus,... e outros, a fim de serem aceitos, isto é, mistificam. Pois bem, não é pelo simples fato de serem espíritos fora da matéria que sabem tudo. Não. Eles sabem somente aquilo que aprenderam e mais nada”. Então, há mistificação na Umbanda? Sim e bastante. 
    (*) Por isto, a importância do teor das orientações, seus aspectos moral e evangélico, sendo de menos importância a forma e o nome da entidade comunicante. ( grifo nosso)

     Contudo, a existência de perucas não quer dizer que todo mundo seja careca… O fato de haver muleta, não implica que todos sejam aleijados. Ademais, a cura de uma doença, por exemplo, pode não se dar por vários motivos, quando o guia é autêntico. Também a Umbanda não é panacéia para todos os males, principalmente as doenças de origem física, pois para isso existem médicos, embora muitas possam ser curadas. Voltando ao caso da mistificação, este fator negativo não é privilégio da Umbanda. Mistificação há em toda atividade humana e é inerente à humanidade, visto esta não ser perfeita. É um dos erros dos homens, não da Religião. 

         É verdade. Existem pessoas que, embora tratadas espiritualmente em centros kardecistas e umbandistas, não se curam, enquanto a maioria obtém êxito no tratamento e a consequente cura. Por que isso acontece, quando os mentores espirituais de Umbanda são autênticos? Bem, vários são os motivos para que tal ocorra:


1º – As pessoas não são máquinas, nem iguais umas às outras, razão por que as curas em algumas não se efetivam.

2º – A pessoa tem no perispírito (corpo astral) bastante substância tóxica astral, adquirida em vidas anteriores, que é expelida em forma de doenças nesta existência.

3º - Falta de Fé (confiança), elemento que muito ajuda (embora não seja essencial) na cura, por ser fator de sugestão. (*)

(*) Há casos específicos em que a "cura", meramente no corpo físico, reduzida a um fenômeno de recomposição de tecidos mórbidos, como os tumores por exemplo,  não valida a cura profunda - no espírito - e não depende de fé para ocorrer. Certa vez presenciamos um menino de 10 anos que teve um grave tumor na cabeça "milagrosamente" desmaterializado e o tecido cerebral recomposto e saudável novamente para espanto dos médicos. A criança não sabia o que era ter fé, mas por intercessão de um caboclo no Plano Astral com outorga perante as Leis Divinas, a extirpação da metástase serviu para despertamento da fé nos familiares, pois que estava o paciente desenganado da medicina terrena. É um caso que o coletivo é maior que o individual. A partir de então a família materialista se voltou fervorosamente para as questões do espírito. Este é um exemplo que a fé do paciente não é essencial para a obtenção de um fenômeno físico isolado. Todavia, a nova fé plantada no coração dos parentes germinou numa melhora geral e, ao mesmo tempo, para que conquistassem um merecimento mínimo, alcançando possivelmente até a cura profunda nos  espíritos deles mesmos, pela mudança dos comportamentos equivocados por condutas evangelizadoras,  ao serem tocados pela fé - tua fé te curou, sentenciava Jesus - diante do fenômeno "milagroso". ( grifo nosso)

4º - Há indivíduos que gostam de suas doenças e as usam como argumento em suas conversas (fato curioso, mas verdadeiro). São os masoquistas (sentem prazer no próprio sofrimento).

5º - Existem aqueles que opõem resistência inconsciente, não acreditando que possam ficar curados espiritualmente.

6º - Há os que são doentes por força de seus próprios hábitos ou vícios, e não se curam por não abandonarem o hábito (fumar, beber em demasia, comer demais, odiar, brigar, enervar-se, abusar do sexo etc).

7º - Há pessoas boas condutoras de energia e capazes de armazená-la, enquanto outras são péssimas condutoras de fluidos vibratórios de cura, bloqueando o fluxo energético e, portanto, incapazes de conservá-la.

8º - Quando da aplicação de passes, às vezes reclama-se resultado imediato, quando o tratamento deveria ser mais longo.

9º - No início da enfermidade, a possibilidade de cura é maior do que quando já adiantada. Mesmo que o doente morra, a morte não significa que a cura não se efetuou. A eliminação ou alívio da dor e da angústia pode se considerado bom resultado e o doente ingressar na vida espiritual isento dos males que o atormentavam, reencarnando futuramente sem o carma doloroso da moléstia.

Retirado do livro “UMBANDA - Perguntas & Respostas”
J. Edson Orphanake – Tríade Editorial
    
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics