quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Um Mestre Ascenso baixou no terreiro?!?



Mestres ascencionados (Mestres Ascensos) ou avataras (do sânscrito avatara, que significa “descida”; de avatarati, “ele desce”; de ava, “longe” + tarati “ele atravessa”) é um termo esotérico que define um grupo de seres que alcançaram grande evolução espiritual, após diversas encarnações como seres humanos. 
São chamados de mestres porque orientam espiritualmente os seres que estão em busca de evolução espiritual na Terra; e ascencionados porque já encarnaram e evoluiram hierarquicamente, afastando-se das limitações do plano terreno em direção à Luz, à ascensão espiritual. A ascensão diz respeito à busca de um Amor incondicional pela vida.
Fonte: dicionário Wikipedia

Aquela segunda feira tinha tudo para ser especial. Apesar de não ser dia santo, feriado ou alguma data comemorativa. Apenas um dia de primavera muito quente e abafado, com mostras de que durante a noite cairia o maior toró. 
Mais um dia de atendimento espiritual com apometria, dando ênfase nos transtornos anímico-obsessivos, com as mais diversas patologias, os casos mais estranhos e as dores mais urgentes e inimagináveis, que desfilam ante nossos olhos surpresos. Apesar do estudo constante, da busca de soluções, para compreender, ajudar e aconselhar de modo que os seres encontrem a luz no fim do túnel que cada um cria para si. Do eterno desfile de problemas mais variados possíveis, da complexidade do sentir da alma humana, sempre somos surpreendidos com o inusitado. 
Vale ressaltar que as obsessões, desde as mais simples, como uma aproximação sem maiores interesses a não ser o bem estar que o campo energético do encarnado proporciona aos espíritos necessitados, até as mais complexas, como as fascinações e simbioses, têm sempre a contrapartida dos nossos descuidos, desmandos, caprichos, falta de interesse em compreender as relações com o mundo espiritual.

Essas relações obsessivas podem acontecer de diversas maneiras, ou seja, entre espíritos e encarnados, entre encarnados e espíritos, entre espíritos e espíritos e entre encarnados e encarnados.  E todo o tipo, seja qual for, apresenta graus de complexidade variáveis, não existindo um mais fácil ou mais difícil de descobrir o diagnóstico e tratar. Na maioria das vezes não prestamos atenção aos sintomas e tantas outras buscamos desculpas tipo ele é genioso, ela sempre foi mal-humorada, ele é depressivo, ela é meio esquisita e outras mais. Sem esquecer que ao perceber algumas alterações de personalidade e modo de agir, poucos procuram o médico competente para ajudar a solucionar o caso. Recorre-se a tratamentos inócuos, quando o correto é tratar o físico com os médicos terrenos e tratar o espírito com a medicina dos espíritos. Cada um fazendo a sua parte. O que sem sombra de dúvidas necessita da nossa responsabilidade e esforço, para melhorar através do autoconhecimento, da mudança de atitude, da valorização de nosso ser. Porque estamos aqui nesta caminhada para aprender, trocar, doar, receber, amadurecer, amar e ser amado. Entretanto só teremos condições de ser plenos se nos enxergarmos como tal, nos reconhecermos e nos aceitarmos como cidadãos cósmicos marchando para o progresso inexorável.
Transcorriam os atendimentos e lá pelas tantas se apresenta uma senhora, jovem ainda, revelando-se agitada e controversa em suas informações sobre a solicitação de ajuda e tratamento. Pois que quando as pessoas chegam a casa preenchem fichas de anamnese que posteriormente são lidas e analisadas pelos trabalhadores que fazem a triagem dos casos.
      E a posteriori as fichas são novamente lidas para compreensão do caso que se segue e troca de informações entre o consulente e o grupo. Muitos não colocam o verdadeiro motivo e quando da entrevista pessoal percebe-se claramente que é tudo uma farsa. Quais seriam os motivos, vergonha, embuste, espionar, solicitar trabalhos fora da ética e do bom senso, pega-ratão?
       Dieine Diei era seu nome e suas atitudes eram confusas. Relatou que estava procurando um lugar para tratamento de saúde porque andava com muitos problemas pessoais e familiares, financeiros e amorosos. A empresa familiar falira, estavam sem recursos e desorientados. Mas... Todavia... Contudo...
Seus mentores, os mestres da Grande Fraternidade Branca, cuidavam dela e da família. Aconselhavam e amparavam. Era canal dos mestres, portanto era forte e independente para tudo. "El Morya" lhe aparecera e disse que estava para o que der e vier. Sabia tudo de espiritismo, umbanda, mestres da grande fraternidade, tratamentos alternativos e outras coisas mais. E que não levava seus mestres para trabalhar em qualquer casa, estava à procura de um bom lugar para trabalhar com eles. E resolvera depois de muito procurar que ali era o lugar ideal para os mestres trabalharem e que tinha trazido os mesmos juntos e os deixaria ali. Claro que ela trabalharia junto como médium principal.
Quando o atendimento deu início e ela foi aconselhada a fazer tratamento, a frequentar as palestras e as giras, deu um solavanco para frente, levantou da cadeira e começou a girar pelo abaçá. Era o tal do “mestre ascensionado”, incorporado e furioso querendo tirá-la dali e ameaçando os médiuns, caso insistissem com o tratamento espiritual. Foi o maior barraco para acalmar o “mestre”. E principalmente fazê-la entender porque necessitava de esclarecimento. Quem eram os mestres que estavam com ela. Espíritos zombeteiros, aproveitadores e de baixa evolução moral que se ligaram por afinidade, orgulho, vaidade e prepotência. Alguns puderam ser encaminhados para orientação e tratamento, outros não. Porque não houve uma aceitação dos fatos e sim um clima de desconfiança, achando que havia uma tentativa de desmerecimento e inveja por todo o seu poder. Falsas ilusões, prepotência, arrogância e desconhecimento das leis que regem o cosmos. Divinas. Imutáveis.
Allan Kardec, no Livro dos Espíritos, questão 101 diz que os espíritos imperfeitos, têm predominância da matéria sobre o espírito, propensão para o mal. Ignorância, orgulho, egoísmo e todas as paixões que lhes são consequentes. Na questão 107, fala que os bons espíritos tem predominância do espirito sobre a matéria, desejo do bem. Suas qualidades e poderes para o bem estão em relação com o grau de adiantamento que hajam alcançado...
Portanto o estudo pode nos proporcionar os meios de reconhecer aqueles que estão ao nosso lado, nos orientando e compartilhando experiências. Pois que todos ganham com o conhecimento adquirido em nossas vidas.

Lizete Iria - Médium do Triângulo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics