quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Doces enganos


               Ela menina flor, beirando os 15 anos, idade linda em que toda jovem sonha com o rapaz encantado que a fará feliz, ou modernamente, sofrer menos. Ouviu falar que no bairro onde morava havia um templo de umbanda e junto com uma amiga, para dar força, procurou a tal casa, porque tinha urgência em falar com Pai Ambrósio, preto velho, que trabalhava ali e esta noite seria sua grande oportunidade. Seus pais sairiam para jantar com amigos e as garotas aproveitariam para dar uma chegadinha ao tal lugar. Diziam que era muito bom. 

                 Escutara nas conversas dos amigos que o tal do preto velho era o máximo. Acertava tudo. Não deixava escapar nada. Tinha a língua afiada.   E assim a imaginação fértil das pessoas atiçou mais ainda a sua curiosidade.
              Chegaram cedo ao templo, para pegar um bom lugar e receberam as primeiras fichas, que eram distribuídas por ordem de chegada.
  Porém para consultar com o preto velho primeiro tinha que assistir à palestra. Depois começava a chamada para os atendimentos.
                - Ai que chatice!  Pensou ela. Sabe lá as besteiras que vou ter que ouvir! Tomara que valha a pena. Só me falta ouvir um monte de baboseira evangélica. Pior ainda se ficarem só falando de umbanda, orixá, caboclo. Não entendo nada disso.
                - E se pedirem alguma coisa? Parece que eles pedem animais. Será que vou ter que trazer um galo preto? Cruzes! E fez o sinal da cruz arrepiando-se toda. 
- Se eu pudesse dar um jeito, mas não conheço ninguém aqui.
                 Enquanto seus pensamentos tomavam corpo e trocava ideias com a amiga, não reparou que o salão ficou lotado, todas as cadeiras ocupadas, pessoas do lado de fora. Não percebeu a música suave nem a atmosfera tranquila do lugar. Só pensava em quando iriam começar os trabalhos da noite. Estava muito ansiosa, quase não conseguia parar quieta.
                  Havia escutado que os “batuqueiros” se vestiam com roupas muito estranhas, verdadeiras fantasias, cheios de penduricalhos, tocavam tambor, cantavam, rodopiavam, fumavam charuto e bebiam cachaça. Já estava ficando arrependida de ter ido até lá. O que será que ia acontecer? Que tipo de gente era aquela?
                 - Ai Jesus! Tô com vontade de ir embora.
Mas a causa que a levara até ali era tão importante que mesmo com receio resolveu esperar. Ouviu a palestra que para sua surpresa foi interessante. O tema abordado foi os peditórios aos amigos espirituais. Interessante pensou. Tem gente que pede cada coisa.
                   Quando chegou sua vez entrou no abaçá tremendo, mal conseguia caminhar, os joelhos não obedeciam. E a distância da assistência ao local onde estava pai Ambrósio parecia imensa, quilométrica.
  Surpreendeu-se ao ver que os trabalhadores usavam roupas brancas simples, uma guia no pescoço, pés descalços e nada mais. Bem diferente daquilo que ouvira. Ninguém na casa falava alto e sempre se dirigiam as pessoas em tom fraterno e tranquilo. Sem gritaria, sem estardalhaço. Ninguém ali bebia cachaça, não viu os médiuns fumando charuto espalhafatosamente. Apenas galhos de arruda, de alecrim e malva cheirosa, o que deixava um aroma reconfortante no ambiente. 
- Como falam besteira, pensou. Surpresa com o que via. Tudo é tão simples neste lugar. Nem parece casa de umbanda.
Mais surpresa ficou quando percebeu que seria atendida por um médium maduro, mas que não era velho nem preto, entretanto estava curvado, sentado em seu banquinho e cumprimentou-a com uma fala mansa e arrastada. Sorridente. Simpático.
   Mais confiante com a acolhida relaxou. Depois que recebeu o passe sentiu-se mais calma e expôs a pai Ambrósio a imensa preocupação, que de seus quinze anos ainda incompletos, carregava em seu coração de menina-mulher.  
 Reconfortada pelo preto velho, confidenciou que estava apaixonada, perdidamente apaixonada, por um garoto dois anos mais velho que ela. E o grande drama de sua alma, de seu momento existencial, era se podia “ficar”, namorar com o rapaz, sem que ele a deixasse em seguida. Será que ele a faria sofrer abandonando-a depois de “ficar”?  Podia confiar nele? Tinha futuro o namoro? Não queria ser descartada e sofrer uma grande desilusão amorosa. Será que o moço queria compromisso sério ou diversão?
  Pai Ambrósio com a alma cheia de compaixão por aquela criança, despertando para a vida adulta e com preocupações tão infantis, desprovidas de qualquer aquisição mais elevada, carregada de sentimentos materialistas e apelo puramente sensual e físico, aconselhou a garota a falar com seus pais e contar suas preocupações. A dividir com a mãe suas angústias em relação ao momento de transição que estava vivendo, de menina para mulher.
Perguntou a ela se conhecia a família do rapaz, como era o comportamento dele em relação aos estudos, compromissos com a família, amizades e divertimentos. Mas ela não o conhecia direito. Sabia muito pouco sobre ele, na verdade, quase nada. Apenas se sentia atraída e não queria correr o risco de ser passada para trás. Só isso. Os pais não tinham opinião a respeito. 
Aconselhada a refletir melhor sobre a questão, ficou levemente contrariada, porque queria que o preto velho desse a ela a certeza absoluta se podia ou não encarar o namoro. Nada mais lhe interessava.
Assim se comporta a sociedade moderna. As pessoas buscam sensações e prazeres materiais. Não existe preocupação com as consequências das insanidades cometidas que podem afetar e prejudicar seriamente a própria vida e a dos demais seres envolvidos nos enganos e promessas infelizes. Apenas gozo. Apenas momentos de êxtase. A vida está resumida em banalidades, ações que anestesiam os sentidos, que exaurem as energias causando estresse e desequilíbrios de longo prazo como doenças e depressões que afetam a humanidade atualmente. Enquanto o imediatismo, o consumo desregrado e a preocupação com o corpo for à mola que move a sociedade, teremos pais despreparados e indiferentes em relação aos problemas dos filhos, pela falta de diálogo e interesse sobre os mesmos. A maioria dos pais não está preocupada em dar a seus filhos orientação religiosa e espiritual segura. Noções de ética e moral. A ensinar que liberdade pressupõe responsabilidade e que juntas geram consequências, que se não forem bem administradas poderão apresentar resultados desastrosos para o futuro.

Lizete - Médium do Triângulo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics