quarta-feira, 17 de agosto de 2011

A função das consultas.

Existem muitas pessoas que 'gostam' da situação de se sentirem 'vítimas', de terem um 'problema' que não tem solução, e que as obriga a 'peregrinar' de um médium a outro, de um centro a outro, de uma religião a outra, sempre com aquele 'fardo' que as 'fazem sofrer'.

Essas pessoas chegam mesmo a criar bloqueios durante a consulta espiritual, talvez de maneira inconsciente, porque sentem 'medo' de 'parar de sofrer', pois isto significa reconhecer a própria responsabilidade pelos seus atos e deixar de ser o coitadinho(a), correr o risco de perder a atenção dos amigos e parentes, o que as contraria, dado que não conseguem se imaginar sem ninguém sentindo pena delas já que elas sentem pena de si mesmas: AUTO-COMISERAÇÃO*.
São pessoas carentes e também rebeldes que se escondem atrás de suas 'dores' para não encarar a si mesmas, resultando em MONO-IDÉIA*, AUTO-OBSESSÃO* e repetição de padrão de pensamento e atitudes.

É preciso entender que nestes casos os espíritos guias se manterão solidários, mas neutros, sem 'participar' das dores do consulente pois a responsabilidade última da cura perene é sempre da própria pessoa. E o comportamento dos médiuns frente as dores alheias??

A função das consultas, que é uma forma de terapia, basicamente é auxiliar a própria pessoa a se curar, a encontrar novos significados para os acontecimentos de sua vida, suas dores, sofrimentos, mostrando novos ângulos de interpretação sobre si mesma e ensinando a transmutar as energias deletérias que na maioria das vezes ela mesma cria.

Os espíritos e, obvio, os médiuns, não podem fazer o trabalho que compete ao consulente, que é sua mudança interior. Claro que havendo merecimento e o livre arbítrio do consulente se encontrar desrespeitado a ajuda espiritual naturalmente se fará presente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics