quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Mandinga de Preto-Velho!

  Ele não tinha outra ocupação na vida, nenhum outro pensamento, a não ser que Ele era um espírito, desvencilhado, livre. Com sua visão maravilhosa, descobrira Ele que cada homem e cada mulher, fosse judeu ou gentio, rico ou pobre, fariseu ou romano, escriba, rico ou pobre, santo ou pecador, era a encarnação, como ele próprio, de um espírito imortal provindo da mesma fonte infinita de amor. O trabalho de sua vida foi chamá-los a sentir a natureza espiritual deles próprios, dizendo que "o reino de Deus estava dentro deles" e que "eles e o Pai poderiam ser um".

       Eis aí o evangelho eterno, a unidade ensinada por todos os grandes mensageiros das religiões, no qual o Cristo Cósmico pede a todos nós, que primeiro ouçamos e depois percebamos por nós mesmos. 
Swami Vivekananda
                                  


* * *

Certo dia uma pessoa procurou ajuda de nego-velho para solucionar uns probleminhas. Compareceu ao centro espírita  e desfiou um rosário de lamentações à pessoa que o atendeu.
A resposta de pai velho veio logo em seguida no receituário mediúnico:
“Levante pela madrugada, mais ou menos às 4 horas. Colha então algumas rosas brancas no roseiral que está plantado no fundo do seu quintal e, ao fazê-lo, sinta seu aroma. A cada rosa arrancada do pé, faça uma oração pedindo a Deus que o abençoe, bem como aqueles que ama. Depois, dirija-se à cozinha, ponha água no fogo e, enquanto ferve, meu filho, procure o Evangelho e faça uma leitura, preparando assim o ambiente de sua casa para a mandinga de nego-velho. A seguir, coloque as rosas dentro da água fervendo, apague o fogo e abafe. Enquanto aguarda para que esfrie um pouco, vá tomar um banho de asseio, lavando-se todo, da cabeça aos pés. Quando estiver debaixo do chuveiro, ore e feche os olhos, reparando atentamente na água que cai em seu corpo. Enxugue-se e pegue a água de rosas, derramando-a pelo corpo. As rosas que foram cozidas devem ser jogadas em água corrente, no riacho que fica um pouco distante de sua casa. Saia com as rosas embrulhadas e vá cantando uma cantiga qualquer, daquelas que transmitem felicidade. Por fim, volte para casa e, do jeito que puder, deite-se, pois ainda não terá amanhecido o dia. Lembre-se de aproveitar as oportunidades que se fizerem presentes.”
Quando o médium viu o receituário, ficou estarrecido com nego velho. Questionou a eficácia do banho, as orações, o horário que deveriam ser feitas e a fórmula dada para aquele caso particular. Nego velho pensou um pouco e depois respondeu ao médium:
“Sabe meu filho, as rosas servem para perfumar o ambiente e o corpo do nosso companheiro. É que ele reclama que o casamento vai mal, que sua companheira está evitando-o sempre e que ela agora arranjou um trabalho noturno do qual ele está desconfiado. Mas sabe, meu filho, é que o marmanjo não gosta muito de tomar banho, e com aquele cheiro não tem mulher que agüente a situação. Conhecendo a fé do homem em nego-velho, resolvi dar um empurrão no relacionamento. Ele também não gosta muito de estudar o Evangelho nem de rezar. Porém, ajuntando tudo numa receita de pai-velho ele vai seguir à risca. Passará então a se levantar muito cedo, apanhar as rosas, tomar um bom banho e meditar debaixo do chuveiro. Quando despeja o banho de rosas no corpo, então se perfuma todo, e, aí, nego-velho o induz a levar as rosas restantes do banho para jogar no riacho que fica um pouco distante de sua casa, ainda de madrugada. Sabe por quê meu filho? É que a mulher dele é enfermeira e retorna do plantão noturno exatamente naquele horário, de ônibus, e é obrigada a andar sozinha por um bom pedaço até chegar em casa, mesmo na escuridão da noite. Quando for até o riacho, já está na hora da mulher chegar. O resto você já sabe, meu filho, é só confiar na natureza e as coisas se resolvem. Isso é mandinga de nego-velho.”
Ao ouvir a explicação, o médium pegou a receita e entregou ao consulente. O caso se resolveu em alguns dias. Nosso irmão precisava apenas de um empurrão para aprender a tomar banho e se perfumar e de uma desculpa para agradar a mulher, apanhando-a no ponto de ônibus. Nego-velho riu muito ao saber que os dois haviam se reconciliado graças a um banho despretensioso, feito de rosas, e algumas orações acompanhadas de meditação debaixo do chuveiro.
Muita gente, meu filho, tem necessidades as mais estranhas, mas que costumam se resolver com pequenas receitas de paz, diálogo, orações e - quem sabe? – um pouco de higiene também.
Assim como há quem sofra com o corpo sem higiene, há os que mantêm a mente poluída com pensamentos de desarmonia. Precisam urgentemente de uma mandinga bem feita para aprender a se livrar dos maus pensamentos através de uma meditação nas palavras do Nosso Senhor Jesus Cristo. Limpe os pensamentos, harmonize suas emoções e prossiga sua caminhada, meu filho, acertando o quanto puder as desavenças entre você e os seus. Diversas queixas de meus filhos são questões simples de solucionar, e, na maior parte dos casos, um banho de Evangelho associado ao perfume do coração conseguem fazer muito mais por você do que as complicações que procura para dar respostas imediatas aos seus desafios. Desenvolva a capacidade de simplificar as coisas, pois a vida é cheia de caminhos complicados, e, ao percorrê-los, abrimos certas trilhas que nos conduzem, às vezes, à infelicidade. É importante descomplicar nossa busca e simplificar as soluções.
Quer um exemplo? Muitos estão à procura de “se dar bem” na vida e, com esse intuito, perseguem a todo custo um amor impossível para a realidade terrestre ou, em outras ocasiões, vivem atormentados por não possuir aquilo que os distinga no meio social em que se relacionam. Correm o tempo inteiro. Essa situação, embora seja louvável caso leve em conta valores espirituais, faz nego-velho lembrar do que Nosso Senhor falou: “Pois que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua alma?” [Mc 8:36].
Grande parte dos conflitos humanos, meu filho, seria resolvida simplesmente com um sim ou um não, o que indica que muitos filhos de fé ainda não aprenderam a impor limites às dificuldades ou às atitudes alheias que os prejudicam. O silêncio constrangedor ante a ação do mal torna vocês coniventes com o erre, perturbando a problemática. Outras vezes, convencidos da possibilidade de superar os obstáculos, os homens esperam coisas complicadas demais, que, caso fossem concretizadas, se constituiriam em entraves à felicidade, pois meus filhos têm uma visão muito estreita a respeito da própria vida. Pedem recursos que não sabem administrar e ambicionam situações que, no futuro, só trariam incômodos; reclamam auxílio, mas recusam-se a participar do trabalho que transforma o panorama geral; aspiram a bênçãos para as quais não concorreram.
O alto envia os recursos; no entanto, não se recebe o que foi pedido, mas o que é necessário para o crescimento interior. Meus filhos então se revoltam, falam coisas indevidas, recusam-se a compreender e repelem o tipo de ajuda enviada. Em vão. Deus não se curva à rebeldia de filhos imaturos. O corpo que você utiliza, meu filho, é tão somente um disfarce para camuflar sua infantilidade em relação às questões espirituais. É hora de crescer espiritualmente e experimentar atitudes mais adultas ante os desafios que cruzam seu caminho.
É impressionante o efeito que os contratempos pequeninos têm sobre você, fazendo-o sofrer e se sentir ofendido com migalhas de comportamento de outras crianças espirituais. Que tal abrir os olhos para uma realidade diferente, meu filho? Talvez você descubra o quanto pode realizar em benefício da própria felicidade. São atitudes simples, pequenos gestos, apenas algumas palavras, e, de repente, todo o panorama estará renovado. Ah! Nego-velho esqueceu que meus filhos não se contentam com o que é simples e com soluções que dependam de si mesmos.
Nego repara como muitos pedem e reivindicam, mas querem tudo pronto. Exigem sem se esforçar, rogam auxílio e logo se enrolam na trajetória, em meio à ajuda enviada. Não reconhecem o surgimento de uma oportunidade, pois Deus escreve através de palavras inarticuladas, que ó poderão ser interpretadas com o coração.
Os problemas de hoje, meu filho querido, não são diferentes daqueles com os quais a humanidade de dois mil anos atrás se deparou. Por isso mesmo as recomendações ainda são as atualíssimas lições ditadas por Nosso Senhor. As palavras de nego-velho não passam de uma versão cabocla da mensagem que Cristo Nosso Senhor trouxe; não há nada de novo.
Urge reconhecer que estamos excessivamente distantes do céu; sendo assim, onde estivermos há muito trabalho por realizar em prol da simplificação das questões da vida.
Utilizemos as rosas da boa-vontade, da ternura e do amor de modo nunca antes experimentado, a começar de cada um, em sua intimidade. A partir daí, experimentemos em nosso ser a avalanche de valores e forças que será encadeada para, em seguida, identificar as águas da fé, que descem perfumadas em nossa alma. Cultivemos essa fé em cada atitude e, assim, simplificaremos muito nossas rogativas e expectativas.
Capítulo 14 do livro “Alforria”
espírito “pai João de Aruanda”
médium robsom pinheiro
editora “casa dos espíritos”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics