CALENDÁRIO VERÃO 2018.

ENCERRAMENTO 2017

08/12/17 – 6ª Feira: Sessão Pública.

15/12/17 – 6ª Feira: Última Sessão Pública.

Calendário Verão 2018

Atenção: Janeiro e Fevereiro Sessões Quinzenais!

12/01/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

26/01/18 – 6ª Feira Sessão Pública.

09/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

23/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

09/03/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

QUANDO NASCE UMA CASA DE UMBANDA.

     Muitos umbandistas expressam o desejo de terem suas casas. Na maioria dos objetivos, a razão é para fazer o que discorda da atual casa ou para ditar as suas próprias regras. No entanto uma corrente espiritual de Umbanda nasce de razões profundas, alicerçadas no compromisso moral, ético e espiritual. Não se trata de um local para atender as vontades das pessoas e nem tão pouco um palco de atrações.

     Uma casa de Umbanda é um lugar sagrado onde se encontra apoio e acolhida aos encarnados e desencarnados. Um lar para quem quer ficar, uma escola para quem quer aprender, um hospital para quem quer se curar. Ela nasce em coração simples e sincero, com disposição e capacidade de agregar, somar e de partilhar. São esses os dons que outorgam o nascimento de uma corrente umbandista. Valores que não se aprendem em cursos, que não são comprados ou adquiridos por graus parentescos e “ritos mágicos”. São valores forjados pela dedicação ao trabalho mediúnico, pelo discernimento e disciplina que no decorrer no tempo são adquiridos. A espiritualidade que desenvolve e educa o filho de fé indica o momento de construir uma casa, quando a formação se completa. A autorização parte da Umbanda e não das pessoas. Quando a concepção é sagrada entre a espiritualidade e um coração humilde, a Umbanda vibra no ori, no olhar, na pele. Não há recuo pelas dificuldades, pelas próprias limitações ou ingratidões. Há objetivo, determinação e realização. O resultado se apura no decorrer dos anos. Os trabalhos crescem, se desenvolvem e se multiplicam. As correntes espirituais se consolidam e a identidade da casa se constrói junto com sua história. É como uma semente que possui o dom dos frutos, mas terá que trabalhar em sua formação até se transformar em uma árvore.

     Que as sagradas casas de Umbanda promovam ambientes adequados para que seus filhos sejam capacitados a cuidar da fragilidade humana. 

    Saravá!

    Templo de Umbanda Caboclo Pena Branca – Taubaté SP

    Mãe Márcia Moreira

domingo, 15 de janeiro de 2017

ENTENDENDO A "UMBANDA DO MEU UMBIGO".

     Nas redes sociais diariamente são postadas mensagens de pessoas dizendo o que é ou não é UMBANDA. Partem da premissa de vivência em seus terreiros, parte de um todo, e equivocadamente percebem a parte como sendo o todo.
     Outros começam a estudar a UMBANDA em livros e apostilas baixadas da rede e já se arvoram em vozes da verdade, por vezes abrindo canais de vídeo e já ditando doutrina, com pouca ou nenhuma vivência presencial no terreiro.
    Há ainda os que são "formados" a distância, em cursos rápidos e sem quaisquer pré-requisitos, que "diplomados" com certificado do mestre sicrano ou beltrano, também se acham (presunção) no direito de dizer o que é ou não é UMBANDA.
    Enfim, é a "UMBANDA DO MEU UMBIGO"...
    Eu sou do tempo do pé no chão, do saber transmitido de boca a orelha, do silêncio e discrição nos preceitos, da humildade no trato com os mais velhos e respeito aos mais novos...Sou do tempo que o aprendizado era vivenciado com o tempo certo de preparo e quando se abria uma casa, depois de muitos anos, respeitava-se a UMBANDA DE TODOS NÓS e raramente o novo terreiro não se enraizava. Era o tempo que as sementes tornavam-se árvores frondosas. Hoje temos muitas folhas ao vento, pois qualquer brisa as levantam do chão.
    Axé!!!
    Norberto Peixoto.  

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A FALÊNCIA DO PONTO DE FORÇA DO ORIXÁ OXUM.



A FALÊNCIA DO PONTO DE FORÇA DO ORIXÁ OXUM.
Por Norberto Peixoto.

Ontem a tarde estive na Praia de Ipanema, a beira do lago Guaíba, na zona sul de Porto Alegre.
Foi um final de dia abafado, sem nenhuma brisa para refrescar.
Tinha intenção de caminhar na areia e molhar os pés, saudando o ano novo.
Mas isto não foi possível.
Para a minha tristeza, verifiquei muito, muito lixo nas calçadas, que ainda não havia sido recolhido pela prefeitura. Tal fato seria  contornável, se a praia estivesse limpa.
Infelizmente, além do esgoto escuro, largo e fétido que deságua a céu aberto a menos de 50 metros do monumento de Oxum, a praia estava cheia de oferendas em decomposição.
Andando pela calçada, não tinha como não sentir o cheiro de carniça, tal a quantidade de galinhas com penas em putrefação, deixadas a esmo entre pedras e pés de árvores, isto que são locais públicos. Afora os materiais sintéticos, plásticos, bandejas de alumínios e barcos melancólicamente caídos na areia, devolvidos pelas marolas de água doce.
Ainda fiquei surpreso e profundamente decepcionado por verificar que o monumento à Oxum está bem "ao lado" do principal e fétido esgoto, que escoa aos nossos olhos, entre emanações de insurportáveis gases nauseabundos, para as àguas do Lago Guaíba.
Com intensa e penetrante tristeza na alma, não senti a presença do Orixá Oxum neste local.
E esta constatação não é desrespeitosa ao culto popular do Orixá e a fé individual e coletiva.
Tão somente constatei que pela poluição cloacal, pelos elementos não biodegradáveis e pela descaracterização de fundamentos ancestrais, o ponto de força que seria de Oxum está em completa fadiga, em total falência vibratória, não havendo mais conexão com os poderes de realização da divindade.
Reflito que talvez estejamos falhando galhardamente em orientar nossas comunidades afro-umbandistas, de como devemos proceder em nossa oferendas e louvações públicas no sítio sagrado do Orixá.
Triste, triste experiência.
Axé.


A FOTO FOI CAPTURADA DA INTERNET. NÃO FOI TIRADA NO LOCAL ONTEM, EM RESPEITO A OXUM, POIS AS IMAGENS SE PUBLICADAS PROFANARIAM ESTE SAGRADO ORIXÁ.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics