CALENDÁRIO VERÃO 2018.

ENCERRAMENTO 2017

08/12/17 – 6ª Feira: Sessão Pública.

15/12/17 – 6ª Feira: Última Sessão Pública.

Calendário Verão 2018

Atenção: Janeiro e Fevereiro Sessões Quinzenais!

12/01/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

26/01/18 – 6ª Feira Sessão Pública.

09/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

23/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

09/03/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Comentando a obra HISTÓRIA DA UMBANDA NO BRASIL - Diamantino Fernandes Trindade.

   
"Após a leitura deste livro, poder-se-á afirmar, sem medo de errar, que a Umbanda tem história registrada."  
Diamantino F. Trindade.




         Na minha opinião, o que mais me marcou nesta espetacular obra: o detalhamento do advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas, os aspectos políticos, sociais e econômicos impactantes no contexto de época da fundação da Umbanda; os fatos históricos resgatados da fundação das 8 Tendas pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas e o registro relevante da Tenda São Jorge, autorizada pelo Caboclo, a ter sessão pública de Exu e atabaque; o impacto da literatura de W.W da Matta e Silva no meio umbandista; e finalmente o resgate histórico do Exu Sete da Lira, que incorporava em Mãe Cacilda nos anos 70 do século passado e chegou a atender até 30.000 consulentes em suas Engiras Públicas de Umbanda.
NORBERTO PEIXOTO.


 


SINOPSE DA OBRA: 

A história da Umbanda é uma grande pesquisa em construção.
Genuinamente brasileira, e com pouco mais de um século de existência, essa religião está cercada por muitos mistérios. Para entendê-la é necessário conhecer seus aspectos fenomênicos, magísticos, mediúnicos, ritualísticos, doutrinários e filosóficos, nas suas causas. Sua divulgação é necessária para que, cada vez mais, umbandistas e adeptos dos cultos afro-brasileiros conheçam suas origens e seu desenvolvimento.
A História não comprova os fatos; esse atributo pertence à Ciência. O que o historiador faz é registrar os fatos com o olhar de pesquisador e com sua metodologia e influência política, social e religiosa próprias. Foi essa a metodologia utilizada por Diamantino Trindade ao preparar esta obra, cujo principal objetivo é resgatar a memória dos pioneiros, das entidades espirituais, dos médiuns, escritores, tendas, terreiros e outras instituições que estruturaram o Movimento Umbandista. Uma abordagem sobre as religiões e cultos que influíram nos rituais umbandistas: o Candomblé, o Omolokô, o Catimbó Jurema, o Tambor de Mina, a Kimbanda, a Cabula, as Macumbas, o Catolicismo, e o Kardecismo, procura localizar o leitor no contexto histórico dos caminhos da Umbanda.
Trata-se de uma obra direcionada tanto para os leitores iniciantes quanto para os frequentadores dos templos, médiuns e sacerdotes umbandistas. Logo, para quem se interessa pela Umbanda em profundidade, aqui está uma obra ímpar que dá prosseguimento ao resgate de sua história; um livro-luz que irá iluminar e orientar o leitor na senda do conhecimento da “Senhora da Luz Velada” – a Umbanda de todos nós.

Segundo ao autor, após a leitura deste livro, poder-se-á afirmar, sem medo de errar, que a Umbanda tem história registrada.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics