quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Não mudamos o outro, cada um muda a si mesmo...

Por Norberto Peixoto.

 
  
      Uma das grandes lições que aprendi como dirigente de uma comunidade terreiro, nestes últimos 10 anos, é aquela de aprender a aceitar o fato que não podemos "mudar” as pessoas, assistentes e médiuns da corrente,  com um simples ritual aplicado. Consulentes com problemas espirituais é uma coisa e médium é completamente diferente, mais complexo por ser mais sensível ao mundo oculto, onde “vivem” os espíritos desencarnados, pois nós somos espíritos encarnados sensibilizados para esta comunicação.
    ​   Cada um muda a si mesmo e não aos outros. É indispensável avançarmos no  autoconhecimento, rompendo nossas couraças, nossas máscaras, que nos fazem parecer diariamente o que queremos aparentar sermos na sociedade, mas que não conseguimos ser  verdadeiramente no terreiro.  Num grupo mediúnico amadurecido, onde os componentes não tem medo de se mostrarem como realmente são, não mascarando e omitindo seu verdadeiro eu, o diálogo se estabelece com mais profundidade, respeito, resiliência, empatia e simpatia, com reciprocidades interpessoais, permitindo o processo dialético, onde há ideias diferentes, estilos de ser semelhantes, mas não iguais, que interagem saudavelmente, confiando-se mutuamente, um nos outros, sem destaques, melindres, dissimulações, omissões, falsidades  ou sensos de valorização e superioridades castradoras.
         As palavras chaves de todo este processo de diálogo interpessoal são aceitação e respeito, pelo outro, sem impor como ele dever ser. As normas de condutas coletivas devem falar por si e cada um deve se adaptar aos usos e costumes do grupo.
         Devemos vigiar para não querermos impor ao indivíduo o que achamos certo, para fazer dele o ideal que temos na nossa cabeça como sendo o melhor, fruto de nossas afinidades e simpatias pessoais, crenças e sistemas de valores adquiridos no tempo que são no fundo reflexo do nosso ego. Por outro lado, há que se considerar que os comportamentos individuais, numa comunidade terreiro, influenciam, sim, decisivamente, o outro, e isso porque formamos todos um sistema onde qualquer mudança positiva ou negativa se reflete no todo, no equilíbrio, vibração e harmonia do axé, da egrégora.    
        Um dirigente tem que ter habilidade de zelar pela integridade do coletivo, respeitando cada individualidade, mas lembrando a todos de suas responsabilidades, pois cada ato pessoal nosso, mental, emocional, verbal,...,  tem repercussões na coletividade que se une num ambiente consagrado para o intercâmbio mediúnico.

Muita paz, saúde, força e união.

Norberto Peixoto.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics