sábado, 30 de agosto de 2014

Hospitais e Cidades no Plano Astral: noções do Hospital do Grande Coração.

Noções do Hospital do Grande Coração, que assiste o Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade e localiza-se no Plano Astral no complexo da Cidade - Colônia Espiritual - da Metrópole do Grande Coração. Existem ainda alas do HGC avançadas no Umbral Inferior - abaixo da superfície da crosta terrestre, que abrigam provisoriamente os espíritos socorridos nas várias Fraternidades Espiritualistas da Terra vinculadas a Fraternidade da Cruz e do Triângulo que, por sua vez, tem sua Sede Central no Espaço localizada na Metrópole do Grande Coração.

Portão de ferro cadeado de madeira



Porque a porta que dá acesso à assistência é fechada?

Isto é feito para que se feche o circulo vibracional que envolve as dependências do Templo de forma a oferecer maior segurança e tranqüilidade para o desenvolvimento dos trabalhos.
As pessoas da assistência representam uma segunda corrente e passam a ser envolvidas por forças espirituais presentes no ambiente as quais transmitem benefícios as pessoas.
Se a porta estiver aberta – e se houver o entra e sai das pessoas -  essa força espiritual não poderá atuar adequadamente e as pessoas não receberão os benefícios que vieram buscar.
De nada adiante uma pessoa chegar ao Templo na hora de ser atendida por alguma Entidade e em seguida retirar-se, como se fosse a uma consulta médica por exemplo. Há necessidade de concentração, exercício da fé e envolvimento com a ritualística e, principalmente, humildade.
As pessoas precisam urgentemente mudar seus maus hábitos e más atitudes, fazendo a reforma íntima. Caso não o façam, os benefícios recebidos tem efeito pequeno e de curta duração.
Um Templo deve ser um local de oração e recolhimento. Não deve ser encarado como um local em que se vai simplesmente buscar um benefício com hora marcada.

Caboclo Pena Branca

Recebido por Ivan Crocetti
Associação Espiritualista Luzes de Aruanda - AELA


* * * 
Nada adianta ter portão de ferro e o cadeado ser de madeira.  Aludindo o ponto cantado de Sr. Exu Caveira, pois ele tem o poder de abrir os portões das calungas, como se os cadeados fossem de madeira. Assim seria se não fechássemos a porta, qualquer um  poderia  interferir na egrégora energética em formação.
A porta fechada simbolicamente é um potente cadeado de metal, facilitando o trabalho espiritual no sentido que favorece a concentração, a harmonia, que aliados à uma boa palestra conduzem-nos a um estado mental receptivo aos trabalhos dos guias espirituais. Somando-se este estado de união mental após a preleção à um ritual com fogo, temos potente condensador energético como apoio para desagregar formas pensamentos, desintegrar campos de forças magísticos de baixas vibrações e também se proceder ao desmancho de trabalhos de feitiçaria e bruxaria que ainda estão vibrando em seus correspondentes pólos magnéticos na matéria. Tudo isto antes da abertura da gira, dos passes e das consultas.



Salve São João Batista!!!
Salve a chama ardente do Cristo!!!
Salve o fogo!!!
Salve a fogueira de Xangô!!!
Kaô Kabecilê!!!
Agô e justiça meu Pai.




sexta-feira, 29 de agosto de 2014

JESUS "DESCE" NOS UMBRAIS COM UM CORPO DE ILUSÃO!!!


        Jesus, o Mestre de todos, o Anjo Sublime, de tempo em tempo, plasma um novo “corpo astral”, o que os teosofistas denominam corpo de ilusão astralino, e desce “pessoalmente” com os caravaneiros socorristas para visitar os antros de dor e ranger de dentes, assim como fazia quando esteve entre vós, indo até onde se localizam os excluídos, pecadores e leprosos de outrora. Contribui o Divino Rabi da Galileia, com o exemplo incondicional de amor, demonstrando que o Cristo está dentro de cada ser, e não na ilusão dos templos assépticos de pedras construídos pelos “fariseus” modernos que ainda se consideram sentenciosos proprietários de Jesus. 
        A consciência angélica de Jesus, pela sua onipresença planetária, em delicada e incomum atuação técnica “atômica”, faz-se presente em qualquer lugar na psicosfera astral terrícola, condensando e aproximando uma das outras as correspondentes moléculas da dimensão astralina, assim teleguiando o corpo de ilusão criado, como adestrado operador, onde se fizer necessário.

RAMATÍS - MEDIUNIDADE DE TERREIRO.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

ORIXÁS – FACEBOOK DA AFRAM:

Prezados irmãos, a imagem demonstra bem como o INCRIADO DEUS se "fragmenta", ou se diferencia, em aspectos particularizados, como raios vibracionais peculiares em correspondências eletromagnéticas específicas na natureza manifestada no planeta. Há que se considerar que verdadeiramente estas vibrações nos influenciam o psiquismo, a ponto de termos as manifestações anímicas das mesmas nos terreiros de Umbanda, na forma de mitos e lendas que são recriadas através de cânticos - mantras - no subconsciente dos médiuns, advindo nos estados alterados de consciência, através de movimentos corporais e gestuais peculiares a cada oscilação de onda fatorial dos Orixás. Nestas catarses anímicas, o espíritos falangeiros observam e apoiam seus médiuns, num saudável processo de autocura que anda lado a lado com a mediunidade, pois não é incomum os espíritos guias da Umbanda se identificarem como Orixás; Ogum, Xangô, etc...pois são genuinamente os enviados dos ORIXÁS. 
      IMPORTA, EM VERDADE, A MANIFESTAÇÃO DO ESPÍRITO PARA A CARIDADE, seja do encarnado ou do desencarnado. NÃO INCORPORAMOS os Orixás, mas eles estão muito presentes na "alma" da Umbanda, reinterpretados à luz do momento presente. Nas obras subsequentes de Norberto Peixoto / Ramatís, ao qual li todas e aguardo o recente lançamento, é esclarecido com profundidade este assunto, sem esgotá-lo.

Fraternalmente,

Silvio Marques – Comentando o post a seguir:

O QUE SÃO ORIXÁS?
Os orixás são aspectos da Divindade, altas vibrações cósmicas que se rebaixam até vós, propiciando a manifestação da vida em todo o Universo.
É preciso compreenderdes que existem vários planos vibratórios no Cosmo e que Deus manifesta-se por meio de vibrações próprias em cada dimensão. Essas vibrações energéticas não são o próprio Incriado, que permanece sem ser manifestado diretamente.
Os orixás, emanações oriundas do divino, são expressos desde as dimensões imateriais sem forma até os mundos manifestados na forma (astral, etérica, física), em faixas vibratórias específicas.
O que mantém a harmonia universal são os orixás, vibrações cósmicas conhecidas milenarmente pelas religiões e filosofias orientais e que agora estão sendo elucidadas com maior clareza para o Ocidente.

CORRESPONDÊNCIA VIBRATÓRIA DOS ORIXÁS
Cada um dos orixás tem peculiaridades e correspondências próprias na Terra: cor, som, mineral, planeta regente, elemento, signo zodiacal, essências, ervas, entre outras afinidades astromagnéticas que fundamentam a magia da umbanda por linha vibratória.

NAS SETE LINHAS
A cada um dos orixás se afina a uma plêiade de espíritos que atuam nas formas estruturais que sustentam o movimento da umbanda no Espaço: pretos velhos, caboclos e crianças.

ORIXÁS INCORPORAM?
Na umbanda, os orixás NÃO INCORPORAM. Afirmamos que isso é impossível, pois não é da natureza universal quaisquer manifestações personificadas dos orixás.
Os orixás se “manifestam” na umbanda indiretamente por meio dos espíritos que se unem no plano astral formando as linhas vibratórias, uma para cada um deles.
É uma forma de se unirem organizadamente em auxílio aos filhos da Terra. Nenhuma linha vibratória que representa um orixá é melhor que outra. Todas têm a mesma importância.
Ramatís
A Missão da Umbanda

Médium: Norberto Peixoto

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Palestra e Sessão de Autógrafos: MEDIUNIDADE DE TERREIRO.


Prezados irmãos planetários,

Informamos que nesta próxima sexta, dia 29 de Agosto, a partir das 18h e 30min teremos o lançamento oficial do livro MEDIUNIDADE DE TERREIRO; palestra e sessão de autógrafos com NORBERTO PEIXOTO.

Aguardamos a todos!!!
Paz, saúde, força e união!!!




SINOPSE:
Este guia de estudos é para todos os que praticam a mediunidade de terreiro e não encontram respostas satisfatórias que expliquem o que se passa em seu mundo íntimo. Composto por uma série de artigos inspirados por Ramatís, os textos nele contidos esclarecem a dinâmica umbandista, que embora não codificada está unida pela semelhança de conhecimentos disseminados no interior de seus terreiros. Temas controversos, como as experiências psíquicas anômalas, os desdobramentos astrais com relatos de contatos diretos com entidades do plano suprafísico, as falsas “obrigações” de trabalho, os métodos de indução ao transe mediúnico, a fisiologia oculta da degradação do perispírito de entidades exiladas para outros orbes, e a atuação de extraterrestres nos terreiros, são desvendados de forma clara, ao estilo didático de Ramatís, que praticamente dialoga com o leitor, visando a minorar o problema do preconceito e da ignorância acerca das potencialidades psíquicas dentro dos terreiros, muitos dos quais dominados pela fascinação coletiva, fé cega e obrigações subjugadoras.

Mediunidade de Terreiro compartilha ainda experiências sobre a atuação técnica dos mentores nas reconstruções extrafísicas e saneamentos do Umbral inferior, detalhes do Hospital da Metrópole do Grande Coração, descrevendo um desencarne com assistência espiritual, e desvenda os motivos da rejeição às religiões que realizam rituais para induzir aos estados alterados de consciência, deixando muito claro que o êxito de qualquer trabalho mediúnico está nos objetivos elevados de seus integrantes. Leitura imprescindível, reflexão necessária para os adeptos universalistas!

IMPORTANTE:
Teremos sessão de caridade - passes e aconselhamentos espirituais - normalmente neste dia.

Diante os médiuns que se afastam das tarefas...

Como devemos agir diante dos médiuns que se afastam das tarefas?

O quadro de nossas responsabilidades diante da mensagem cristã do “Amai-vos uns aos outros” é tão vasto; os serviços ainda incompletos e as tarefas por realizar em nome do amor ao próximo se desdobram com tanta intensidade que, sinceramente, cabe-nos a solução de aproveitar o tempo disponível às nossas limitadas possibilidades, trabalhando e servindo sem cessar em nome do Bem geral.

Não podemos nos dar ao luxo de correr atrás aqueles que abandonam o serviço espiritual, a pretexto de lhes oferecer explicações e homenagens.

Isto por que nossas obrigações aí estão, exigindo-nos tempo e dedicação, e não podemos perder tempo.

Se fulano ou sicrano considerou por bem abandonar as próprias obrigações espirituais, por este ou aquele melindre, que podemos nós fazer?

Entreguemo-lo, pela oração, à Benção Misericordiosa de Deus, o Pai Amado de todos nós, e, por nossa vez, perseveremos no trabalho do Bem até o fim.


“O Espírita Mineiro” - Chico Xavier

Todos nós temos um preço???

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

LANÇAMENTO: Aromatizadores Florais dos Orixás - com Floral de Minas.


Os Aromatizadores Florais dos Orixás foram criados a partir da observação do comportamento e da personalidade dos seres humanos, filhos dos Orixás, para auxiliar no processo de autoconhecimento e para equilibrar as energias que podem estar desqualificadas, ou seja, a pessoa esteja vibrando na escassez ou no excesso de energia do Orixá.

No terreiro, podem ser usados nos preceitos e nos passes; em casa para os que se identificam com as vibrações do Orixá.

A escolha do óleo essencial para compor o aromatizador é de suma importância, pois ele deve trabalhar exatamente as energias de vibração de cada Orixá e em conjunto inclui-se o Floral de Minas indicado para atuar no físico, etérico, emocional e mental. A união do óleo correspondente com o Floral de Minas, potencializam as energias e o uso indicado correspondente, trazem bem-estar, alívio, serenidade e lucidez!



Oxum – Orixá do amor-doação, equilíbrio emocional, concórdia, complacência e fertilidade. Os filhos de Oxum geralmente são serenos, altamente intuitivos.
Possuem uma força de penetração na natureza humana fora do comum; são psicólogos natos.
Preocupam-se com a higiene pessoal e a aparência, gostam de estar bem perfumados; bem vestidos!
Apreciam as coisas boas da vida, vibrando na riqueza de valores de caráter e de bens.
No aspecto negativo, tendem a insatisfação; não esquecem as ofensas e nem tampouco a traição, agarrando-se às lembranças e recordações do passado.

Óleo de Flores do Campo – (Aroma adocicado). Harmonização interior.  Promove bem-estar e equilíbrio; é calmante.  
“Tudo está certo, como está”!
Atua também na limpeza energética do ambiente, trazendo satisfação e realização.



Oxóssi- É o Orixá caçador de almas! O conselheiro. Corresponde à nossa necessidade de saúde, nutrição, energia vital e equilíbrio fisiológico, num trabalho constante de crescimento e renovação. Prosperidade, fartura, liberdade de expressão, são seus pontos marcantes. Criatividade e artes!
Seus filhos são inteligentes, graciosos, têm uma curiosidade e senso de observação de grande penetração.
Simbolicamente é o caçador solitário que entra na mata! Apresentam uma propensão natural para desbravar o desconhecido; por isso são pioneiros em novos projetos e métodos de trabalho. De grande sensibilidade, possuem qualidades artísticas. Por sua estrutura psíquica emotiva, com frequência “precisam se isolar para refazer as energias”.  Vivem com dinamismo e otimismo, e são ligados a todos os tipos de artes.
No aspecto negativo da energia, vivem de ilusões, podendo vacilar no que desejam realizar. Por vezes, demonstram uma “vontade de nada fazer”, que pode ter conotação de preguiça.

Óleos Essenciais de:

 Alecrim/Rosmarinus Officinalis (Aroma quente e vigoroso) – Renova e reanima o entusiasmo pela vida, colabora com o redespertar da criatividade. Estimulante circulatório, dos nervos e da mente. Ordena os pensamentos e aumenta a concentração. Atua contra a fadiga do coração e elimina a letargia.
Combate a apatia e a melancolia. A inalação do Alecrim proporciona longevidade.

Hortelã/Menta Piperita (Aroma de potência fria, revigorante e refrescante para a mente, o corpo e o espírito). Revigora e refresca a mente cansada e exaurida por pensamentos inadequados, desnecessários e improdutivos. Limpa dúvidas. Estimula a formulação de ideias construtivas e saudáveis.  Atua nos sistemas respiratório, digestivo, nervoso e circulatório e possui ações estimulante, diaforética (promove sudorese), carminativa; harmoniza o sistema nervoso e também é analgésica. Ajuda nos processos de gripes e resfriados (antiviral).
É tônico e estimulante digestivo. Indicado para dores de cabeça geradas por distúrbios digestivos e/ou por tensão mental. Bronquites, Sinusites, Muco, Asma, pressão interna na região pulmonar e sensação de sufocamento. Disbiose intestinal, Colite e Síndrome do Intestino Irritado.
Este óleo de Hortelã concede-nos compreensão tranquila para o mental. Quando estamos pensando que tudo está perdido, este aroma refrescante nos energiza colocando-nos em contato com nosso “Eu Interior”, o Divino que habita em nós. É excelente para desbloquear emoções que estão represadas, principalmente a raiva.

Limão/Citrus Limonum – (Aroma profundamente refrescante e cítrico com toque verde mais suave).
Atua na tomada de decisão com tranquilidade e certeza de que foi escolhido o caminho certo. O limão é sempre indicado para ser espargido ao redor ou próximo a mesa dos que executam trabalho intelectual. Atua no desbloqueio e na liberação de energias emocionais nocivas, como a raiva e o ressentimento que vem acompanhado de amargura e uma rançosa acidez.
Limpa e purifica, promovendo verdadeira faxina no canal de acesso à parte Divina do Ser, concedendo liberdade para que as experiências espirituais e meditativas sejam vivenciadas em profunda paz!




Iansã – Orixá que tem por atributo o movimento e a mudança; necessidade de deslocamento, transformações materiais, avanços tecnológicos; luta contra as injustiças e a flexibilidade – o chamado jogo de cintura.
Seus filhos se caracterizam por certa inquietação e pelo raciocínio rápido e pela agilidade mental.
O psiquismo de Iansã é propenso à oralidade, à educação, à orientação, mas não se deixa prender a tarefas rotineiras e repetitivas. Precisam colocar em prática sua garra e impetuosidade diante do novo, como as nuvens nos céus que mudam constantemente de formato, moldando-se aos ventos.
Nos aspectos que precisam ser trabalhados, encontramos o agir sem pensar, a impaciência e a culpa. Podem desenvolver doenças relativas ao aparelho cardiorrespiratório, como angina e dores no peito; bronquite e asma.

O óleo essencial de Hibiscus/ (Possui aroma marcante) que estimula as faculdades criativas, higieniza e clareia a mente trazendo uma sensação de relaxamento.  
Auxilia nos processos de aprendizado; falta de atenção.
É estimulante e energizante. 



 Yemanjá- Orixá que tem por atributo o respeito e o amor; desperta a grande mãe em cada um, a percepção de que podemos gerar “vida” e de que somos co-criadores com o Pai. Estimula-nos ao amor maternal, sem apego, fazendo com que seus filhos sejam cidadãos do mundo. Os filhos de Yemanjá podem ser imponentes, majestosos, dignos, calmos, sensuais e fascinantes (o canto da sereia). Tendem a ser ciumentos e possessivos com as pessoas que amam.
A prosperidade e a abundância em todos os sentidos; acolhimento e zelo; sentido de união, humanitarismo, criatividade e progresso (evolução).
Na saúde podem apresentar distúrbios renais que acarretam prejuízos à pressão arterial; tendem a manifestar alergia a lugares fechados e rinite alérgica ou asma. Seus pontos fracos são as glândulas suprarrenais e o aparelho reprodutor.
“Quando o pescador não pode ir ao mar.... ele conserta suas redes!”

Óleo Essencial de Rosas Aroma calmante e harmonizador e também notas verdes e florais que dão um toque de frescor... amanhecer.
Desde o Antigo Egito a rosa é utilizada por suas propriedades curativas. Do ponto de vista metafísico, deveríamos aproveitar as qualidades espirituais que o óleo essencial da rosa auxilia a desenvolver, através de seu perfume abrindo e harmonizando nosso chackra cardíaco e em conjunto os demais chackras.   É nesse óleo que está quintessência, mas somente se ele for natural. Estimula em nós a polaridade positiva da Força Vital, ao mesmo tempo em que desperta a consciência psíquica de nosso ser.

A quintessência da roseira está na rosa, na flor. As propriedades tônicas da rosa se exercem muito bem sobre o tubo digestivo e suas funções vitais, e esta ação propaga por contiguidade às glândulas do pâncreas, do fígado, do baço, cujas secreções são fortificadas sem serem aumentadas. Os tônicos fortalecem também o coração e a sua eficiência, como também os vasos sanguíneos. 

Bibliografias consultadas: Umbanda pé no chão- Norberto Peixoto/Ramatis (Ed. Conhecimento).
Guia prático de Aromaterapia- Shirley Price- (Ed. Siciliano)

Aromaterapia- A cura pelos óleos essenciais – Marcel Lavabre (Ed. Nova Era)

O que é "arriar" uma oferenda?

PERGUNTA:- O que é "arriar" uma oferenda? É só colocar no chão de terra batida ou na encruzilhada da via urbana?
      RAMATÍS: - Os antigos sacerdotes negros dos clãs tribais, iniciados e hábeis manipuladores das energias ocultas do planeta, entendiam que todo o trabalho que tinham para entrar nas florestas, escolher e separar as folhas, macerá-las para retirar o sumo, localizar flores às margens de cachoeiras e riachos, frutas e raízes nas matas seria inválido se não fosse bem "arriado" na natureza. Na cosmogonia das religiões africanistas, especialmente a iorubá, o ato de "arriar" uma oferenda estabelece e perpetua uma troca de força sagrada entre dois mundos: o divino oculto e o profano visível; tudo é energia e tem mais afinidade com este ou aquele orixá. Essa energia deve estar sempre em movimento em ambos os sentidos: entre o plano concreto-material e o invisível-astral. Assim como a água em seu ciclo sucessivo de chuva, evaporação, resfriamento e degelo, a dinâmica de transferência energética é considerada essencial e parte da vida.
      Está claro que nenhuma oferenda supera a fé e a confiança no Divino que jaz dentro de cada criatura. O ato de amor à natureza, e que ocasiona o sentimento de caridade, auxílio ao próximo e preservação da vida animal, difere em muito da busca do "divino" em favorecimento próprio, disposição solitária e egoísta fundamentada na matança dos irmãos menores do orbe que servem de repasto não a espíritos de luz, mas a entidades que precisam da vitalidade fluidificada pelo sangue e "arriada" nas encruzilhadas de ruas urbanas para continuarem plasmando suas cidadelas de prazer no além-túmulo.
      Contudo, atentai que muitos dos cidadãos que se enojam diante dos despachos nas esquinas, quando vão, ainda durante a manhã, sonolentos em deslocamento para o trabalho, sentindo-se superiores aos "crioulos" atrasados, em seus encontros semanais nos centros assépticos louvando hosanas ao senhor, esquecem-se de que perante a equanimidade do Incriado (o Deus único) o bife acebolado sobre a mesa também foi um inocente porquinho, vaca ou javali, morto pelo ser humano para encher a barriga de outros de sua espécie. O ente que come não é menos responsável perante as leis universais que aquele que mata. 
      Embalados em caixas coloridas que hipnotizam a mente diante das prateleiras dos mercados perfumados, com funcionários sorridentes, o mesmo acontece com o empanado de frango, o hambúrguer e a salsicha do cachorro-quente, todos mastigados para saciar a fome animalesca dissimulada dos homens civilizados.

A MISSÃO DA UMBANDA
Ed. Conhecimento.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Existem várias "umbandas" ???

Não existem várias "umbandas". Umbanda é uma só. De forma figurada, fala-se "umbandas", no sentido que existe uma DIVERSIDADE rito litúrgica pujante. Umbanda é uma só, com uma essência única, um núcleo central pétreo: a manifestação do espírito para a caridade. Vídeo bem legal a respeito:

 

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Não mudamos o outro, cada um muda a si mesmo...

Por Norberto Peixoto.

 
  
      Uma das grandes lições que aprendi como dirigente de uma comunidade terreiro, nestes últimos 10 anos, é aquela de aprender a aceitar o fato que não podemos "mudar” as pessoas, assistentes e médiuns da corrente,  com um simples ritual aplicado. Consulentes com problemas espirituais é uma coisa e médium é completamente diferente, mais complexo por ser mais sensível ao mundo oculto, onde “vivem” os espíritos desencarnados, pois nós somos espíritos encarnados sensibilizados para esta comunicação.
    ​   Cada um muda a si mesmo e não aos outros. É indispensável avançarmos no  autoconhecimento, rompendo nossas couraças, nossas máscaras, que nos fazem parecer diariamente o que queremos aparentar sermos na sociedade, mas que não conseguimos ser  verdadeiramente no terreiro.  Num grupo mediúnico amadurecido, onde os componentes não tem medo de se mostrarem como realmente são, não mascarando e omitindo seu verdadeiro eu, o diálogo se estabelece com mais profundidade, respeito, resiliência, empatia e simpatia, com reciprocidades interpessoais, permitindo o processo dialético, onde há ideias diferentes, estilos de ser semelhantes, mas não iguais, que interagem saudavelmente, confiando-se mutuamente, um nos outros, sem destaques, melindres, dissimulações, omissões, falsidades  ou sensos de valorização e superioridades castradoras.
         As palavras chaves de todo este processo de diálogo interpessoal são aceitação e respeito, pelo outro, sem impor como ele dever ser. As normas de condutas coletivas devem falar por si e cada um deve se adaptar aos usos e costumes do grupo.
         Devemos vigiar para não querermos impor ao indivíduo o que achamos certo, para fazer dele o ideal que temos na nossa cabeça como sendo o melhor, fruto de nossas afinidades e simpatias pessoais, crenças e sistemas de valores adquiridos no tempo que são no fundo reflexo do nosso ego. Por outro lado, há que se considerar que os comportamentos individuais, numa comunidade terreiro, influenciam, sim, decisivamente, o outro, e isso porque formamos todos um sistema onde qualquer mudança positiva ou negativa se reflete no todo, no equilíbrio, vibração e harmonia do axé, da egrégora.    
        Um dirigente tem que ter habilidade de zelar pela integridade do coletivo, respeitando cada individualidade, mas lembrando a todos de suas responsabilidades, pois cada ato pessoal nosso, mental, emocional, verbal,...,  tem repercussões na coletividade que se une num ambiente consagrado para o intercâmbio mediúnico.

Muita paz, saúde, força e união.

Norberto Peixoto.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

WORKSHOP: Aromaterapia e os Florais! (As Propriedades Terapêuticas nos Aromatizadores de Ambientes).


Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade.
Rua Barão de Tramandaí, 23 - Porto Alegre - RS.

 CONVIDA:



WORKSHOP 
Aromaterapia e os Florais!
(As Propriedades Terapêuticas nos Aromatizadores de Ambientes)

((((((( GRATUITO )))))))


16 de Agosto/2014 Sábado.

Com recurso audiovisual / projetor multimídia (Data Show).

Expositor: Sarita Alves
Terapeuta Holística

Programação:

14H00 – Abertura do portão.
14h30min- Prece de Abertura!

Temas abordados:

- Os chackras - o que são e onde localizam-se.
- Conceito de Aromaterapia.
- Os óleos essenciais e suas propriedades terapêuticas.
- Conceito dos Florais de Bach.

15h30min – Intervalo

16h00:
- Conceito dos Florais de Saint Germain.
- O Uso terapêutico dos Florais nos Aromatizadores de Ambientes.
- Escolha dos Óleos Essenciais e dos Florais para compor os Aromatizadores.

17h30min- Encerramento

IMPORTANTE:

- Inscrições em nossa Secretaria – nas terças e sextas-feiras; 

- Para quem é do interior ou de outro Estado, as inscrições podem ser pelo 0XX 51 9918 1827 com SARITA;

- Disponibilizamos 100 vagas;

- Não fornecemos certificado.

Médiuns que se dizem missionários...

     

      A auto-fascinação ou o fanatismo por uma ideia, embora benfeitora, também pode atrofiar o sentido de crítica interior e alterar o comando psíquico, fazendo a criatura confundir o bom senso com o ridículo. Isso pode torná-la alheia aos preceitos sensatos da vida humana e ainda rebelde às advertências fraternas dos que tentam despertá-la da obstinação prejudicial. Algumas criaturas muito presumidas ou que se julgam auto-suficientes, às vezes se isolam na concha de sua vaidade e do seu amor-próprio, confundindo suas "obrigações cármicas" com as "missões divinas". 

RAMATÍS - MEDIUNISMO 

domingo, 10 de agosto de 2014

Apometria no Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade.


      O Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade disponibiliza para a comunidade, o trabalho de apometria que ocorre as segundas-feiras. No primeiro momento dos trabalhos realizamos um diálogo fraterno com cada consulente que nos procura, para que ele possa expor os motivos que o levaram a pedir um atendimento. Percebemos que a maioria das pessoas que nos procuram vem pela primeira vez na casa e estão muito machucados psíquica e emocionalmente, sendo que algumas já passaram por vários outros grupos de ajuda sem ter resultados positivos. Outras pedem um atendimento, pois no seu precário entendimento de apometria, concluem que seria uma maneira rápida de sanar as dificuldades de relacionamento, pendências financeiras, desilusões amorosas, crises existenciais e conflitos humanos em geral, enfim uma maneira fácil de abrir os caminhos sem nenhum esforço.
       O trabalho de apometria não substitui a reforma íntima. Ou melhor: não existe técnica ou tratamento espiritual baseado na preguiça, nem paz interior sem reforma íntima, estudo, esforço, sacrifício, abnegação e renúncia. Para quem não conhece a apometria ela é mais uma ferramenta concedida pelos benfeitores espirituais para chegarmos à auto-cura. São procedimentos que se dão através de técnicas, tendo como função iniciar ou continuar a um trabalho de reequilíbrio, respeitando sempre o merecimento e o momento de consciência, de entendimento de cada um. 
       Os mentores e guias da casa dão o suporte, amparo ao grupo, intuindo-os para que o atendimento se dê dentro da Justiça de Xangô. Sendo ela mais uma ferramenta para encontrarmos o reequilíbrio pessoal, é necessário dar continuidade ao processo de auto-cura, imprimindo a vontade de estar cada vez melhor, superando as limitações íntimas e do ambiente em que vive. É querer mudar e lutar para que a transformação se faça presente e a harmonia se instale. Por si só a apometria não faz nenhum milagre, por isso a necessidade de continuar o tratamento nos outros dias de trabalho da casa onde procurou ajuda. Harmonia e equilíbrio do ser não são sinônimos de ausência de problemas. 
      As situações que levaram o indivíduo ao desequilíbrio estarão lá, mas num processo de auto-cura, os campos emocional e mental estarão libertos dos pensamentos fixos, sentimentos de penalidade, sentimento de que é vítima da situação e orgulho ferido. Com os quadros mentais e emocionais modificados, o indivíduo passará a ter uma visão mais clara do problema sem interferências internas ou externas. 
       Percebemos nos trabalhos de segunda-feira que os desequilíbrios têm como origem principal o nosso mau comportamento, atitudes e escolhas erradas que feriram a Lei Maior. Muitas vezes este mal agir foi em encarnações passadas e por um motivo qualquer nesta vida, passamos a sintonizar, sem termos consciência com o fato passado, nos desequilibrando. Aí passamos a ter, por exemplo, sensações de raiva, pânico, medo, tristeza profunda, quando não, dores no corpo físico sem explicação. Com o tempo, vibrando neste quadro negativo, atrairemos desencarnados por sintonia, sendo o seu estado mental e emocional é semelhante ou igual com o que estamos passando, agravando a nossa dor. 
       Sendo assim, se faz absolutamente necessário, o trabalho de diálogo franco e amigável com a pessoa, levando-a a compreender a importância de rever seus pensamentos, palavras e atos para que não volte mais a entrar em sintonia com as mesmas questões e possa seguir no seu processo evolutivo. 
      É indispensável no caminho da auto-cura ciclo de palestras para que consigamos realizar as transformações pertinentes com mais facilidade, pois passaremos a ter o apoio e amparo da equipe espiritual da casa. Também, há o auxílio fraterno tradicional, a evangelização, o passe, a conversa amorosa nas consultas nos dias de caridade e, também, tratamentos psicológico e/ou psiquiátrico, necessários em determinadas situações com profissionais da área. 
      A prática da oração é também algo importante e deve ser exercitada sempre. O hábito de pedir perdão pelos erros cometidos a outrem, bem como perdoar aos demais irmãos pelos males que nos causaram deve ser uma constante em nossas vidas, pois liberam nosso íntimo para vivenciarmos uma vida mais feliz. Não só para os encarnados como, também, para os desencarnados. 
       Muitos casos, só serão resolvidos por meio de uma boa terapia e de leituras que ensejam maior autoconhecimento e auto-enfrentamento. Para todos nós que estamos em desequilíbrio, cabe a cada um a responsabilidade da cura interna, não só na busca, mas ter a persistência de dar continuidade ao tratamento proposto pelos grupos da casa que ora o auxiliam.

A todos os pais!!!


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

A "vassoura" de OMULU.


Curava os doentes e com o xaxará varria a peste para fora da casa, para que a praga não pegasse outras pessoas da família. ​ Limpava as casas e aldeias com a mágica vassoura de fibras de coqueiro, seu instrumento de cura, seu símbolo, seu cetro, o xaxará.

Quando Omolu era um menino de uns doze anos, saiu de casa e foi para o mundo para fazer a vida. De cidade em cidade, de vila em vila, ele ia oferecendo seus serviços, procurando emprego. 

Mas Omolu não conseguia nada. Ninguém lhe dava o que fazer, ninguém o empregava, e ele teve que pedir esmola.
Tinha um cachorro que o acompanhava. Omolu e seu cachorro retiraram-se no mato e foram viver com as cobras. Omolu comia o que a mata dava: frutas, folhas e raízes.

Mas os espinhos da floresta feriam o menino. As picadas de mosquitos cobriam-lhe o corpo. Omolu ficou coberto de chagas.

Só o cachorro confortava Omolu, lambendo-lhe as feridas. Um dia, quando dormia, Omolu escutou uma voz:
-Estás pronto. Levanta e vai cuidar do povo.

Omolu viu que todas as feridas estavam cicatrizadas. Não tinha dores nem febre. Omolu juntou as cabacinhas, os atos, onde guardava água e remédios que aprendera a usar com a floresta, agradeceu a Olorum e partiu.

Naquele tempo uma peste infestava a Terra. Por todo lado estava morrendo gente, todas as aldeias enterravam seus mortos. Os pais de Omolu foram ao babalaô e ele disse que Omolu estava vivo e que ele traria a cura para a peste.

Todo lugar aonde chegava, a fama precedia Omolu. Todos esperavam-no com festa, pois ele curava. Os que antes lhe negaram até mesmo água de beber agora imploravam por sua cura. Ele curava a todos, afastava a peste.

Curava os doentes e com o xaxará varria a peste para fora da casa, para que a praga não pegasse outras pessoas da família. ​ Limpava as casas e aldeias com a mágica vassoura de fibras de coqueiro, seu instrumento de cura, seu símbolo, seu cetro, o xaxará.

Quando chegou em casa, Omolu curou os pais e todos estavam felizes. Todos cantavam e louvavam o curandeiro e todos o chamaram de Obaluaê, todos davam vivas ao Senhor da Terra, Obaluaê. ​

FONTE DO TEXTO: Itan ( provérbio) - lenda - tradução do Yorubá.​

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

A grande esquecida...

  

     As igrejas católicas, os templos protestantes, adventistas, budistas,muçulmanos ou as sinagogas hebraicas; os centros espíritas, instituições esotéricas e tendas umbandistas, vivem todos repletos de criaturas ainda tão escravizadas à liturgia e à adoração inútil das formas terrenas que, em lugar de tentarem o seu despertamento mental para a verdadeira vida do espírito eterno, transformam suas crenças habituais numa dose de ópio com que procuram esquecer suas complicações e tricas cotidianas, ou então na solução precária dos seus caprichos e interesses.
     Em geral, no seio dos sistemas religiosos ou das doutrinas espiritualistas, movem-se grupos de criaturas transformadas em "pedintes", exclusivamente interessadas em obter do céu a solução de problemas corriqueiros da vida física, e que raramente se preocupam com os deveres principais da própria alma, que é a grande esquecida de todos os tempos

RAMATÍS - A SOBREVIVÊNCIA DO ESPÍRITO.

https://www.facebook.com/PerolasRamatis

terça-feira, 5 de agosto de 2014

"Na sua mata tem a cachoeira"



     "Na sua mata tem a cachoeira", isto é, a água límpida da vida eterna, no simbolismo do encachoeirado incessante, que mitiga a sede da alma e a batiza no banho lustral da redenção, conforme o próprio rito banto na admissão do médium neófito para receber o pai de santo! Mas onde se percebe claramente o nível mental desse "pai de segredo" é na seguinte e pitoresca estrofe: "No seu saiote tem pena dourada". O saiote, espécie de saia curta feita de tecido forte, que as mulheres costumam usar por baixo de outras saias, indica que o chefe da falange possui por baixo do "cascão" ou da aparência de preto-velho, bugre ou caboclo, outra indumentária mais forte e duradoura, ou seja, a sua realidade espiritual!

Ramatís - A MISSÃO DO ESPIRITISMO - CAPÍTULO UMBANDA.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics