CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

O lado oculto do Mercado Público de Porto Alegre

           
Na área central do Mercado Público de Porto Alegre, existe um assentamento de Exu ou Bará. E no Plano Espiritual, o que será que acontece no Mercado?


        Já faz algum tempo que ando sonhando com o Mercado Público, localizado no centro de Porto Alegre. Até aí nada de estranho, porque gosto de frequentar o local, passear por ali, sentir o aroma das especiarias, olhar as bancas, comprar produtos regionais, encher os olhos e a boca nos restaurantes que servem comidinhas deliciosas, passando sempre pela banca da salada de fruta com sorvete ou nata fresca. São tantas iguarias e gostosuras num só espaço que é impossível não exagerar e ainda ficar com vontade de quero mais. Deste modo, muitas vezes sonho que estou passeando no centro da cidade e passando em frente ao mercado ou então fazendo compras em alguma banca. Nessas ocasiões tenho uma leve lembrança quando acordo que estive no local, sem maiores detalhes do que estava fazendo. Entretanto nos últimos dias lembranças estranhas relativas ao lugar tem se apresentado pela manhã no ato de acordar, sem, entretanto conseguir reter na memória os fatos passados.

             Quando acontece de uma história se apresentarem de forma incompleta ou interrompida aguardo sem ansiedade, porque aprendi que tudo tem seu tempo e hora para acontecer. Não adianta querer colocar a carroça na frente dos bois porque não vai funcionar. É preciso estar tudo certo, previamente combinado e tranquilo, principalmente de minha parte, para cumprir com os planos traçados, preciso estar equilibrada e calma, me colocando à disposição para o que for necessário, com a ajuda dos irmãos da espiritualidade encarregados de executar as tarefas previamente combinadas. Não é algo tão simples, nem se resume na minha vontade de querer ou fazer, preciso é que estejamos aptos para o trabalho a ser feito. Existe todo um planejamento e preciso é que o momento vivenciado sirva para alguma coisa útil, para nos beneficiarmos com os resultados, caso contrário as lembranças, se houverem, poderão serão desconexas e simbólicas, de vez que nem todos os sonhos são lúcidos.

               Assim que uma determinada noite após a preparação usual para o sono, tendo adormecido imediatamente, percebi que estava passando pelo centro da cidade em direção ao mercado público, descia pela Borges de Medeiros, momento em que contornei a Praça XV, passando em frente ao Chalé e daí então ao portão de acesso ao mercado. Era um dia nublado e fui surpreendida com uma chuva repentina e forte que alagou as ruas no entorno e como havia esquecido a sombrinha no ônibus-lotação, corri para dentro do mercado para comprar outra. Quando passei pelo portão de acesso e olhei para o interior, percebi que estava pouco iluminado e achei estranho, parando e pensando que ali naquele lugar não vendiam guarda-chuvas e sombrinhas. Porém como o tempo estava com cara de poucos amigos resolvi entrar, apesar de estar com um sentimento estranho de que havia algo diferente, senti-me desconfortável. Olhando para todas as direções notei um movimento fora do normal para o horário, de primeiras horas da manhã. Dei muitas voltas, achei tudo desconfortante, não conseguia localizar as saídas, encontrei pessoas que me intimidaram com seu aspecto de poucos amigos, vários outros com aspecto doentio e mães e pais carregando seus filhos magros e esquálidos, caminhando sem rumo, procurando por algo que eu não estava compreendendo. Inicialmente me senti perdida, naquele lugar sempre tão acolhedor e com tantas pessoas passando apressadas para o trabalho ou adquirindo produtos, num burburinho alegre, somado com a cantoria dos vendedores nas bancas, anunciando os produtos, na tentativa de atrair os fregueses.

               Minha atenção foi voltada para as bancas que ficavam todas no centro e ao redor existiam várias, muitas salas que não sabia para que serviam, porque nunca tinha percebido que elas existiam e eram parcamente iluminadas. Ofegante e com o coração em sobressaltos resolvi atravessar pelo portão cuja saída é em frente à Prefeitura. Porém tão logo passei pela parte central do mercado um homem saiu de uma das salas e chamou minha atenção. Estranhando o inusitado da situação pensei rapidamente de devia parar ou não. Tive um ímpeto de sair correndo, porém não consegui andar e voltei meu rosto em direção ao chamado. Ali estava um homem de aparentemente 40 anos, vestindo roupas normais levemente amarrotadas, com a barba por fazer, mas não de aspecto sujo, apenas extenuado.      

       Quando ele se aproximou perguntei quem era e o que fazia ali, porque o lugar estava tão diferente, acanhado e opressor. Ouvindo minhas argumentações calmamente respondeu que era médico socorrista, que ali na contraparte astral do mercado funciona um pronto socorro espiritual, para onde se dirigem espíritos que se encontram perdidos na cidade e precisam de ajuda e orientação. Questionei o porquê da vestimenta surrada e ele respondeu que estava trabalhando há várias horas sem descanso e assim com roupas comuns era bem aceito por aquelas pessoas, carentes de tudo que se possa imaginar. O clima opressivo disse-me era a soma dos pensamentos e emanações mentais daqueles seres que transitavam sem rumo e sem esperança. Que naquele local  muito se trabalhava em prol dos desesperados e perdidos, dos feridos em sua dignidade por falta de melhores oportunidades e de compreensão dos desígnios divinos. Mostrou-me rapidamente o local explicando como funciona e foi então que pude perceber a movimentação em prol daqueles que ali aportavam. Aliviada e sem aquela sensação de medo do desconhecido pude perceber a obra de socorro ali desenvolvida.

        A Grandiosidade do Pai que não deixa seus filhos desamparados e sempre encontra um meio de ajudar, através de seus obreiros e dedicados servidores, comandados pelo Filho, Jesus o Cristo, que se comprometeu a não deixar suas ovelhas desgarradas e a trabalhar até que a última delas seja trazida em segurança, para então ficar sob o olhar carinhoso e vigilante do pastor.

Lizete Chaves.     
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics