CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

O CURSO FOI PROVISORIAMENTE SUSPENSO PELO RECESSO CORONAVÍRUS. REMARCAREMOS FUTURAMENTE E TODOS OS INSCRITOS TEM SUA VAGA GARANTIDA.


CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Oi moça! Eu sou Exu Toquinho!

       Após um dia puxado com reuniões intermináveis na empresa onde trabalhava, Sula voltou para casa com um pensamento estranho. Estava cansada e sua aparência não era das melhores, devia estar parecendo um maracujá seco. A pele repuxava pela exposição excessiva ao ar condicionado. Não saíra nem para almoçar porque precisava ganhar tempo e junto com a diretoria preparar a segunda parte da reunião para implantação de metas para o ano que estava chegando. Uma trabalheira danada. Todos falando ao mesmo tempo, quando dos intervalos para um breve descanso e um cafezinho para reanimar. E foi num desses momentos que escutou em meio a vozerio uma frase estranha, repetida duas vezes:

                - Oi moça! Eu sou o Toquinho!

                Olhou para os lados para ver se era um dos colegas, mas reparou que estavam todos distraídos e nenhum deles estava perto o suficiente para que ela ouvisse o que diziam. Afinal deveria ter confundido ou ouvido parte de alguma conversa em meio a tantos comentários. Mas quando deixava o carro na garagem do prédio ouviu novamente:

                - Oi moça! Eu sou o Toquinho!

             Pensou que outras vezes escutara frases aparentemente sem sentido e ao dormir, sonhara com fatos relacionados às mesmas. E desta vez não fora diferente. Quando Sula adormeceu sentiu um estalido na altura da nuca, parecido com o estralo de um chicote que se espalhava pelo cérebro. Uma eletricidade percorria sua coluna vertebral descendo até os pés, estendendo-se para os braços e mãos. Uma espécie de formigamento seguido de um torpor. O sono vinha logo a seguir, indo direto para os sonhos. Vivos e coloridos. Abria os olhos e estava em algum lugar conhecido ou não. Esta noite não seria diferente. Teve a deliciosa sensação de estar voando. Livre, solta no espaço. Falava com alguém que não via, mas cuja presença reconfortante e firme a guiava. Sentia o corpo leve, o peso não atrapalhava e parecia uma pluma. Olhou para baixo e percebeu que atravessavam cidades, campos, rios. Via tudo pequenino. Estranha e deliciosa sensação. Para onde se dirigiam? Logo soube a resposta, porque ante seus olhos surgiu uma pequena praia, rodeada por serras com muito verde e uma pequena vila de pescadores. Poderia dizer pelo feitio das casas e do local que pertenciam a mais ou menos dois séculos passados.

             Ficou intrigada quando pararam a alguns metros da praia cuja espuma branca misturada com a luz da lua conferia um aspecto prateado ao local.  Sabia que aguardavam alguém e quando virou para o lado esquerdo divisou um vulto franzino, de baixa estatura, parado, remexendo em uma fogueira pequena, que ardia na noite, que surgira do nada, porque quando chegaram não havia ninguém no local. Quem seria? Ficou observando. Não sentia medo. Ouviu novamente a frase que durante o dia lhe chamara atenção. Oi moça! Eu sou Exu Toquinho! Lentamente caminhou em direção à voz e foi recebida com um sorriso amável.

             Poderia dizer que a figura era de um adolescente magrinho e pequeno, entretanto o rosto era decidido e maduro. Vestia uma roupa rústica de um tom escuro. Trazia nas mãos alguns gravetos que eventualmente atirava na fogueira para avivar o fogo. Um cordão cingia a cintura e por cima vestia uma capa grossa também escura. Pés descalços. E enquanto Sula admirava a figura a sua frente,  ele falou:

             - Oi moça! Sou o Toquinho e quero deixar um recado. Adotei este nome porque foi marcante na minha caminhada. Uma vivência de sofrimento em que penei e iniciei o resgate de muitas atrocidades que cometi. Antigo capoeirista, se assim posso definir, rebelde e inconformado com a sociedade da época, usei meus talentos, conquistados com muita treino e disciplina, porque era uma pessoas magra e de baixa estatura,  para me vingar daqueles que julgava responsáveis pelo meu infortúnio. Meu apelido era Toquinho porque meus amigos diziam que me parecia com um toco, um graveto pequeno qualquer. Não gostava de ser tratado assim e o orgulho, a vaidade e a inveja tomaram conta de meu coração. Era tão forte o meu sentimento de vingança que jurei desforra e não parei nem depois que a morte me pegou de surpresa e ceifou minha vida miserável desprovida de maiores interesses pelas verdades espirituais. Aliás, minha ignorância era tanta que achava que a vida era o corpo físico, a comida, a sobrevivência e o sexo, do qual era extremamente carente porque minha aparência não era das melhores. Triste e feio desencarnei tomado de surpresa numa luta onde meu adversário aplicou um golpe baixo e sorrateiro do mesmo modo que eu costumava fazer para me livrar dos meus desafetos, que odiava do fundo de minha alma. Padeci muito, não entendia que estava morto e fui parar nas zonas umbralinas, perseguido e escravizado por aqueles que prejudicara.             Foram anos de sofrimento até o dia que não aguentando mais clamei por ajuda e gritei por Deus. Fui socorrido e amparado. Levado para um pronto-socorro no astral e lá recebi orientação, estudei e me esforcei muito para melhorar. Tão logo tive alta, pedi e me foi concedido o benefício do trabalho honesto em prol dos meus semelhantes. E aqui estou. Adotei o nome de Toquinho, para não esquecer que devo combater em mim os vícios de caráter que provocaram a minha derrocada. Trabalho servindo, ajudando e protegendo os irmãos que pedem ajuda. Mas somente aqueles que realmente merecem. Sabe moça, muitos pedem, pedem, mas a justiça de Pai Xangô não falha. E Sou convocado a agir. Uso alguns toquinhos que remexendo aqui e ali podem dar um impulso na vida do sujeito ou simplesmente derrubá-lo de volta ao seu lugar de direito. Até que aprenda a se comportar. E assim vou seguindo. Muitos manos que me veem assim franzino pensam que não sou de nada e nem forças tenho. Mas não se enganem é somente ilusão e aparência, nada mais. Sou o Toquinho e estou aqui para servir! Salve meus irmãos!   
      
             Laroyê Exu Toquinho!

Lizete Iria

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics