quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

As máscaras do Ego - deixa-me tirar o argueiro do teu olho?


         
"Ou como dirás a teu irmão:Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão".

         As diversas abordagens psicológicas transpessoais nos relatam a existência de duas estruturas em nosso psiquismo, uma denominada de Ego e outra denominada de variadas formas Self, Eu Profundo, Eu Superior ou a que preferimos Ser Essencial.
            O Ser Essencial é a Essência Divina amorosa que todo ser humano é, imagem e semelhança do criador, conforme narra poeticamente a gênese bíblica e o Ego é fruto da imperfeição e ignorância que ainda existe em nós, formado por duas faces uma evidente, caracterizada pelo desamor e uma mascarada, pelo pseudo-amor.
            Vejamos estas duas estruturas de nosso psiquismo mais detalhadamente:
Representemos, didaticamente, a psique humana como sendo formada por três esferas concêntricas. A camada mais interna representa o Ser Essencial permeada pela energia do amor, a intermediária e externa representam o Ego, sendo a primeira as negatividades do ego, permeada pela energia de desamor e a segunda as máscaras do ego, permeada pela energia do pseudo-amor:

Esquema representativo da psique humana em uma abordagem transpessoal

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Reflexões sobre a tragédia de Santa Maria no RS.



A tragédia de Santa Maria me leva a algumas reflexões que considero importantes para o movimento espírita.

Recentemente participei de uma banca de doutorado na Universidade Metodista, em que o pesquisador José Carlos Rodrigues, examinou em ampla investigação de campo quais os principais motivos de “conversão”, eu diria, “migração” para o espiritismo, no Brasil. Ganhou disparado a “resposta racional” que a doutrina oferece para os problemas existenciais.

De fato, essa é grande novidade do espiritismo no domínio da espiritualidade: introduzir um parâmetro de racionalidade e distanciar-se dos mistérios insondáveis, que as religiões sempre mantiveram intactos e impenetráveis, sobretudo o mistério da morte.

Entretanto, essa racionalidade, que era realmente a proposta de Kardec, tem sido barateada em nosso meio, como tudo o mais, para tornar-se uma cartilha de respostinhas simples, fechadas e dogmáticas, que os adeptos retiram das mangas sempre que necessário, de maneira triunfante e apressada, muitas vezes, sem respeito pela dor do próximo e sem respeito pelas convicções do outro. Explico-me.

A magia na Umbanda


Magia é movimentação de energia, pela aplicação da vontade, juntamente com a força mental de um encarnado ou desencarnado, ou ambos, quando há união de interesses. Em outras palavras, a magia é o resultado da intenção (o que eu quero) somada ao pensamento. Podemos concluir que todos nós fazemos magia.
Quando você reza, você faz magia! Quando um casal planeja gerar e criar um filho, faz magia! Quando você sonha com um novo carro, um emprego ou uma casa e mais tarde conquista, faz magia! Quando você reclama da vida, lamenta-se e critica tudo ao seu lado, faz magia! Quando fala mal de outra pessoa, faz fofoca, faz magia! 
Quanto mais atenção ao assunto, quanto mais concentração mental e dedicação, maiores, mais intensos e mais precisos serão os resultados. Magia é uma só, o que diferencia uma magia da outra é o teor do pensamento, qual é o interesse.
 Por isso, precisamos ter cuidado com os tipos de pensamentos negativos que abrigamos, pois estaremos fazendo magia contra nós mesmos. O pensamento tem poder criador e o que emitimos, seja ele bom ou ruim, se movimentará em outras dimensões que não conhecemos, retornando para nós na mesma vibração que emitimos.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Oi moça! Eu sou Exu Toquinho!

       Após um dia puxado com reuniões intermináveis na empresa onde trabalhava, Sula voltou para casa com um pensamento estranho. Estava cansada e sua aparência não era das melhores, devia estar parecendo um maracujá seco. A pele repuxava pela exposição excessiva ao ar condicionado. Não saíra nem para almoçar porque precisava ganhar tempo e junto com a diretoria preparar a segunda parte da reunião para implantação de metas para o ano que estava chegando. Uma trabalheira danada. Todos falando ao mesmo tempo, quando dos intervalos para um breve descanso e um cafezinho para reanimar. E foi num desses momentos que escutou em meio a vozerio uma frase estranha, repetida duas vezes:

                - Oi moça! Eu sou o Toquinho!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Campanha maca magnetismo

O divino magnetizador nos disse em seus momentos cruciantes "tenho sede". Disse também Jesus "quando fizerdes a um destes pequeninos, a mim o fizestes".

Para continuarmos adequadamente dando água a quem tem sede, realizando em nome do Mestre, e o Cristo em nós se realiza, estamos precisando comprar mais 2 macas e biombos para o trabalho de magnetismo e eteriatria nas terças-feiras, haja visto o aumento significativo no número de consulentes a serem atendidos. 

O valor para aquisição é de R$ 1.100,00 e como todos nossos atendimentos são gratuitos, fazemos um apelo aos que puderem doar, qualquer valor, até conseguirmos o valor total.

Aos que quiserem e puderem doar, por favor entrem em contato: 
JOÃO CARLOS / TRIÂNGULO DA FRATERNIDADE
CELULAR 51 9953 3533      

Evolução pé no chão!


"A Consciência, quanto mais ascenciona no longo e interminável percurso da evolução, mais vibra amor pela coletividade..." Ramatís.

A assistência que frequenta este templo é bem diversa, assim como todos os trabalhadores. Uns buscam um emprego, uma promoção, um aumento de salário, um automóvel, uma casa, inspiração e segurança para a abertura de um negócio próprio. Outros vêm em busca de um amor, da paz para as relações familiares, do perdão de um filho, do carinho do esposo, do sorriso de um irmão. Há também os que estão com depressão, com câncer ou outra doença grave, com algum transtorno psíquico, com dor na coluna, nas pernas. Mas não podemos esquecer daqueles que são médiuns e passam por dificuldades na vida por fugirem ou por não terem consciência deste compromisso cármico, tornando-se pessoas física, emocional e psiquicamente desequilibradas; ou os que ainda não acharam ainda um lugar apropriado para o trabalho, ou, achando-o, a ele não tem acesso. Não podemos esquecer aqueles que encontraram aqui um caminho que lhes ajuda na sua evolução espiritual, na busca do entendimento do que somos, de onde viemos e para onde estamos indo e do nosso papel nesta realidade. Teríamos muito mais motivos a relacionar, pois mui diversa é a humanidade, graças a Deus.

Mas, será que poderíamos dizer que uns são melhores ou mais evoluídos que os outros em função destas diferenças?

domingo, 20 de janeiro de 2013

Ao seguirmos líderes religiosos...


"Se seus líderes vos dizem: 'Vejam, o Reino está no céu', então saibam que os pássaros do céu os precederão, pois já vivem no céu. Se lhes disserem: 'Está no mar', então o peixe os precederá pelo mesmo motivo. Antes, descubram que o Reino está dentro de vós... Apenas quando vós se conhecerem, poderão ser conhecidos, e então compreenderão que todos são filhos do Pai vivo. Mas se vós não se conhecerem a si mesmos, então viverão na pobreza e serão a pobreza.'" Jesus.

O sublime psicólogo das almas nos faz um alerta para que, ao seguirmos um líder religioso, independente de qual religião e nome que tenha o cargo do sacerdote, não esqueçamos que somos filhos de um único Deus. Devemos nos conhecer internamente e conquistarmos o "Reino dos Céus" - a paz de espírito - que está em germinação dentro de nós mesmos. Em contrário viveremos na pobreza das exterioridades efêmeras - tão comuns nas religiões atuais excessivamente ritualistas e de rígidas hierarquias -, esquecendo-nos da maior riqueza que possuímos, nossos dons espirituais.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Os trabalhadores na vinha - qual o foco primordial da tua consciência?




“Os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.”

Qual o nosso foco primordial ao realizar todas as atividades do dia-a-dia, sejam elas em casa ou fora, sejam remuneradas ou voluntárias?

Riqueza, reconhecimento, status, a alegria de ter feito o Bem?

Jesus faz alusão à expressão “Os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos” em várias passagens:

- na parábola dos trabalhadores da vinha (Mateus 20:1-16);

- ao explanar os desafios morais dos materialmente ricos (Mateus 19:23-30; Marcos 10:23-31);

- ao se referir à “porta estreita” — ou seja, o caminho da evolução moral e desapego ao material ainda ser escolhido e trilhado por poucos na Terra (Lucas 13:23-30).

Huberto Rohden, em sua obra “Sabedoria das Parábolas” [1], referindo às cinco turmas de trabalhadores que foram à vinha, pondera:

“As quatro primeiras turmas são dos egos virtuosos, recompensados por sua virtuosidade. Os da última turma são os Eus sapientes, não recompensados, mas simplesmente agraciados. O homem virtuoso não é capaz de trabalhar se não receber nada em retribuição, não na vida presente, mas na vida futura, pois ele não é do egoísmo terrestre, mas do egoísmo celeste, como diz Bergson. (...) As quatro primeiras turmas da parábola eram ‘servos úteis’, os da última turma eram ‘servos inúteis’. Estes últimos não trabalharam com intuito lucrativo; se receberam o denário, não o receberam como recompensa, mas como dom gratuito (...). Nenhum homem pode ter direito diante de Deus. Nenhum homem pode ter a pretensão de ser o ‘credor’ de Deus, e considerar Deus como seu ‘devedor’. O Criador não pode dever nada à criatura.” O evangelista Lucas (17:10) cita as palavras de Jesus a respeito: “Assim também vós, depois de haverdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: somos servos inúteis, fizemos o que devíamos fazer”".

A disponibilidade para o trabalho no Bem, associada à sua prática, nos proporcionam a Plenitude, uma percepção de si próprio ligado à Luz, finalmente percebendo as bênçãos que os filhos de Deus sempre recebem do Alto, porém somente são usufruídas quando estes se colocam receptivos às mesmas. E tal sensação não é quantificável em tempo ou valores ordenáveis em primeiro ou último.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Amor e boemia - atuando na Linha dos Malandros!


Você sabe o que é ter um amor meu senhor... Ter loucuras por uma mulher... E depois encontrar este amor meu senhor, nos braços de outro qualquer... (música de autoria de Lupicínio Rodrigues)”

A música vibrava na cabeça de Toninho com uma força até então desconhecida. 
Antigamente quando cantava durante suas apresentações, observava divertido a reação das pessoas, que ia do eufórico à fossa absoluta. Agora pensava na força da canção e enquanto caminhava lentamente arrastava os pés na água fria do mar, espalhando uma mistura de água salgada, areia e espuma branca, molhando a roupa que escolhera cuidadosamente para o encontro com os amigos, naquele restaurante a beira mar. Carregava os sapatos atirados num ombro e no outro o violão. O casaco amarrotado e dobrado no braço. Não estava se importando com os respingos que atingiam as cordas umedecendo a madeira. O pensamento fixo, enquanto rumina e voltava a ruminar os acontecimentos recentes que haviam despedaçado o seu coração de boêmio arrebatador de corações, justo no momento em que participava de uma apresentação como estrela principal. Largara sua voz, tocando com maestria e sedução, arrancando suspiros da plateia - das mulheres que sonhavam com seus braços e abraços tentando qualquer estratégia para se aproximar dele e conquistar uma vaga em sua cama. 

Sentou na areia molhada, tirou do bolso uma garrafa de qualquer coisa que fora posta em suas mãos por um dos companheiros de noitadas, que apressadamente o afastara do local. Respirou profundamente o ar da noite carregado de maresia, tomou alguns goles e dedilhando as cordas do violão amigo, entoou uma canção que mais parecia o lamento de um animal ferido. A alma daquele homem estava partida, despedaçada, estilhaçada. A dor era tanta que nem sentia o corpo tremer de frio pelo frescor da noite e pelo adiantado da hora. Daqui a pouco iria amanhecer e Toninho continuava na mesma posição com os olhos fixos no mar. Nem reparou nos casais enlaçados e fazendo juras de amor, deitados languidamente na areia, hipnotizados pelo êxtase da paixão. 

O chapéu Panamá e a gravata perdera em meio ao turbilhão no qual fora envolvido. Mas também, para que serviriam se havia perdido o gosto pela vida? E daqui para frente teria primeiro que juntar os cacos do que restara e ainda não tinha idéia de como fazer. Estava tentando concatenar as idéias e sentiu tanto sono que acabou dormindo na beira da praia. Quando acordou percebeu que havia alguém inclinado sobre ele. Era uma mulher olhando atentamente para suas reações e lhe disse sorrindo:

- Boa tarde, Senhor Toninho. Está se sentindo bem? Fale algo para que possamos observar suas reações.

Ele arregalou os olhos e tentando levantar perguntou onde estava e o que fazia ali, quem eram aquelas pessoas. Afinal porque estava deitado num lugar desconhecido? A porta do quarto abriu e quando viu seu amigo de noitadas, desencarnado dois anos antes, entrando no quarto, num segundo relembrou tudo, do desencanto, da dor, da praia.

Como chegara até ali?

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Oferendar ou não oferendar, eis a questão? A gênese da reposição de axé.

Devemos entender que a vida, por sua própria gênese, é de origem metafísica, possuindo suas raízes poderosamente fincadas no mundo transcendental, que é o causal. Ou seja, vivemos no mundo físico os efeitos de causas espirituais expressando-se na condensação da energia derivada do fluído cósmico universal, que se apresenta em várias formas objetivas sem perder as características de sua origem mantenedora, o seu caráter espiritual; elo contrário ao mundo físico cartesiano e tridimensional que vitaliza-se naturalmente por seu intermédio. Se assim não fosse, quem não fizesse oferendas de reposição de axé se desvitalizaria rapidamente prejudicando seriamente a sua vida, podendo até desencarnar, o que sabemos não ocorre. 

Vamos discorrer um pouco sobre a significação do axé – fluído vital mantenedor. Antes, porém, é imperioso esclarecermos que as nossas leituras, conclusões e inferências, são consequências naturais de nossa vivência templária, no terreiro ao qual zelamos, experiências as quais compartilhamos e damos publicidade àqueles que são simpáticos e afins ao nosso modo de ser, pensar e vivenciar a religião.

Na Umbanda que praticamos, por compromissos cármicos adquiridos e anteriores a presente encarnação, seguimos e vivenciamos os Orixás dentro de sua cosmogonia Nagô – Yourubá. Assim, incentivamos o transe de possessão destas forças sagradas com os elementos rituais propiciatórios associados às nossas liturgias, cantos, toques e louvações internas juntos com a corrente mediúnica. Nunca esquecemos de interiorizar com nossas vivências os ensinamentos de Jesus e, tudo analisamos à luz dos ensinamentos de Allan Kardec, notadamente na GÊNESE, obra basilar de sua lavra, quando nos remetemos a movimentação de fluídos e suas derivações com o mediunismo. Longe de estabelecermos qualquer verdade aos outros, dividimos somente a “verdade” que vivenciamos em nossa comunidade terreiro, sinceramente, sem nenhuma outra pretensão. 

Como dizia Paulo de Tarso, tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém – leiamos tudo, mas devemos reter àquilo que é bom para a nossa consciência e evolução, sem cartilhas definitivas ou dogmas pétreos. A responsabilidade é de cada um e colheremos conforme nossa semeadura diante das verdades consagradas pelas Leis Universais. 

Cada encarnação é como se fosse um atalho...



“Cada encarnação é como se fosse um atalho nas estradas da
ascensão. Por este motivo o ser humano deve amar a sua existência
de lutas e de amarguras temporárias, porquanto ela significa uma
benção divina, quase um perdão de Deus”. (Emmanuel)



E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma.

Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia-noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar porque está chovendo…ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro…ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde…ou dar graças por estar vivo. Posso  me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria….ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar…ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com as tarefas da casa…ou agradecer a Deus por ter um teto para morar. Posso lamentar decepções com amigos…ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planejei, posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende só de mim. Charles Chaplin. 

sábado, 12 de janeiro de 2013

O mito cinturão de fótons e constelação de Plêiades

Essas e outras questões são abordadas de forma clara e objetiva pelo professor Laércio Fonseca; astrônomo, astrofísico, ufólogo e espiritualista. O vídeo nos mostra os argumentos científicos vigentes e desmistifica esse grande mito do esoterismo atual. Apresentando dados lógicos à luz da ciência Laércio nos mostra como tal teoria não pode ser verdadeira da forma como foi apresentada por alguns setores do misticismo esotérico. Sempre tentando fazer uma ponte compreensível ao leigo entre ciência e espiritualidade, o professor esclarece definitivamente essa polêmica sobre a constelação das Plêiades e o mito do cinturão de fótons.

   

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Umbanda tem fundamento - fé raciocinada e não cega.

*MEDIUNIDADE, PALAVRA E RESPONSABILIDADE*

Nos dias atuais nos deparamos com a mediunidade comparada a uma grande feira, onde “cada um faz a sua oferta” e escolhe o que deseja maior comodidade para sua necessidade, seja ela de ordem física ou espiritual.

O bom senso é encoberto pela facilidade em se resolver determinada situação,
nunca primando da “forma” com que a mesma é feita. A palavra não passa mais pelo filtro da responsabilidade, muitas vezes sendo utilizada de forma profana em nome dos sagrados Orixás acreditando-se o interlocutor como porta voz dos mesmos.

Qual a finalidade das oferendas dentro do ritual Umbandista?

"A Umbanda meus irmãos e irmãs passa por um momento de espiritualização e religião sem espiritualização é só um amontoado de dogmas!"

Psicografado por Géro Maita


Pergunta: Qual a finalidade das oferendas dentro do ritual Umbandista?

Baiano José: Sei que minha resposta vai desapontar a muitos irmãos e irmãs que direcionam sua mediunidade dentro da lei de Umbanda, mas em pleno século XXI fica inaceitável ainda acreditarmos que velas, frutas, panos e flores possam fazer o resultado acontecer por si só, sem a necessidade de uma reforma intima e uma fé balizada na proposta de Jesus em nossas vidas.

Devemos dar comida para os espíritos na forma de oferendas?

Os espíritos materializados e saudosistas das sensações de quando tinham um corpo físico, perambulam pela crosta terrena como se "vivos" estivessem e no mais das vezes se fazem passar por seres divinos, poderosos, explorando a crença baseada nos sistemas de troca com o além túmulo. Ao oferecer-lhes alimento na forma de comida, estas oferendas terão que ser ininterruptamente renovadas. Assim como o viciado que não fica sem a dose da droga, tais entidades podem se rebelar em violenta crise a qualquer momento se não forem devidamente saciadas. Outro enorme risco que os incautos que almejam agradar os espíritos para auferirem favores em troca de "comida" correm, é o de se tornarem eles os "repastos vivos" destes espíritos sorvedores de fluídos, ganhando para si um "escora", literalmente o encosto que como intruso se abriga "grudando" no caramujo desocupado - vosso corpo físico.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Sou cristão ou crístico?


                 
               O homem cristão é um seguidor da doutrina cristã baseado na vida e no Evangelho divulgado por Jesus de Nazaré, no advento do Cristianismo. Enquanto o homem cristão ainda se exterioriza na defesa de uma crença ou seita de sua simpatia, seja Catolicismo, Protestantismo, Adventismo, Umbanda e, mesmo, Espiritismo, que não é doutrina sectária. O homem crístico, pelo seu espírito sem definições particularizadas ou preferências religiosas, absorve e catalisa em sua intimidade a essência interior do seu Cristo, ou Arcanjo Planetário, cujo estado espiritual abrange todo o orbe e até as constelações. O Amor Cósmico de Deus manifesta-se através dos seus arcanjos e anjos, na voltagem sideral adequada às humanidades encarnadas e sob o aprendizado espiritual. Os arcanjos atuam no sentido de plasmar a Luz Criativa da Vida Cósmica, de acordo com as necessidades do consumo dos orbes e sistemas planetários. Assim, quando os marcianos, jupiterianos, saturninos ou terráqueos já estiverem vivendo em si mesmos o amor do seu Cristo Planetário, cuja segunda vinda é através da "via interna" do coração, eles serão homens crísticos, cujo amor é um fluxo incessante sem fronteiras ou separação.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Intenções para o ano novo.


Belinha não costumava fazer lista de intenções na passagem do ano, mas como as amigas faziam e depois não era mole aguentar os comentários durante os doze meses seguintes, resolveu que faria para o ano novo que estava se aproximando. Quem sabe assim colocaria mais empenho em alguns lances que gostaria de melhorar em sua vida. Ouvira dizer que o que vale é a intenção e de boas intenções estava transbordando. Passou todo o mês de novembro pensando em quantos itens deveria colocar. Comprou até um caderninho todo enfeitado e perfumado. Colocou alguns símbolos cabalísticos para dar maior força e poder aos seus desejos e fundiu a cuca pensando. 

Sentiu que não era tão fácil como diziam e jurou que não riria mais das amigas, porque estava apanhando para fazer a tal da lista. Uma vez até sonhou que fazia um manuscrito com tantos itens que nem sabia quantos e teve um pesadelo. A lista se materializou no sonho e caiu por cima dela sufocando-a. Acordou com falta de ar e quando conseguiu dormir sonhou novamente com a bendita. 

        - Credo, meu Deus, que troço pegajoso!

domingo, 6 de janeiro de 2013

Assentamento Orixá Bará no centro do mercado público de Porto Alegre.

"Que Bará é Esse?" relata o mito que envolve o assentamento do Orixá Bará no centro do Mercado Público de Porto Alegre. Conforme as religiões africanas o Bará é a entidade que abre os caminhos.  

sábado, 5 de janeiro de 2013

Orixá Oxossi, abundância e riqueza espiritual.


"A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!" Mateus 6:22-23



Quando a criatura se resolve por diluir o véu da ignorância, que encobre a realidade da vida espiritual, começa a libertar-se da mais grave cegueira, que é a propiciada pela vontade.

Cegos não são apenas aqueles que deixaram de enxergar; senão todos quantos se recusam a ver, sendo piores os que fogem das evidências a fim de permanecerem na escuridão.

A vida, por sua própria gênese, é de origem metafísica, possuindo as raízes poderosamente fincadas no mundo transcendental, que é o causal. Expressando-se na condensação da energia, que se apresenta em forma objetiva, não perde o seu caráter espiritual; elo contrário, vitaliza-se por seu intermédio.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Òké Aro!!! Rito com toque e louvação a Oxóssi!!!


"Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?” Jesus - Mateus 6:26


Òké Aro!!!
Rito com toque e louvação a Oxóssi!!!

Prezados frequentadores do Triângulo da Fraternidade,

Nesta sexta, dia 04/01/13, reiniciamos nossas atividades litúrgicas e teremos nossa primeira sessão pública de caridade.

Neste encontro, realizaremos um rito para a reinserção de Axé – fluído vital mantenedor – na vibração de Oxóssi. Para tanto, estaremos com frutas oferendadas na frente do congá, devidamente consagradas, constituindo-se um condensador energético liberador de prana vegetal que será manipulado pelos Caboclos. Este Axé trabalhado pelos Guias é potencialmente movimentado em benefício de toda a nossa egrégora e dos presentes, enfim, da nossa comunidade terreiro.

Lembramos que Oxóssi (Òsóòsi) simbolicamente é o deus caçador, senhor da floresta e de todos os seres que nela habitam, é orixá da fartura, da riqueza, abundância e saúde.

A magia de Pombagira (Bombogira) - arreda homem que aí vem mulher !!!


E disse-lhe Jesus: "Nem eu também te condeno..." João cap. 8 - vv 1 a 11

Fátima era médium de uma casa umbandista, servia lá desde muito tempo. Era a menina dos olhos dos irmãos medianeiros, a mais carismática e alegre, mas a verdade era que naqueles tempos, a moça não estava se gostando muito, viva calada e entristecida.

No lar enfrentava um turbilhão de problemas, era o filho adolescente que não queria obedecer, o marido cheio de dificuldades no trabalho, a casa precisando de uma reforma e para variar, ela havia ficado desempregada... Mas poderia ficar pior! As suas vizinhas insinuavam-se para seu esposo... E ele gostava.

Namoro ela nem mais sabia o que era, na verdade retraiu-se demais e negou a si e ao próprio companheiro o direito de curtirem-se como um casal, aí já viram né?

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Obaluayê (Omulu) x Processos Cármicos x Reencarnação x Doenças

             "Não é suficiente a simples adesão a qualquer seita religiosa ou filosofia admiravelmente superior para obter-se a desejada solução terapêutica pois, se isso bastasse, também não sucumbiriam de câncer os sacerdotes, os bispos, os cardeais, as freiras, os pastores protestantes, os abalizados doutrinadores espíritas, os sisudos teosofistas, os sentenciosos chefes de terreiros ou líderes entusiastas dos modernos movimentos espiritualistas ecléticos."  
        
        A criatura que se entrega definitivamente ao exercício dos postulados salvadores do Cristo, decidida a conhecer sincera e devotadamente o processo cármico que retifica os desvios do espírito e a oportunidade abençoada da reencarnação, que é ensejo de recuperação do tempo perdido, há de ser naturalmente despreocupada da doença e da morte. Desde que o sofrimento puri­fica e a morte liberta o espírito da carne, não há razões, para ela, para a tortura do medo ou a angústia pelos dramas da vida humana transitória.
 Embora o homem tenha o direito de procurar o alívio da dor e a cura da sua doença, quando ele conhece o objetivo ventu­roso da vida humana, criada por Deus, há de considerar a dor, a enfermidade ou o câncer como fases do processo abençoado que, através das várias reencarnações retificadoras, rompe as algemas do espírito preso à matéria. 


Sem dúvida, pois existem indivíduos “não eletivos”, como os “eletivos” para o câncer. A diferença está em que os últimos produzem em si mesmos a condição psíquica implacável para a manifestação cancerígena, ante o armazenamento da carga morbosa no seu perispírito, gerada pelas imprudências pregressas. Buscando recursos na terminologia médica, diríamos que tais seres provocam uma “arritmia” psíquica, que termina por desorganizar-­lhes a justaposição harmoniosa das células construtoras do corpo físicoAs toxinas do astral inferior, como produtos de desequilíbrio espiritual, tendem a baixar à carne sob a lei de gravitação astrali­na, dependendo apenas da oportunidade favorável, uma vez que se tornam cada vez mais virulentas quando permanecem estacionadas na tessitura delicadíssima do perispírito. Trata-se de espíritos que, ao se reencarnarem, são fatalmente eletivos ao câncer, pois este funciona como um remédio drástico que beneficia e purifica a alma faltosa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics