quarta-feira, 13 de junho de 2012

Sede perfeitos - O Evangelho À Luz do Cosmo


      Existe uma relação científica entre as leis do Cosmo e o conceito de Jesus, quando assim diz: "Sede, pois, vós outros, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial". (Mateus, 5:48).
Como analisar o imperativo da perfeição, contido nesta frase?
A frase "Sede perfeitos como vosso Pai celestial é perfeito" mostra uma ordem dada por Jesus a todos os habitantes do Planeta Terra, independente da seita ou da religião que professe.
Pergunta-se: não sabia Jesus que somos fracos e imperfeitos? Como pode Ele dar essa ordem peremptória? Lógico que Ele sabia e sabe das nossas imperfeições, mas sabe também que fomos criados à imagem e semelhança de Deus. 
Sob tal conceito, Jesus convoca o homem terrícola para desenvolver e adquirir, conscientemente, as qualidades que são permanentes em Deus. Sem dúvida, para o homem ser perfeito, ele precisa conhecer e aceitar as Leis do Universo, as quais dirigem e disciplinam todas as coisas e todos os seres em aperfeiçoamento.
O espírito encarnado na matéria, para alcançar a perfeição, precisa ajustar-se espontaneamente aos princípios universais, os quais derivam da Lei Única e do comando criador de Deus.
      Há, portanto, uma perfeita relação entre as leis do Cosmo e o conceito evangélico de “sede perfeitos” e, consequentemente, todos os filhos de Deus também hão de procurar ser perfeitos, quando ajustarem-se integralmente aos princípios menores que se derivam da Lei Maior. A concepção moral de perfeição é uma decorrência natural da dinâmica aperfeiçoadora da Lei Divina (ou seja, da parte ao Todo).
Para compreender a concepção de perfectibilidade do homem, que se subordina ao ritmo aperfeiçoador da Lei Única e regente do Cosmo, é necessário vos basear nos conceitos relativos e conhecidos do vosso mundo físico para, então, deduzirdes, comparativamente, na concepção melhor possível do Absoluto. 
O Espiritismo nos ensina que “a Causa Primária de todas as coisas”, Deus, é a Perfeição Absoluta. Perfeição essa que é incompreensível pelo homem no seu atual estágio de evolução, por que “lhe falta o sentido”.
Assim sendo, as palavras de Jesus, "Sede, pois, vós outros, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial". (Mateus, 5:48), precisam ser entendidas em seu sentido relativo, pois sendo o Criador Perfeito, ele jamais será igualado a não ser que se abandone um de seus atributos, o de ser Único, o que  O descaracterizaria.
Exortava aos seus discípulos e a todos nós a necessidade de adotar o comportamento que mais nos aproxima da natureza Divina, o amor.
  “Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos tem ódio, e orai pelos que vos perseguem e caluniam”, ou seja, busquem, sintonizem-se com o bem, com o bom, com o belo e coloquem-se assim em condições de exercitar as virtudes, a paz, a fraternidade entre os homens, consubstanciando assim o amor ao próximo, a realidade das Leis Divinas, sendo, então perfeitos como o Pai o é.
A perfeição é possível ao homem? 
Sim, a perfeição relativa ao seu momento na escala evolutiva, toda vez que o homem age imbuído do sentimento de amor e de caridade. A caridade é o amor em ação. 
Jamais qualquer concepção humana, firmada nos fenômenos e acontecimentos relativos e transitórios do mundo físico, poderia explicar a realidade Divina em sua essência pura. Em consequência, a concepção de Deus evolui tanto e se aperfeiçoa, quanto seja também o maior índice científico e intelectivo do próprio homem. 
Deus, quando nos criou, criou-nos simples e ignorantes, ou seja, potencialmente perfeitos. Os Espíritos superiores, no início de nossa caminhada espiritual, guiaram os nossos passos como um pai segura as mãos de seu filho. Com o passar do tempo, eles nos deixaram entregues ao nosso livre-arbítrio, com a responsabilidade pelas ações realizadas. 
Assim sendo, em cada encarnação nós vamos atualizando a potência de perfeição que existe em cada um de nós.
Indubitavelmente, se a vida é eterna, eterna também é a Perfeição, porque se constitui no atrativo e na busca, que os homens procuram eternamente para a sua felicidade. 
“Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?” - “Jesus”.
O modelo para chegarmos ao Pai é Jesus, porque, dentre os encarnados, ele foi o Espírito mais evoluído que desceu neste Planeta. A sua missão foi a de nos mostrar o caminho da salvação. Para nos ensinar que o reino de Deus está dentro de nós e que só o alcançaremos se seguirmos as suas pegadas.
       Mas afinal no consiste a perfeição? 
       Em O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, capítulo XVII, intitulado ‘Sede Perfeitos’, Kardec deixa registrado que “a essência da perfeição é a caridade em sua mais larga acepção, porque ela implica a prática de todas as outras virtudes.” 
       Sendo assim, podemos entender que Jesus, ao fazer uma associação da perfeição com o amor – inclusive aos inimigos –, desejava caracterizá-la como sendo a benevolência extremada e, por isso mesmo, incondicional. 

O Evangelho A Luz do Cosmo - Ramatiz
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics