CALENDÁRIO VERÃO 2018.

ENCERRAMENTO 2017

08/12/17 – 6ª Feira: Sessão Pública.

15/12/17 – 6ª Feira: Última Sessão Pública.

Calendário Verão 2018

Atenção: Janeiro e Fevereiro Sessões Quinzenais!

12/01/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

26/01/18 – 6ª Feira Sessão Pública.

09/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

23/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

09/03/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Peripécias de um preto velho no abaçá (terreiro)


 CAUSOS DIFÍCEIS DE RESOLVER
       Naquela sexta-feira, em pleno mês de fevereiro, o sol parecia que estava a fim de torrar, literalmente, o cérebro dos gaúchos, que tudo faziam para escapar do efeito escaldante do verão abafado, que castigava a capital do Sul do país.
      Não havia sombra, água gelada, sorvete ou picolé que pudesse amenizar o mal estar que se abatia sobre a população em geral, de vez que a sensação térmica devia estar em torno de 40 graus a sombra. Portanto, somente com um bom ar condicionado para resolver, temporariamente, a situação.
     Entretanto a fibra dos trabalhadores daquele pequeno terreiro de umbanda, não se deixaria abater por esta condição climática, tão comum no sul do país. Ainda mais que nesta época do ano, a maioria das casas de umbanda, espírita, espiritualista, e por aí vai, fecha suas portas, para férias coletivas, somente retornando em meados de fevereiro início de março, o que provoca uma demanda maior do que a esperada durante o ano, naqueles templos religiosos que não fecham suas portas para a caridade.

      Aliás, este costume provoca uma reflexão que não podemos calar: “Será que os guias, mentores, mestres da grande fraternidade branca, caboclos, pretos velhos, ciganos, boiadeiros, exus”... Também tiram férias, compactuando ao bel prazer de seus médiuns? Os que eles fazem neste período, se recolhem para uma colônia de férias espiritual, no astral?
      Enfim, em plena sexta feira, a partir das 16 h, o templo, limpo, higienizado, enfeitado, florido, se prepara para receber o público frequentador, diga-se de passagem, os usuais mais a parcela constituída dos desgarrados de outros centros. O que poderíamos contar em torno de 180 a 200 pessoas, amontoadas em um espaço previsto para 120  pessoas, confortavelmente sentadas.
      Todos espremidos, com gente pelos corredores, nos bancos externos, os trabalhadores da cantina, esforçando-se para agradar a todos, que queriam matar a fome e mitigar a sede.
      Burburinho geral. Todo mundo com calor, suado e em busca da palavra esperançosa de uma preta ou preto velho. Rostos contraídos pelas vicissitudes, pelas doenças dos entes queridos, nervosos... por resolverem aqueles seus probleminhas particulares, que tão bem estas entidades amorosas, conseguem entender e socorrer.
      Pai velho, acostumado com as lides e sofrimentos humanos, olhava com carinho para aquela assistência agitada e do cantinho do terreiro (abaçá), sentado no chão com as pernas cruzadas, em humilde reverência pelas dores da alma daqueles seres que esperavam agoniados, o início dos trabalhos da noite, aguardava a chegada do (da) médium através do qual praticava a caridade.
      Os médiuns foram chegando de suas casas, do trabalho, através do qual ganhavam o sustento de si e de suas famílias, e após o cumprimento de suas obrigações iniciais, acomodavam-se em seus lugares para a gira que estava por iniciar.
      Após os rituais de abertura e início dos atendimentos, passes e consultas, estava o pai velho, já com seu (sua) médium, que suava em bicas pelo calor que fazia no salão... Preparando-se, meditando, ambos de cabeça baixa, quando surge em sua frente uma jovem senhora, elegantemente vestida e com ares de intensa preocupação.
      Pai velho, matreiro, conhecedor das mazelas humanas, escutou pacientemente as queixas e rogativas da mesma. Era um rosário sem fim de meu sócio me roubou, tirou tudo que eu tinha, fui enganada por aqueles que trabalhavam comigo, a vida tem sido madrasta, meu companheiro me deixou, a solidão me consome, perdi tudo e... Por aí vai.
      Seguidos de tantas perguntas, como... Estou a tantos anos esperando para iniciar novo negócio, será que vai dar certo, vou encontrar um sócio há altura, meus filhos estão bem em seus negócios, e a vida amorosa e profissional deles como vai, vou encontrar outro companheiro para preencher minha solidão, vou viajar, vou conseguir o financiamento bancário que necessito, vou trocar de casa?
     As perguntas choviam de todos os lados e com as mais variadas procedências e assuntos, ao que pai velho escutava com respeito e carinho pela dor da filha, tentando responder aquela enxurrada de questões, com toda a paciência, o que era quase impossível de vez que ele emendava uma pergunta na outra, não deixando espaço para pai velho responder.
     Quando a filha aquietou por alguns breves segundos ele disparou com doçura:
- E a fia... Pode mi arresponde umas pregunta?
-Posso meu pai. Mas afinal... O senhor é preto ou preta velha?
-Tanto faiz mi zi fia...
-Ah bom! Então vou chamar o senhor de preto velho, tá bom?
-Tá bão mi zi fia... Mais mi arresponde...
-Quando foi a úrtima veiz que a fia se deu uma fro, pra alegra esse coraçãozinho? Feiz um passeio qui gosta... foi ao cinema...viajô...dançô...cantô...se deu o prazê de faze argo pra si ?
-Fia... Qual é sua responsabilidade cocê mema... O que será que Deus Nosso Sinhó espera da fia?
Quando pai velho terminou de colocar a última pergunta, para reflexão da jovem senhora, ela colocou as mãos na cintura e respondeu alto e bom som.
-Mas também... O senhor faz cada pergunta difícil !!!... Eu hein???... ????...!!!!!!

      Dito isto, a filha indignada levantou-se, saindo apressada com olhar de incredulidade, e o pai velho amoroso e sábio aproveitou para repassar preciosos ensinamentos ao (a) médium que trabalhava com ele, naquele momento, porque todos os atendimentos sempre deixam uma grande lição que necessita ser pensada, repensada e depois aplicada a vida de cada um de nós.
      A conclusão que fica deste caso é que seres movidos meramente pelos apelos externos da existência são iguais galhos secos levados pela correnteza da vida. A âncora que nos faz ter alicerces emocionais para enfrentarmos nossas mazelas provindas do mundo que nos cerca é o auto-conhecimento. Se internamente somos consciências imaturas e deseducadas emocionalmente seremos maus pais, mães, esposos, esposas... E teremos uma gigantesca incapacidade de olhar o outro com assertividade genuína, empatia fraternal e apreço evangélico.

Lizete
Médium do Triângulo da Fraternidade

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics