quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O impacto do fumo no corpo astral-etéreo-físico


PERGUNTA. — Muitos fumantes afirmam que o cigarro lhes acalma os nervos em vez de excitá-los. Como se explica isso?
RAMATIS: — Os sedativos, principalmente os barbituratos, também “acalmam os nervos” mas, com o tempo, terminam cau­sando depressão nervosa e, mais tarde, perturbam completamente todo o sistema nervoso do ser humano. Como toda ação do corpo astral da criatura se apoia fundamentalmente no grande nervo simpático, que é o responsável por todos os impactos emotivos e preocupações do espírito encarnado, é na zona abdominal que mais se acentuam as úlceras e as estenoses tão comuns nos vossos dias. Acontece que a parte “astral” do fumo tende a se condensar nessa mesma região, visto que as suas emanações se refletem no sistema nervoso do ser, desde a medula alongada até os nervos distribuídos pelo abdômen, ou seja pela região do “plexo abdomi­nal”.
Surgem então no indivíduo os casos de amnésia progressiva, cefalalgias crônicas e neurastenias, que se irradiam particularmen­te dessa região e que parecem ficar suavizadas com o socorro do cigarro. No entanto, trata-se apenas da chamada “angústia astral” do vício, como reflexo da região onde o corpo físico se liga à indumentária astral, acontecimento este que se torna insuportá­vel após a desencarnação e ingresso no Além-Túmulo. O efeito hipnótico que o astral do fumo produz sobre o nervo simpático, após a nicotina penetrar na circulação, é tomado por muitos como “acalmação dos nervos”.
O fumo interpenetra todos os interstícios do corpo físico e fixa-se em forma residual, até que os rins, o fígado, a pele e os intestinos possam eliminá-lo satisfatoriamente. No entanto, isso se torna difícil, porque o fumante continua a alimentar o vício, saturando o organismo e enfraquecendo profundamente as suas defesas comuns contra as agressões microbianas ou de tóxicos de outra natureza, e cada vez mais necessita de antitoxina para combater o acréscimo dos venenos do tabaco. E de tal modo essa saturação que, durante qualquer banho a vapor, o corpo do vicia­do do fumo transpira fortemente o odor acre da nicotina! Enquan­to os seus órgãos funcionam com regularidade, ele pode sentir-se imunizado contra o veneno do fumo mas, assim que a natureza começa a ceder em suas defesas, devido ao excesso da carga tóxi­ca, acentua-se a sua decadência física e predominain então as enfermidades incubadas.
Como o tóxico do tabaco deprime fortemente certas pessoas e exige-lhes o máximo de defesa para debelarem sua agressivi­dade venenosa, elas emagrecem e atribuem então sua esbelteza física ao fato de fumarem. Quando, porém, deixam o vício, os seus organismos abandonam as suas defesas e se servem de todas as energias disponíveis para repararem as zonas debilitadas e redu­zir as antitoxinas que perturbam o trabalho glandular, de cujo aproveitamento satisfatório, ao lado de maior dinâmica orgânica, resulta então o aumento de gordura. No entanto, com o decorrer do tempo e o esgotamento das antitoxinas que circulavam em excesso, o organismo retorna à normalidade e desaparece a exces­siva gordura, voltando a forma física ao seu tipo normal biológico de antes de fumar.

- do livro ELUCIDAÇÕES DO ALÉM.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics