CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

O CURSO FOI PROVISORIAMENTE SUSPENSO PELO RECESSO CORONAVÍRUS. REMARCAREMOS FUTURAMENTE E TODOS OS INSCRITOS TEM SUA VAGA GARANTIDA.


CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Os orixás são aspectos diferenciados de Deus e podem se manifestar através do transe anímico de possessão...

Os orixás são aspectos diferenciados de Deus. Deus é indiferenciado de tudo o mais no Cosmo. Para se fazer “presente” no infinito universal e nas diversas dimensões vibratórias subjacentes, ele criou os orixás, aspectos diferenciados d’Ele mesmo. Cada tipo de energia, fator ou raio que é um orixá se expressa de muitas formas. Cada um dos espíritos regentes planetários tem, sob seu encargo, legiões e legiões de almas em diversos estágios de desenvolvimento consciencial; reinos elemental, mineral, vegetal, animal e humano.
São os co-criadores dos mundos que atuam através de ordens criativas e mantenedoras menores sob os auspícios da Sabedoria do Uno, o Incriado Imanifesto, Deus, que para nosso entendimento se faz em Trindade Divina: som, luz e movimento. Estas multidões de inteligências – espíritos -,obedecem a vontade dos regentes maiores e estão continuamente elaborando os mundos e os diversos reinos da natureza pelo cosmo infinito. A estas hostes de espíritos que trabalham na administração sideral podemos chamar de anjos, querubins, ou por afinidade, de orixás, mesmo não os sendo verdadeiramente no aspecto energético. Neste caso são espíritos que atuam enfeixados nas energias, fatores ou raios divinos e se confundem como sendo estas particularidades divinas. Obviamente estas entidades não incorporam no mediunismo terreno. São os senhores das essências básicas, das forças da natureza e os manifestadores dos fatores divinizados que determinam a governança cármica coletiva. Por desdobramento, cada espírito no mundo concreto, plano astral e físico, manifesta em si numa escala infinitesimal todas estas ondas fatoriais energéticas chamadas orixás. Dizia o Mestre Jesus “Vós Sois Deuses” referindo-se a elas e as potencialidades latentes de cada alma.
Viemos todos de uma fonte primeva e temos pulsantes em nós as suas capacidades. Para entendimento destas energias, vibrações, ondas, fatores ou aspectos divinos, pelas populações simples e com as mentes preenchidas com o dia a dia da sobrevivência, que se criaram os mitos com os orixás humanizados. Desde milhares de anos as lendas se perpetuam. Diversas religiões cultuam os anjos, raios, devas e mestres. As religiões de matriz afro-brasileira e a umbanda, tendo influência africana, cultuam os orixás. Os orixás mitológicos não são espíritos individualizados. São formas de culto, humanizadas, antropomorfas, para adoração e compreensão coletiva. Estas essências fatoriais ou vibratórias influenciam cada individualidade e podem se manifestar através do transe anímico de possessão nos sensitivos quando ritualizadas em suas formas míticas humanizadas. Assim como um oceano é indiferenciado em relação a si mesmo e um balde de água do mar de uma praia qualquer é diferenciado em relação a outras praias e mares e a este oceano que o originou, assim os orixás são diferenciados entre si e de uma essência maior divina indiferenciada geradora, não tendo ligação e não sendo entidades espirituais individualizadas, tal qual o balde de água do mar não é uma baleia ou golfinho, embora eles nadem em suas profundezas.

Ramatís e Vovó Maria Conga
Livro Mediunidade e Sacerdócio
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics