CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

O CURSO FOI PROVISORIAMENTE SUSPENSO PELO RECESSO CORONAVÍRUS. REMARCAREMOS FUTURAMENTE E TODOS OS INSCRITOS TEM SUA VAGA GARANTIDA.


CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Pretos-Velhos: oráculos, crença e magia


Resumo: Esta tese parte da seguinte pergunta: O significa a divinização de escravos nos ritos contemporâneos em que se cultuam os pretos-velhos? Para compreender por que motivo os escravos são divinizados na contemporaneidade em ritos públicos e privados, além de detalhada etnografia de rituais que praticam a devoção aos pretos-velhos, foi também feita uma análise das representações dos participantes desses rituais. O culto aos pretos-velhos remete a narrativas contemporâneas do cativeiro, sendo símbolo que sustenta múltiplos entendimentos sobre a escravidão brasileira e atualiza seus significados através de rituais religiosos. Os pretos-velhos são reconhecidos como "espíritos de escravos" e entidades cultuadas na umbanda. O culto faz parte da cultura popular religiosa brasileira, estando presente em diferentes religiões do campo espírita. Por esse motivo, observei rituais na barquinha, em casas de candomblé, na umbanda, em grupos que seguem a doutrina de Alan Kardec e na arca. A presença dos pretos-velhos não está restrita ao universo religioso público, é cultuado em ritos privados, sendo este um aspecto que demonstra o vigor da prática umbandista e das modelações religiosas, que apresentam novas faces deste culto. Sua presença neste âmbito privado reforça o sentido de familiaridade que tais entidades representam, pois são nominadas pelos evocativos de "pai", "tio", "tia", "avó", expressando vínculos de consangüinidade que fortalecem os laços entre o ente e seu devoto. Neste trabalho constatamos que a devoção aos pretos-velhos reflete a construção social da identidade nacional, implicada na pertinência de resgatar a afinidade como o cativeiro. Finalmente, pergunta-se em que medida esta identidade - construída nesse campo e que afeta pessoas de todas as classes, - está sendo substituída por outra concepção de escravidão, de negro e de nação. Esta última questão certamente demandará trabalhos futuros para ser melhor respondida.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics