CALENDÁRIO VERÃO 2018.

ENCERRAMENTO 2017

08/12/17 – 6ª Feira: Sessão Pública.

15/12/17 – 6ª Feira: Última Sessão Pública.

Calendário Verão 2018

Atenção: Janeiro e Fevereiro Sessões Quinzenais!

12/01/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

26/01/18 – 6ª Feira Sessão Pública.

09/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

23/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

09/03/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Pretos-Velhos: oráculos, crença e magia


Resumo: Esta tese parte da seguinte pergunta: O significa a divinização de escravos nos ritos contemporâneos em que se cultuam os pretos-velhos? Para compreender por que motivo os escravos são divinizados na contemporaneidade em ritos públicos e privados, além de detalhada etnografia de rituais que praticam a devoção aos pretos-velhos, foi também feita uma análise das representações dos participantes desses rituais. O culto aos pretos-velhos remete a narrativas contemporâneas do cativeiro, sendo símbolo que sustenta múltiplos entendimentos sobre a escravidão brasileira e atualiza seus significados através de rituais religiosos. Os pretos-velhos são reconhecidos como "espíritos de escravos" e entidades cultuadas na umbanda. O culto faz parte da cultura popular religiosa brasileira, estando presente em diferentes religiões do campo espírita. Por esse motivo, observei rituais na barquinha, em casas de candomblé, na umbanda, em grupos que seguem a doutrina de Alan Kardec e na arca. A presença dos pretos-velhos não está restrita ao universo religioso público, é cultuado em ritos privados, sendo este um aspecto que demonstra o vigor da prática umbandista e das modelações religiosas, que apresentam novas faces deste culto. Sua presença neste âmbito privado reforça o sentido de familiaridade que tais entidades representam, pois são nominadas pelos evocativos de "pai", "tio", "tia", "avó", expressando vínculos de consangüinidade que fortalecem os laços entre o ente e seu devoto. Neste trabalho constatamos que a devoção aos pretos-velhos reflete a construção social da identidade nacional, implicada na pertinência de resgatar a afinidade como o cativeiro. Finalmente, pergunta-se em que medida esta identidade - construída nesse campo e que afeta pessoas de todas as classes, - está sendo substituída por outra concepção de escravidão, de negro e de nação. Esta última questão certamente demandará trabalhos futuros para ser melhor respondida.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics