CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

O CURSO FOI PROVISORIAMENTE SUSPENSO PELO RECESSO CORONAVÍRUS. REMARCAREMOS FUTURAMENTE E TODOS OS INSCRITOS TEM SUA VAGA GARANTIDA.


CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Equilibrando o chacra básico

1) Aprender a relaxar e reservar algum tempo para todas as necessidades básicas, como dormir, comer, fazer sexo e rir;


2) Fazer uma coisas de cada vez sem a distração de telefones, televisão ou trabalho;


3) Criar oportunidades de caminhar em meio à natureza, principalmente descalço. Descubra uma árvore que realmente o atraia e encoste-se ou sente-se apoiado nela. Entre em contato com sua força, seus alicerces e sua altura, e imagine suas raízes firmemente plantadas na terra, enquanto seus barcos se estendem para o céu;


4) Se você sabe que é controlador, crítico ou perfeccionista, pegue leve. Aprenda a segurar a língua, a contar até dez antes de falar e a se concentrar mais na relação afetiva do que em provar que você está certo;


5) Se você reconhece sua necessidade de ser perfeito e é algo que o aborrece, faça uma ou duas coisas para mudar essa tendência. Use o relógio no outro braço, use meias despareadas, dê risadinhas ao baixar os olhos, não lave aquela última xícara antes de ir dormir, não arrume a cama antes de sair e faça aulas de dança do ventre. A espontaneidade e a flexibilidade são fundamentais para um chakra de base saudável;



6) Ponha de lado a “vara” com que você se castiga ao cometer um erro; tudo é perfeito, mesmo nossos supostos erros. Nossa autopunição é muito pior do que o castigo nas mãos dos outros. Escreva isso numa folha de papel ou fale para si mesmo em voz alta, se ajudar, e depois comece a perdoar, aprendendo com a experiência e usando a sabedoria recém adquirida no futuro;



7) Em vez de aceitar as críticas que os outros lhe fazem, enfrente-os. “Por que é que toda vez que nos encontramos você tem de fazer um comentário que soa como uma crítica?” Você também pode optar por aceitar o que dizem sem ficar na defensiva. “Você é um burro.” Você pode replicar: “Sou, mas estou feliz comigo mesmo. Por favor, aceite-me como sou, em vez de querer me mudar.”



8) Dançar, cuidar do jardim, caminhar, fazer potes e esculturas de argila são atividades que podem ajudar-nos a estabilizar nossa energia. Procure não se propor tarefas que depois o façam correr contra o tempo: tantos quilômetros em tantas horas. Desfrute a experiência;



9) Opte por estar neste planeta e estar aqui de uma forma única, que é a sua, sem a necessidade de provar coisa alguma para ninguém. Ficar de pé com joelhos ligeiramente curvados e gritar “SIM!” é realmente uma afirmação de direito à vida;



10) Se uma determinada situação faz você se sentir inseguro, coloque os pés firmemente no chão e imagine ímãs puxando as plantas de seus pés para o fundo da terra. Isso fortalece o chakra da base e você pode falar ou agir a partir de um ângulo que lhe dá mais autoridade;



11) A cor vermelha está relacionada a este chakra. Concentre sua atenção na base da coluna e deixe sua intuição escolher uma cor que parece fortalecer essa região.  Se necessário, use roupas vermelhas na parte de baixo do corpo, mas lembre-se de que vermelho demais pode esgotá-lo e, por isso, é preciso tomar cuidado.

Christine R. Page, in
Anatomia da Cura
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics