quarta-feira, 15 de junho de 2011

Dança cigana, espiritualidade ou arte?


                    
A dança cigana nasce em nossa alma,  sai de nosso interior. É energia em forma de movimento; as nossas vibrações mais íntimas, se exteriorizam no ritmo do som, da música, das palmas, dos estalos dos dedos, ou ainda dos instrumentos.
Sentimos um misto, de força, alegria, desprendimento, uma firmeza tão grande, quase inexplicável.

Assim, podemos facilmente, associar a dança cigana, aos trabalhos espirituais umbandistas, já que vários médiuns, que trabalham com entidades ciganas, procuram esse estilo de dança, como meio de aprendizado, da cultura e tradição desse grupo  tão perseguido, e, tão mal compreendido pelas pessoas.
Quanto mais nos doamos ao aprendizado, mais conseguimos compreender e desmistificar vários preconceitos, sobre os ciganos e sobre as entidades que atuam nessa linha de trabalho.

As entidades ciganas,  não necessariamente, se utilizam da dança para atuar junto das pessoas, mas é uma forma de nos conduzir, de trazer compreensão, entendimento..., assim, nos faz manifestações vivas dessa força de trabalho. Sempre passo as minhas alunas, que quanto mais aprendermos, mais facilmente, os guias que se manisfestam na linha do oriente, conseguirão trabalhar, e, atuar, sobre, e, através de nós.

A dança cigana tira as travas, bloqueios interiores, aquele medo que temos de viver nossa verdade, percebo, que quando temos contato com a dança, nos deparamos com uma ponte, e, conseguimos através da dança atravessá la, e, uma vez do outro lado, simplesmente esquecemos o caminho de volta, ou mesmo, como se nunca tivesse existido, tal caminho.
Essa ponte nos leva para um lugar de total segurança..., luz..., firmeza..., fé..., confiança no Divino Criador..., ela nos conduz para dentro de nós mesmos.

A postura que temos, é a forma como conseguimos enxergar a vida, e a dança nos traz expansão interior, desenvolvimento de nossos potenciais de aprendizagem, crença nas possibilidades de evolução, de uma forma séria e respeitosa.
Respeito à espiritualidade, as tradições, rituais e cultura cigana.


CLÉLIA BARBOSA
Graduada em Comunicação Social. É dançarina, coreógrafa e professora, formação  clássica, jazz e dança contemporânea,  há 13 anos, se dedica a dança cigana.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics