segunda-feira, 30 de maio de 2011

Desequilíbrio dos chacras e as disfunções orgânicas

Este "post" faz parte da série de estudo sobre magnetismo - eteriatria.

Para ver as 3 imagens em tamanho maior, basta clicar nas mesmas:




Vem do Oriente a idéia, de especial valor, de que somos uma combinação das correntes de energia mental, emocional, psicológica e espiritual, que combinam para formar o corpo físico; e de que nossos corpos têm centros de energia chamados “chackras”.
Cada um dos sete centros, localizados em pontos seqüenciais ao longo da espinha dorsal, é responsável pela manutenção da saúde dos órgãos específicos e de funções orgânicas.
A energia flui continuamente pelo nosso corpo, através do topo da cabeça e, à medida que ela viaja pela espinha abaixo, ela “alimenta” cada um dos centros dos chackras. O mecanismo físico da respiração é a contrapartida dessa “respiração não física”, chamada de “prana” e que significa “força da vida” nas tradições orientais.
O fluxo dessas correntes de energia é regulado em nosso corpo por nossas crenças e atitudes, as quais criam todos os nossos padrões de medo, nosso conceito de realidade, nossa compreensão de Deus e do Universo, nossas memórias, e toda a informação que guardamos em nosso cérebro pelas experiências que tivemos e pelos nossos variados tipos de educação e de formação.
Cada chackra é como uma conta bancária que requer investimentos constantes. Investimentos são feitos na forma de gotas de sabedoria. “Gotas de sabedoria” representam o aprendizado adquirido nas experiências de vida da pessoa.
Os padrões específicos de medo e insegurança que correspondem ao primeiro chackra do corpo humano se relacionam à questão da segurança física. Os mais comuns são os seguintes:
  
Chacra Básico:

  • Medo de não ser capaz de suprir as necessidades da vida para si mesmo e para sua família.
  • Sentimento de que o mundo externo é um local ameaçador e que você é incapaz de se sustentar por si mesmo ou de se proteger. (Não se trata apenas de proteção física; isso inclui o medo e a vulnerabilidade que acompanham violações  dos direitos humanos ou a realidade de se encontrar numa situação sem direitos legais, quaisquer  que sejam eles.)
  • A insegurança gerada pela sensação de que nenhum lugar é a “sua casa”de que você não “pertence” a lugar nenhum.
  • O medo que se origina do fato de não ser capaz de acreditar que você pode atingir suas metas.
  • A sensação de que você só tem a você mesmo, sem o apoio de ninguém e completamente sozinho neste mundo.
Lembrem-se: O fato essencial do desenvolvimento da doença é a intensidade do medo. Embora muitas pessoas tenham em comum algumas variações desses medos, um indivíduo se torna fisicamente vulnerável quando qualquer um dos medos exerce controle sobre sua saúde emocional e psicológica.
Algumas das disfunções mais comuns, que podem ser criadas como resultado desses padrões de medo é dor crônica nas costas (lombar), ciática, veias varicosas, problemas no reto, tumores e câncer localizados nessas áreas do corpo.

Os padrões de medo e insegurança relativos ao Segundo Chackra:

  • A sensação de que você não tem poder sobre o que acontece com você sexualmente. Isso inclui experiências de abuso sexual, assim como relacionamentos especialmente manipulativos e controladores.

  • Sentir-se inadequado sexualmente ou ter aversão pela atividade sexual. Isso inclui a tensão que acompanha sentimentos de ressentimento com relação ao poder do seu parceiro ou do sexo oposto em geral, assim como sentimentos de aversão ou de culpa relativos à sua própria sexualidade ou às suas preferências sexuais.
  • Medo do parto ou sentimentos de culpa com relação à maneira de criar seu filho ou filhos.
  • Desvalorização de si mesmo como resultado de pouco ou mínimo poder econômico. Isso inclui ressentimento com relação ao fato de ser controlado financeiramente por outros.
  • Ressentimento resultante do fato de ser manipulado por outras pessoas.Isso inclui a sensação de ser vitimizado por circunstancias particulares tais como, raça, cor ou sexo.
  • Sentir-se tão desprotegido que precisa manipular outras pessoas para manter controle sobre a sua própria vida.
  • Praticar qualquer nível de desonestidade em seus negócios ou em seus relacionamentos sexuais ou interpessoais.
  • Medo de nunca ter o suficiente, que inclui medo da pobreza.
Algumas das disfunções mais comuns resultantes dessas tensões em particular são para as mulheres – todas as disfunções femininas tais como problemas menstruais, infertilidade, infecções vaginais, cistos nos ovários, endometriose, tumores ou câncer nos órgãos femininos.
Para os homens - impotência e problemas na próstata, incluindo câncer (essas disfunções estão associadas à perda de poder econômico ou político, principalmente). Tanto para os homens quanto para as mulheres, disfunções comuns incluem dor pélvica e nas costas (lombar), herpes e todas as outras doenças sexuais, problemas de deslocamento de disco, todos os problemas sexuais e problemas urinários e na bexiga.


Os padrões de medo e insegurança que estão relacionados ao Terceiro Chackra:

Também conhecido como Plexo Solar, é uma região do corpo particularmente sensível. Na linguagem energética, é a principal área “receptora” das primeiras impressões que a pessoa tem em qualquer situação em que ela se encontre , incluindo as primeiras impressões sobre as pessoas. Essa é a atividade da intuição. O plexo solar é o centro da intuição que orienta a atividade diária da vida humana.
  • Medo de intimidação, que impede a pessoa de estabelecer relacionamentos ou situações baseadas em igualdade.
  • Medo de assumir a responsabilidade por si mesmo, por suas necessidades, por seus compromissos, por suas finanças e por seus pensamentos, atitudes e ações pessoais.
  • Ressentimento por ter que assumir responsabilidade por outra pessoa que não tem condições emocionais ou se recusa a assumir responsabilidade por si mesmo. O ressentimento aumenta quando a pessoa também se sente incapaz de desafiar o parceiro irresponsável e, assim, permanece numa situação insustentável por achar melhor não desafia-la.
  • Medo pelo fato de acreditar que não é capaz de lidar com o processo de tomada de decisões na própria vida.
  • Raiva por ter seu poder de escolha desrespeitado, limitado forçosamente ou  invalidado pelos outros.
  • Raiva diante da sensação de abandono ou de negligência. Isso freqüentemente ocorre em pessoas que desenvolvem o padrão de se dedicar constantemente aos outros, enquanto nega suas próprias necessidades, pelo medo de não ser amada.
  • Medo de ser criticado ou necessidade de criticar os outros para se sentir mais forte.
  • Raiva e frustração por ser incapaz de se libertar do controle da expectativa dos outros.
  • O padrão de descontar a raiva em “vítimas indefesas” por não ter  suficiente coragem para desafiar a origem da própria raiva.
  • Medo do fracasso.
Obs; a saúde não pode ser mantida quando a pessoa está consumida pelo ódio por si mesma. De fato, nada positivo pode ser criado na vida de uma pessoa quando, internamente, ela se envergonha de seu comportamento na vida.
As disfunções mais comuns criadas pela energia desses padrões negativos específicos são artrite, úlceras, e todos os problemas relacionados com o estômago; problemas intestinais e no cólon incluindo câncer, pancreatite, diabetes e câncer no pâncreas; problemas de rins (também relacionado com o segundo chackra); problemas de fígado, incluindohepatite; problemas de vesícula; disfunções nas glândulas supra-renais; indigestão crônica ou aguda; anorexia e bulimia; náuseas e gripe.

Os padrões de medo e insegurança que estão associados ao Quarto Chackra:

Este é o chackra central do corpo e o amor é o centro de nossa vida. Uma pessoa pode enfrentar qualquer crise ou tensão se ela tem um sistema de apoio amoroso e forte.
A ausência de uma base de amor sólida cria uma situação interna na qual padrões específicos de medo, de raiva e de ressentimento podem se desenvolver no lugar do amor.
Sem amor é fácil ter medo da vida.
·        Medo de não ser amado ou a crença de que você não merece ser amado.
·        Assumir a culpa por participar de atos de rejeição ou de abandono emocional.
·        Ressentimento por ver outras pessoas recebendo mais amor e atenção do que você.
·        Medo de demonstrar ou compartilhar afeição.
·        Desenvolver sentimentos de culpa por demonstrar raiva, hostilidade ou criticismo como substitutos do amor.
·        Sentir-se emocionalmente paralisado ao passar solidão excessiva.
·        Envenenar-se emocionalmente  por acolher muitos sentimentos negativos e julgamentos com relação aos outros ou a outras formas de vida.
·        Envenenar-se emocionalmente apegando-se a velhas feridas e a ressentimentos antigos.
·        Desenvolver medos emocionais e amargura por acreditar que você não pode perdoar ou por se recusar a perdoar.
·        Criar continuamente relacionamentos que não são gratificantes ou são abusivos.
·        Culpa pela sensação de fracasso em satisfazer seu lado emocional.
·        Fazer algo ou estar com alguém quando o seu “coração não está presente”.
·        Muita mágoa e tristeza que resultam literalmente num “coração partido”.
Esses traumas e sofrimentos criam uma “congestão emocional”   e o corpo físico também reage a essas tensões.
As doenças físicas mais comuns são problemas no coração incluindo ataques cardíacos; dilatação cardíaca; artérias bloqueadas e colapso cardíaco congestivo; asma; alergias; problemas de pulmão; incluindo câncer; problemas nos brônquios; pneumonia; problemas de circulação e todos os problemas na parte superior da coluna e nos ombros.

O Quinto Chackra

O Quinto Chackra se localiza na garganta. A energia desse centro flui inicialmente pela tireóide, pela traquéia, pelo esôfago, pelas vértebras do pescoço, pela garganta e pela boca incluindo dentes, as gengivas e a região maxilar.
Corresponde ao desenvolvimento da expressão pessoal e, principalmente, do uso  da força de vontade do indivíduo.
A auto-expressão e a criatividade são cruciais para a saúde – e não apenas para a saúde física. A criação de uma vida saudável, assim como de um corpo saudável requer da pessoa o domínio sobre a sua vida. Isso inclui ter a capacidade de expressar suas próprias necessidades.

Os padrões de medo relativos ao Quinto Chackra:
·        Medo da asserção de seus próprios desejos e direitos – esse medo freqüentemente faz com que a pessoa permita que os outros a vitimizem devido à sua incapacidade de se comunicar de maneira firme em seu próprio benefício.
·        Medo de expressar suas necessidades emocionais, seus sentimentos e suas opiniões. Esse medo bloqueia quase totalmente qualquer nível  de criatividade.
·        Tornar-se desonesto ou mentiroso como forma de encobrir sentimentos ou negar responsabilidade sobre suas ações.
·        Usar sua vontade para controlar ou influenciar a vida de outras pessoas em proveito próprio.
·        Arrependimento e raiva dirigida contra si mesmo que vem da incapacidade de dizer “sinto muito”, “eu te amo”  ou “eu te perdôo”.
·        Incapacidade de expressar mágoa, tristeza e pesar. Isso inclui a incapacidade de chorar.
·        Acumular arrependimentos por não ser capaz de falar por si mesmo quando surgem oportunidades em sua vida.
·        Permitir que sua força de vontade não se desenvolvesse, pois espera que alguém tome as decisões por você.
·        Exagerar e enfeitar a verdade, um mau uso do quinto chackra. Isso inclui o hábito de fofoca.
Padrões negativos: garganta irritada e dor de garganta crônica, incluindo câncer na garganta e na boca. Problemas nas gengivas, nos dentes e desalinhamento do maxilar (chamado Síndrome da Articulação Temporomandibular); escoliose (espinha dorsal curva); torcicolo; laringite; amigdalite; dores de cabeça tensionais na base do pescoço; glândulas e tireóide intumescidas.
Também numa categoria própria estão os vícios: álcool; cigarros; açúcar; comida e qualquer outra forma de vício que indique uma incapacidade de controlar sua própria força de vontade e de desafiar os medos ou limitações presentes em sua vida.


O Sexto Chackra

Localiza-se no centro da testa. Também é denominado “o terceiro olho” ou o “olho da sabedoria”, já que é reconhecido como a porta de entrada da sabedoria mais elevada e da intuição. O cérebro, os ouvidos, o nariz, as glândulas pineal e pituitária são as regiões físicas do corpo que são alimentadas pela energia deste chackra. Essa energia ajuda na aprendizagem e no desenvolvimento da inteligência e da capacidade de raciocínio.
O desenvolvimento espiritual é o processo de dar atenção às capacidades e ás qualidades mais profundas da natureza humana e trabalhar para aperfeiçoá-las. A disciplina do desapego, por exemplo, é a prática de se desenvolver tamanha força pessoal que se é capaz de interagir em qualquer situação da vida, contribuindo no mais alto grau de visão e de sabedoria, sem necessidade de controlar o desenrolar dos acontecimentos.
É reconhecido como o ponto de entrada da intuição, da sabedoria e da intuição. O processo de desenvolvimento para se atingir a expressão espiritual requer da pessoa o aprendizado da linguagem da consciência: introspecção, auto-análise e responsabilidade pessoal. Esses são os
Instrumentos que então servem ao indivíduo quando ele procura uma disciplina espiritual pessoal, tal como a meditação ou a oração.
      A ausência dessas capacidades permite que o medo reine no seu mais alto grau dentro da consciência da pessoa.
Um extraordinário número de medos e de padrões de comportamento negativos são capazes de contaminar a energia do sexto chackra. Citamos alguns:
·        Medo de olhar para dentro de si mesmo, ou medo da auto-análise e da introspecção.
·        Medo de suas próprias habilidades intuitivas, que dá origem a bloqueios à sensibilidade interior.
·        O uso inadequado do poder intelectual, como a participação na criação de algo prejudicial à vida ou em atos deliberados de fraude.
·        Usar a capacidade de raciocínio contra si mesmo, como ao desenvolver mecanismos de negação psicológicos ou emocionais. Essa é a prática de negação da verdade, que resulta na incapacidade de discernir com clareza sua própria realidade.
·        Medo que resulta da crença de que você é intelectualmente inadequado.
·        Ciúme e insegurança com relação à capacidade criativa de outra pessoa.
·        Medo de ser influenciado pelo valor das idéias de outras pessoas.
·        Má vontade ou recusa em aprender com as experiências da vida. Isso freqüentemente leva a culpar constantemente outras pessoas por tudo que acontece de errado em sua própria vida, e a um padrão infindável de repetição das mesmas situações de aprendizado difíceis e dolorosas.
·        Comportamento paranóico, ansiedade devido á sensação de não conhecer a si mesmo.

Algumas das disfunções: tumores cerebrais, hemorragias cerebrais e coágulos de sangue no cérebro; problemas neurológicos; cegueira;surdez; problemas em toda a espinha dorsal; enxaqueca ou dores de cabeça devidas à tensão; ansiedade ou nervosismo, incluindo o colapso nervoso; coma; depressão; esquizofrenia; ataques epilépticos e outras formas de disfunções emocional-mentais, e dificuldade no aprendizado.

O Sétimo Chackra

Localiza-se no topo da cabeça (coroa). As partes físicas que correspondem à energia desse centro são os principais sistemas do corpo: sistema nervoso, sistema muscular, esqueleto e pele.
Na linguagem energética, o sétimo chackra é o ponto de entrada da força da vida humana propriamente dita – uma corrente de energia invisível que jorra ininterruptamente no sistema energético humano, nutrindo cada parte do corpo, da mente e do espírito.
Atitudes são ímãs. Atraímos pessoas, oportunidades e acontecimentos da mesma qualidade de nossas atitudes mais fortes e dominadoras.
E, o que é mais importante ainda, nossas atitudes são regidas pela Lei  Universal da Atração – igual atrai igual.
Nós criamos a nossa realidade. Os instrumentos usados no processo de criação são todos invisíveis. Eles são as nossas atitudes, crenças, valores,
Ética e energias emocionais. Atitudes negativas diminuem a força vital. A negatividade nessa escala é como represar um rio, é desconsiderar continuamente o valor e o propósito da vida. A força vital se enfraquece de maneira gradual, mas contínua. O corpo, a mente e o espírito começam a sofrer de “desnutrição energética”. Se essa espiral descendente continuar irrefreada, o espírito experimenta falta completa de energia. Acaba se tornando impossível reabastecer o espírito, e o corpo conseqüentemente morre.
Você tem que se conhecer para fazer escolhas que não coloquem seu eu interior em crise.
Medos ou padrões comportamentais que interferem na saúde do Sétimo chackra.
Esse chackra se relaciona com assuntos que envolvem a vida da pessoa como um todo, os padrões  de negatividade são da mesma dimensão.

·        Crise ao compreender que está vivendo uma vida sem sentido.
·        Crises espirituais como a falta de fé.
·        Crise que acompanha a incapacidade de confiar nos processos de vida naturais e solidários.
·        Falta de coragem e de fé em si mesmo.
·        Viver de acordo com a energia de atitudes negativas, que impedem o indivíduo de ver oportunidades de mudança.
·        Medo do próprio desenvolvimento – isso inclui o medo de conhecer a si mesmo.
·        Os padrões comportamentais negativos que resultam de uma incapacidade de pensar e de raciocinar além dos limites de suas próprias necessidades.
·        Os padrões comportamentais negativos que resultam de uma má vontade de crescer e de mudar para se ajustar aos desafios da vida.
·        A incapacidade de ter uma visão mais ampla do processo em curso na sua própria vida.
Os tipos de doenças que podem resultar  desses padrões de negatividade são disfunções do sistema nervoso, paralisia, problemas genéticos, problemas ósseos incluindo câncer nos ossos e doenças degenerativas tipo esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica (ELA).

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Ação das trevas em grupos espíritas



Na mensagem abaixo não consta o autor e nem mesmo o Centro Espírita no intuito de  preservar sua identidade e, assim sendo, evitar represálias daqueles que não crêem na vida após a morte e, inacreditavelmente, de outros espiritualistas - espíritas.
Encaminho a vocês para que repassem àqueles que acreditam e, principalmente, àqueles que fazem algum trabalho em alguma casa espírita e/ou umbandista.
Infelizmente, muitos de nós acreditam que pelo simples fato de sermos espíritas - e umbandistas - as “portas do paraíso” já estão escancaradas (hum....) e deixamos que nosso ego fale mais alto em nossos trabalhos quando deveríamos deixar que apenas o AMOR e a HUMILDADE fossem nosso guia.
Para mim, este e-mail caiu como uma luva!!!!!
Um super abraço e que tenhamos muita paz e muita de luz!


Ir:.  Milton:.
* * *

“Prezados irmãos. Que Jesus nos abençoe e nos fortaleça no seu amor.

Quando nos propomos a falar da Ação das Trevas nos Grupos Espíritas, antes de tudo precisamos saber de quais Espíritos estamos falando, porque a grande maioria de Espíritos obsessores que vêm às Casas Espíritas são mais ignorantes do que propriamente maldosos. No livro
“Não há mais tempo”, organizado pelo Espírito Klaus, nós publicamos uma comunicação de um verdadeiro representante das organizações do mal e percebemos que há uma grande diferença entre o que nós classificamos como Espíritos obsessores e os verdadeiros representantes das trevas.
Eu estava presente na reunião na qual essa entidade se manifestou. Quando o Espírito incorporou a doutrinadora disse: “Seja bem vindo meu irmão!”. Ele respondeu: “em primeiro lugar não sou seu irmão, em segundo lugar eu conheço o seu sentimento. Sei que você não gosta nem das pessoas que trabalham com você na casa, que dirá de mim que você não conhece. Por isso duvido que eu seja bem vindo aqui”. Ela ficou um tanto desconsertada, porém, disse: “mas meu irmão, veja bem, isto aqui é um hospital”. Ele respondeu: “muito bem, agora você vai dizer que eu sou o doente e que você vai cuidar de mim, não é isto?”. Ela disse: “Sim”. “Pois bem, e quem garante para você
que eu sou um doente? Só porque eu penso diferente de você. Aliás, o que a faz acreditar que possa cuidar de mim? Quem é que cuida de você? Porque suponho que quando alguém vai cuidar do outro, este alguém esteja melhor que o outro e, francamente, eu não vejo que você esteja melhor que eu. Porque eu faço o mal? Porque sou combatente das idéias de Jesus? Sim, é verdade, mas admito isto, enquanto que você faz o mal tanto quanto eu e se disfarça de espírita boazinha”.
Outro doutrinador disse: “meu irmão, é preciso amar”. O Espírito respondeu: “acabou o argumento. Quando vocês vêm com esta ladainha que é preciso amar é que vocês não têm mais argumentos”. “Mas o amor não é ladainha meu irmão”. “Se o amor não é ladainha por que o senhor
não vai amar o seu filho na sua casa? Aliás, um filho que o senhor não tem relacionamento há mais de 10 anos. Se o senhor não consegue perdoar o seu filho que é sangue do seu sangue, como é que o senhor quer falar de amor comigo? O senhor nem me conhece.
Vieram outros doutrinadores e a história se repetiu até que, por último, veio o dirigente da casa e com muita calma disse: “Não é necessário que o senhor fique atirando estas verdades em nossas faces. Nós temos plena consciência daquilo que somos. Sabemos que ainda somos crianças espirituais e que precisamos aprender muito”. “O Espírito respondeu: “até que enfim alguém com
coerência neste grupo, até que enfim alguém disse uma verdade. Concordo com você, realmente vocês são crianças espirituais e como crianças não deveriam se meter a fazer trabalho de gente grande porque vocês não dão conta”.

COMO AGEM OS ESPÍRITOS REPRESENTANTES DAS TREVAS EM NOSSOS
NÚCLEOS ESPÍRITAS?

Como vimos, os verdadeiros representantes das trevas além de maldosos são, também, extremamente inteligentes. São Espíritos que não estão muito preocupados com as Casas Espíritas.
Eles têm suas bases nas regiões da Sub-Crosta. São Espíritos que estiveram envolvidos, por exemplo, na 1ª e 2ª guerras mundiais e no ataque às Torres Gêmeas nos Estados Unidos.
São os mentores intelectuais de Bin Laden, de Sadam Hussein e de inúmeros outros ditadores que já
passaram pelo mundo, porque eles têm um plano muito bem elaborado, que é o de dominar o mundo. Os grupos espíritas não apresentam tanto perigo para eles.
Esses Espíritos estarão sim atacando núcleos espíritas desde que o núcleo realmente represente algum perigo para as intenções das trevas. Portanto, quando nós falamos das inteligências do mal nós estamos falando destes Espíritos que têm uma capacidade mental e
intelectual muito acima da média em geral. Normalmente não são esses Espíritos que se comunicam nas nossas sessões mediúnicas. Normalmente eles não estão preocupados com os nossos trabalhos, a não ser que esses trabalhos estejam bem direcionados, o que é muito difícil, e represente algum perigo para eles.
Nós que vivemos e trabalhamos numa Casa Espírita sabemos bem dos problemas  encontrados nas atividades desses grupos. Para ilustrar vou contar para vocês um fato verídico ocorrido numa Casa Espírita. Um Espírito obsessor incorporou na sessão mediúnica e disse para o
grupo: “Nós viemos informar que não vamos mais obsediar vocês. Vamos para o outro grupo”.
Houve silêncio até que alguém perguntou: “Vocês não vão mais nos obsediar, por quê?”. O Espírito respondeu: “existe nesta casa, tanta maledicência, tanta preguiça, tanto atrito, tantas brigas pelo poder, tantas pessoas pregando aquilo que não praticam, que não precisamos nos preocupar com vocês, você mesmos são obsessores uns dos outros”.

POR QUE REALIZAR UM SEMINÁRIO RESSALTANDO A AÇÃO DAS TREVAS?
FALAR DO MAL NÃO É AJUDAR O MAL A CRESCER?

No livro a “Arte da Guerra” está escrito: “se você vai para uma guerra e conhece mais o seu inimigo que a você mesmo, não se preocupe, você vai vencer todas as batalhas. Se você conhece a si mesmo, mas não conhece o inimigo, para cada vitória você terá uma derrota. Porém, se você não conhece nem a si mesmo e nem ao inimigo, você vai perder todas as batalhas”. Infelizmente, a
grande maioria das pessoas não conhece a si mesma. Têm medo da reforma intima, têm medo do que vão encontrar dentro de si. Negam a transformação interior.
Precisamos falar das trevas para conhecermos as trevas. Se não conhecermos como eles manipulam os tarefeiros espíritas como é que vamos saber nos defender deles. Para isso é preciso refletirmos nesta condição de nos conhecermos, até porque toda ação das trevas exteriores é um reflexo das trevas que nós carregamos dentro de nós. É preciso realmente realizarmos a nossa reforma interior para sairmos da sintonia dessas entidades.

E OS GUARDIÕES QUE CUIDAM DO CENTRO, COMO É QUE FICA?

Não podemos esquecer que os benfeitores espirituais trabalham respeitando o nosso livre arbítrio. Uma Casa Espírita como esta possui o seu campo de proteção, uma cerca elétrica construída pelos benfeitores, porém, quem a mantém ligada são os trabalhadores encarnados. Toda
vez que há brigas dentro do centro, toda vez que há grupos inimigos conflitando-se, toda vez que há
maledicências, é como se houvesse um curto circuito nesta rede, é como se houvesse uma queda de energia, e as entidade do mal entram. Os benfeitores espirituais estão presentes, a rede é religada, mas, as entidades dos mal já entraram. O grande problema é que quase sempre nós não estamos sintonizados com o bem. A ação do bem em nossa vida é fundamental..
Por exemplo: o Umbral não é causa, o Umbral é efeito. Só existe o Umbral, a zona espiritual inferior que cerca o planeta, porque os homens têm sentimentos medíocres e inferiores. No dia que a humanidade evoluir o Umbral desaparece, porque ele é conseqüência. Por isso que não podemos nos esquecer que as trevas exteriores são apenas uma extensão das nossas trevas interiores. Existe,
sim, a proteção espiritual nas Casas Espíritas, porém, os Espíritos amigos respeitam o nosso livre arbítrio.

COMO É QUE OS GRUPOS ESPÍRITAS PODEM SE DEFENDER DAS TREVAS?

• Havendo muita sinceridade, amizade verdadeira e, principalmente, muito amor entre todos os colaboradores do grupo.

• Existindo a prática da solidariedade, carinho e respeito para com todas as pessoas que buscam o grupo ou para estudar ou para serem orientadas ou para receberem assistência espiritual..

• Havendo muito comprometimento com a causa espírita.

• Realizando, periodicamente, uma avaliação dos resultados obtidos, para verificar se os três itens anteriores estão

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Ide, curai os enfermos!!!


Jesus, entre outras orientações aos seus apóstolos e discípulos, sentenciou: Ide, curai os enfermos!!!

Sabemos que as doenças degenerativas, a quimioterapia, radioterapia e tratamentos medicamentosos alopáticos de uso contínuo DETONAM com o duplo etéreo. Então, nossa proposta é uma TERAPIA ENERGÉTICA AUXILIAR à medicina, recompondo e fortalecendo o duplo etéreo dos que estão em tratamento e com a saúde abalada.

O trabalhos de magnetismo - eteriatria - como terapia energética auxiliar é indicado nos seguintes casos de doenças degenerativas:
- câncer, mal de parkinson, alzheimer, distrofia muscular, osteoporose, cirrose, hepatite c, úlcera, esclerose múltipla,  acidente vascular cerebral; artrite reumatóide, reumatismo, perda de memória e movimentos - doença de huntington-, o diabetes, doenças cardíacas, coluna vertebral, glaucomas, cálculos renais, ..., etc.  

As doenças crônico-degenerativas são as principais causas de mortes em países desenvolvidos e em desenvolvimento.  Ocorrem com mais frequência em adultos e idosos, mas já existem crescentes registros de òbitos em jovens, como por exemplo nos processos degenerativos que acompanham a obesidade mórbida em adolescentes.  A vida moderna agitada, o carnivorimo, os vícios, o sedentarismo e a alimentação processada industrializada rica em conservantes e hormônios sintéticos, aliados da falta de exercícios regulares e hábitos de busca da espiritualidade como a meditação, são fatores predisponentes para este "caos" da saúde que vivemos.

Assim, implementamos o trabalho de 


nas sextas-feiras. Não estamos prometendo cura a ninguém, mas tentando exercitar o amor ao próximo, num trabalho de doação de ectoplasma. Se houverem curas é pelo merecimento de cada um, o que não nos cabe interferir. Este trabalho de MAGNETISMO - ETERIATRIA - é auxiliar, espiritual, não concorre com a medicina e não dispensa a mundança de atitudes dos consulentes.

PROCUREM a JANDIRA, nas sextas, que estará fazendo a triagem para a distribuição das 12 fichas de MAGNETISMO - ETERIATRIA - pontualmente a partir das 18h e 30 min.

Os atendimentos são individualizados na sala de MAGNETISMO - ETERIATRIA. Em breve estaremos divulgando os 2 novos dias de trabalho com apometria e atendimento especializado com magnetismo-eteriatria.

Que Jesus nos abençõe !!!
 

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Magnetismo - eteriatria: o duplo etérico


"Conhecendo bem o  duplo-etérico, os médiuns poderão melhorar a sua tarefa mediúnica e  dinamizar suas forças magnéticas..."

Sua função primordial é servir de ligação entre o perispírito e o corpo carnal, funcionando como um filtro das energias que chegam e saem do físico, protegendo o ser de cargas negativas que podem gerar desequilíbrios e doenças.

O duplo etérico, composto por energias bastante densas, quase materiais, mas ainda ocultas da visão humana, é o responsável pela repercussão vibratória direta do perispírito sobre o corpo carnal.
Esta comunicação é feita através dos chacras, que captam as vibrações do espírito e as transferem para as regiões correspondentes na matéria física.
As obras complementares, sobretudo as de autoria de André Luiz, trouxeram mais dados sobre a especificação dos invólucros dos espíritos. Ele afirma que o corpo mental é o envoltório sutil da mente e que o corpo vital ou duplo etérico é a duplicata energética que reveste o corpo físico do homem. Diz ainda que o corpo mental preside a formação do corpo espiritual, que, por sua vez, comanda a formação do corpo físico juntamente com o corpo vital.

Natureza e características
O duplo etérico é permanentemente acoplado ao corpo físico, sendo responsável por sua vitalização. Portanto, morrendo o corpo físico, imediatamente morrerá o correspondente corpo etérico. É constituído por éter físico emanado do próprio planeta Terra e funciona com êxito tanto no limiar do plano espiritual como do plano físico.
De aparência violeta-pálida ou cinza-azulada, o duplo etérico, em condições normais, estende-se cerca de 6mm além da superfície do corpo denso correspondente.
As energias que entram no organismo físico, como o fluido vital passa pelas regiões do duplo etérico responsáveis pela absorção e circulação destas: os centros de força conhecidos como chacras. Os chacras do duplo etérico são temporários, durando o tempo que este existir, ao contrário dos chacras perispirituais, que são permanentes. Cada chacra conta com uma localização e função principal, correspondente a uma região de plexos nervosos do corpo físico.

Sensibilidade do duplo etérico
O duplo etérico acusa de imediato qualquer hostilidade ao corpo físico e ao perispírito, através dos centros sensoriais correspondentes na consciência perispiritual e física.
Essa sensibilidade ocorre porque a operação cirúrgica não foi exercida sobre o duplo etérico, que é inacessível às ferramentas do mundo material.
Este automatismo instintivo lhe possibilita deter a carga deletéria dos aturdimentos mentais que baixam do perispírito para o corpo físico, pois, do contrário, bastaria o primeiro impacto de cólera para desintegrar o organismo carnal e romper sua ligação com o perispírito, resultando no desencarne do ser.
Algumas emoções afetam o duplo etérico em sua tarefa de medianeiro entre o perispírito e o corpo físico.

Afastamento compulsório
Agora, caso a descarga violenta do perispírito não consiga atingir o corpo físico devido à reação defensiva do duplo etérico, as toxinas emocionais sofrem um choque de retorno e voltam a se fixar no perispírito, ficando nele instaladas até que sejam expurgadas na atual ou em uma futura encarnação.

Epilepsia e hipnose
O epiléptico é uma pessoa cujo duplo etérico se afasta com freqüência de seu corpo físico. O ataque epiléptico e o transe mediúnico do médium de fenômenos físicos apresentam certa semelhança entre si, com a diferença de que o médium ingressa no transe de forma espontânea, enquanto o epiléptico é atirado ao solo assim que seu duplo etérico fica saturado dos venenos expurgados pelo perispírito e se afasta violentamente, a fim de escoá-los no meio ambiente sob absoluta imprevisão de seu portador.
Todo ataque epiléptico é um estado de defesa do corpo físico, que expulsa o duplo etérico e o perispírito para que estes se recomponham energeticamente, trocando energias negativas por positivas.
Já o hipnotizador atua pela sugestão na mente do hipnotizado, Induzindo-o ao estado de transe hipnótico. Resulta daí o afastamento parcial do duplo etérico, que fica à deriva, permitindo a imersão no subconsciente.

Rompimentos do duplo etérico
A estrutura íntima do duplo etérico fica seriamente afetada quando, por meio de desregramentos e vícios, a pessoa utiliza substâncias corrosivas como álcool, fumo, drogas em geral e certos medicamentos cujos componentes químicos sejam inegavelmente tóxicos.
As lesões do duplo etérico são difíceis de serem recompostas.

Camada protetora
O duplo etérico é, para o ser encarnado, como um manto protetor, protegendo a pessoa contra o ataque e a multiplicação de bactérias e larvas espirituais que, sem a proteção da tela etérica, invadiriam a organização não somente do corpo físico como a constituição perispiritual durante a encarnação.
O duplo etérico assemelha-se à camada de ozônio que reveste o planeta Terra, pois, na verdade, essa camada protetora tem, por analogia, a mesma função do duplo etérico no ser humano.



PERGUNTA: - Que dizeis sobre o duplo-etérico, como veículo intermediário entre o corpo carnal e o perispírito do homem?
RAMATÍS: - O duplo-etérico é um corpo ou veículo provisório, espécie de  mediador plástico ou elemento de ligação entre o perispírito e o corpo  físico do homem. É constituído de éter físico emanado da própria Terra; e  conforme já dissemos, dissolve-se no túmulo depois da morte física do homem.  Ele recebe os impulsos do perispírito e os transfere para a carne, agindo  também em sentido  inverso. Em rude analogia, citamos a função valiosa do fio elétrico, o qual  recebe a carga de eletricidade da usina ou fonte produtora e depois ilumina  a lâmpada ou move o motor. Sem esse fio modesto, aparentemente sem  importância, o mundo oculto da eletricidade não poderia atuar sobre o mundo  visível da matéria. O duplo-etérico, portanto, à semelhança de um fio  elétrico, cumpre a função de mensageiro submisso, que transmite ao corpo o  que o espírito sente no seu mundo oculto, ou sejam, as emoções que a alma  plasma na sua mente espiritual imponderável.  




PERGUNTA: - O duplo-etérico é um veículo já  conhecido e estudado há muitos séculos por outras doutrinas espiritualistas?  
RAMATÍS: - O duplo-etérico, com o seu sistema de chacras, ou centros de  forças etéricas situados à sua periferia é, realmente, conhecido há muitos  séculos pelos velhos ocultistas e iniciados hindus, egípcios, essênios,  cal-deus, assírios e chineses, embora só agora os mentores espirituais  resolvessem popularizá-lo entre os espiritualistas do Ocidente. Aos  espíritas, cumpre-lhes conhecer e divulgar a anatomia e a fisiologia do  perispírito, que é o principal veículo de relação entre o Espírito e a  matéria; e também precisam estudar o duplo-etérico, já conhecidíssimo dos  Rosa-Cruzes, Teosofistas, esoteristas e yogues. Isso não contraria nem  perturba os objetivos dos postulados espíritas, pois conhecendo bem o  duplo-etérico, os médiuns poderão melhorar a sua tarefa mediúnica e  dinamizar suas forças magnéticas; e os espíritas doutrinadores elucidarão as  inúmeras incógnitas e percalços dos trabalhos de materializações, voz  direta, levitações, transportes e operações fluídicas. Em todos esses  fenômenos, o duplo-etérico é o principal responsável pela elaboração de  ectoplasma e da coordenação dos fluidos nervosos dos médiuns de efeitos  físicos.


Exu - por ele mesmo



Pergunta: O que podemos compreender pelo termo Exu? Verificamos ainda muita confusão em meio a real ação destes espíritos, poderia nos explicar?

Sete: Ainda encontramos na roupagem de carne muita gente sendo "porta voz de morto" filho, criando suas próprias verdades que nem sempre estão pautadas no bom senso! Criam ritos, rituais, iniciações e muitos códigos secretos quando na realidade a simplicidade e objetividade dos trabalhos desenvolvidos pelos espíritos é mais simples do que possamos imaginar, assim se dá com Exu também.
Temos duas qualidades do termo Exu.

1.Como força da natureza, ligada a energia de Orixá, onde existem as energias oriundas do polo negativo desta força e tome cuidado para não interpretar negativo como propagador do mal, mas somente como uma polaridade.

2.Como entidade atuande, onde existem as chamadas falanges ou para ficar mais claro a compreensão "grupos de trabalho" onde cada grupo tem uma função na criação ligada a força manifestadora da natureza ou "Orixá Exu".

Os Exus, atuam na organização do plano negativo, onde se reunem seres que se afinizam pelo padrão vibratório denso que criaram em suas vidas e após o seu desencarne, são atraídos pela sintonia vibratória que criaram em torno de si.
Nestas localidade chamadas de Umbral, trevas , vales sombrios e demais alegorias que cada cultura denomina se encontram espíritos que estão comprometidos com suas consciências e a função da entidade Exu nestes locais é manter a ordem e promover o equilibrio energético dos mesmos, através de várias ações, uma delas e dando a segurança para que equipes socorristas possam atuar nestes campos para promover o resgate e o encaminhamento destes espíritos.
Associado as casas espiritualistas e espiritas, Umbandistas e demais casas afros brasileiras, encontramos a figura de Exu como o que vela pela segurança energética destes locais, formando campos de forças que atuam dentro de uma determinada frequência vibratória para que as atividades internas corram na mais plena harmonia.
Infelizmente ainda notamos muito "teatro" praticado nestes locais onde se prega mais ilusão do que verdade na tarefa desenvolvida por Exu.
Médiuns despreparados e movidos pelo animismo doentio de suas mentes despreparadas para o mediunato, criam a imagem de Exu ligada ao "mito", distribuindo ebós, despachos e pregando a ilusão na imagem daquele que serve somente a lei e a justiça.
Tais atos vale lembrar filho abrem portas para a ilusão que atraí os chamados "quiumbas" espíritos de uma classe extremamente leviana ques e utilizam destes médiuns para criar os cenários doentios que ainda hoje presenciamos em algumas casas, acabando no despacho da encruzilhada, local este totalmente despreparado no meio urbano para tal atividade dita "espiritual"
Exus é o sentinela, o guardião ou ainda aquele que defende, o nome pouco importa, mas o que vale é saibamos compreender qual a finalidade que o mesmo desenvolve.
Os excessos como bebidas, velas pretas, ebós se perderam na ilusão popular, onde o fator de força esta na natureza que acaba sendo a mais prejudicada com tudo isso.
Atos como palavrões, leviandade e desrepeito para com o consulente estão mais ligados ao médium que traduz aquilo que leva dentro de si do que da personalidade de um Exu.
Exus são servidores da luz que atuam dentro das trevas que são criadas pelos próprios viventes.
Se faz necessário que os cultos se espiritualizem e que o fator energético além de estudado seja práticado, não se dando espaço somente para o elemento material que na maioria das vezes serve mais de muleta psiquica.

Com muito axé a todos!

Sete
Canalizado por GÉRO MAITA
http://ceuesperanca.blogspot.com/ 


* * *



Recomendamos este documentário primoroso a todos.
Ele mostra aspectos da vida de um homem espetacular.
Uma pessoa que lamentavelmente poucos conhecem:
Francisco Valdomiro Lorenz.
Um fenômeno que deixou mais de 150 livros escritos.
Possuidor de inteligência incomum, falava e compreendia mais de 110 idiomas e dialetos.
Espírita, ocultista, maçom, professor e receitista homeopata, cuja característica dominante era a imensa bondade que possuia.
Imperdível!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Toxinas psíquicas

"...a carga residual psíquica leva o corpo físico à saturação mórbida.."

PERGUNTA: — Como entenderíamos melhor a vossa afirmativa de que o êxito microbiano depende fundamentalmente da condição mórbida ou “miasmática” do psiquismo doente, que então atrai os germes patogênicos e os alimenta?

RAMATIS: — As causas enfermas, como já expusemos, não residem especificamente na existência ou proliferação desses ger­mes, bactérias ou bacilos; eles só aparecem depois que se estabe­lece a desvitalização orgânica, quando a carga residual psíquica leva o corpo físico à saturação mórbida e então se produz o estado ou o terreno favorável para a sua procriação. E de senso comum que o organismo humano é portador da progênie de toda espécie microbiana, porquanto o seu arcabouço, na realidade, não passa de vigorosa rede de magnetismo sustentando inumeráveis coleti­vidades de germes invisíveis aos olhos comuns, mas responsáveis por todas as funções e necessidades orgânicas.

A verdadeira causa das moléstias germina no desequilíbrio psíquico, quando a mente se subverte e acelera a dinâmica perigo­sa das paixões brutais. Então produzem-se os tóxicos nocivos que depois afetam a força vital etérica e alimentam os vírus invisíveis do mundo astral, fazendo-os baixar vibratoriamente até à organiza­ção carnal. Ante a desarmonia vital provocada pelo descenso dos venenos psíquicos oriundos da mente desgovernada, o organismo fica incapacitado para impedir a proliferação microbiana perigosa, assim como seria impossível suster-se uma avalancha líquida desen­freada, depois que se rompessem as comportas de uma represa. Aliás, muitos cientistas terrenos já concluem, sensatamente, que “os micróbios acompanham mas não causam a doença”

Os Orixás, as doenças e a saúde:


PERGUNTA: — Que idéia poderíamos fazer dessas toxinas psí­quicas, que nutrem diversos tipos de micróbios e produzem assim diferentes tipos de enfermidades? Podeis dar-nos algum exemplo mais objetivo?

RAMATIS: — Conforme o tipo de desregramento psíquico, também se produz a sua toxina específica. Assim é que o fluido mórbido produzido pelo ciúme é muito diferente daquele que é fruto da luxúria, da cólera ou da crueldade. Deste modo, também varia a sua ação virulenta quando verte para a carne, como tam­bém varia a sua preferência especial por determinada região ou órgão do corpo físico. Consideremos, por exemplo, certo tipo de toxinas ou fluido mórbido psíquico, produzido pela mente desgo­vernada, e que ao “descer” do perispírito só se acumule preferen­cialmente em torno da região do tórax-etérico, onde se situa o “chacra” cardíaco, que é o órgão do duplo etérico controlador dos movimentos autônomos do coração e da respiração do corpo carnal. Sob a lei sideral de correspondência vibratória, esse conteúdo tóxico, oculto no tórax espiritual, há se de transferir e estagnar no tórax físico, quando da encarnação do espírito ou mesmo durante a sua produção deletéria quando encarnado. Só mais tarde, então, com a morte do corpo físico, o veneno será absorvido pela terra, devido à desintegração cadavérica. Conforme seja a resistência orgânica ou o tipo humano com os seus ascendentes biológicos hereditários, é que o veneno psíquico também há de produzir afec­ções na região respiratória, sob vários aspectos; enferma os alvéo­los bronquiais, perturba a diástole ou sístole cardíaca, dificulta a respiração e a circulação nos pulmões, oprime a função irrigàdora das coronárias ou asfixia o campo magnético onde se move o cora­ção. Em algumas criaturas resultam as dispnéias asmáticas, as arritmias, os estados respiratórios opressivos; noutras é a propen­são fácil para a bronquite ou afecções pulmonares mais graves.

Queremos esclarecer-vos, enfim, que um mesmo tipo de toxinas baixadas do psiquismo pode provocar diferentes reações enfermiças quando também atua em diversas criaturas diferentes, pois a maior ou menor resistência dependerá particularmente das suas consti­tuições orgânicas hereditárias. Há casos, por exemplo, em que o mesmo veneno psíquico que num indivíduo afeta exclusivamente a função cardíaca, noutra criatura apenas atinge o centro respira­tório, ou então produz o terreno propício para a proliferação do pneumococo.

Quando esse tipo de veneno psíquico, eletivo da região toráci­ca, é bastante denso e excessivamente radioativado em suas ema­nações nocivas, em certos casos pode causar uma espécie de asma de fundo tipicamente astral. E para espanto da Medicina acadêmi­ca, esta moléstia só é aliviada ou curada sob o tratamento de pas­ses magnéticos, medicamento homeopático de alta dinamização, ou então pelo poder dissolvente do magnetismo terapêutico, que é irradiado pelo processo de “simpatia” ou “benzimento”, muito familiar a certos magistas e curandeiros sertanejos.

 Do livro FISIOLOGIA DA ALMA - Ed. do Conhecimento

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics