CALENDÁRIO VERÃO 2018.

ENCERRAMENTO 2017

08/12/17 – 6ª Feira: Sessão Pública.

15/12/17 – 6ª Feira: Última Sessão Pública.

Calendário Verão 2018

Atenção: Janeiro e Fevereiro Sessões Quinzenais!

12/01/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

26/01/18 – 6ª Feira Sessão Pública.

09/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

23/02/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

09/03/18 – 6ª Feira – Sessão Pública.

domingo, 6 de março de 2011

Das macumbas à Umbanda

Macumba é uma espécie de árvore africana e também um instrumento musical utilizado em cerimônias de religiões afro-brasileiras. O termo, porém, acabou se tornando uma forma pejorativa de se referir a essas religiões - e, sobretudo, aos despachos feitos por alguns seguidores. O preconceito foi gerado porque, na primeira metade do século 20, igrejas pentecostais e alguns outros grupos católicos consideravam profana a prática dessas religiões. Com o tempo, num processo de generalização popular, preconceituoso, quaisquer manifestações dessas religiões passaram a ser tratadas como "macumba".  Na verdade, a demonização da Umbanda  pelas religiões neopentecostais e evangélicas permanece  até os dias atuais.
A primeira definição de Macumba que se encontra em qualquer dicionário é de: antigo instrumento musical de percussão, espécie de reco-reco, de origem africana, que dá um som de rapa (rascante); e Macumbeiro é o tocador desse instrumento.


* * *

Monografia que descreve a transformação no meio Umbandista entre 1908 e o I Congresso de Umbanda em 1941, período marcante na construção desta religião brasileira.

Escrita por José Henrique Motta de Oliveira (vulgo Arashakamá), Iniciado da Umbanda do Cruzeiro do Sul, como requisito à obtenção de título em Licenciatura Plena em História.
Para download:  Das macumbas à Umbanda
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics