CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

O CURSO FOI PROVISORIAMENTE SUSPENSO PELO RECESSO CORONAVÍRUS. REMARCAREMOS EM BREVE E TODOS OS INSCRITOS TEM SUA VAGA GARANTIDA.


CURSO UMBANDA PÉ NO CHÃO COM NORBERTO PEIXOTO.

- PRESENCIAL E GRATUITO.

O curso objetiva transmitir aos participantes uma consciência espiritual, dentro da tradição de oralidade da Umbanda de raiz; presencial, de boca a orelha. A palavra verbalizada é fundamento, conduz axé e um fluxo de consciência do espiritual para o material, do orientador para os “alunos”.

INÍCIO: dia 18 de março de 2020, encontros semanais, toda quarta-feira, com DURAÇÃO de 8 a 10 semanas.

HORÁRIO: das 20 h e 00 min às 21 h e 30 min (o portão de entrada abre às 19 h e 30 min).

LOCAL: Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade

Rua Barão de Tramandaí, nº 23 – Passo d’Areia

Porto Alegre – RS

INSCRIÇÕES: somente 30 vagas e as inscrições serão presenciais em dia de Gira, na secretaria do Grupo de Umbanda Triângulo da Fraternidade, às sextas-feiras à noite, a partir do dia 28/02/20. Não faremos inscrições por email ou WhatsApp. É pré-requisito comparecer, se fazer presente para se inscrever. As aulas não serão gravadas nem transmitidas ao vivo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

As aulas serão dinâmicas – o primeiro tempo de sustentação oral pelo facilitador e o segundo interativo com perguntas e respostas. Não utilizaremos recursos audiovisuais e não concederemos certificado. Os conteúdos estão no livro UMBANDA PÉ NO CHÃO. Recomendamos a leitura do livro para melhor aprendizado de cada aula, conforme o programa a seguir:

Origem e história da Umbanda: advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Estrutura astral do movimento umbandista

O que são Orixás, Guias e Falangeiros

Formas de apresentação dos espíritos

As linhas de trabalho

As firmezas e tronqueiras

O cruzeiro das almas

A Curimba, os cantos e os toques – a música sacra de terreiro

Os preceitos

As consagrações

A convergência universalista da Umbanda

As influências e diferenças dos cultos africanos, da pajelança indígena,

do catolicismo e do espiritismo

O axé através da mediunidade;

Estrutura energética do homem, Carma e regência dos Orixás

Finalidade dos amacis e banhos de ervas

A importância do ritual, o espaço sagrado nos terreiros e sua diversidade de culto

O transe nos terreiros

A incorporação consciente

As diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

A união nas desigualdades; Religião, filosofia, ciência e arte

A magia na Umbanda; as dimensões física, etérica, astral e a movimentação

mediúnica de energias entre elas;

O fundamento dos elementos e dos condensadores energéticos: ar, terra, fogo e água, álcool, ervas, a fumaça, o som; as guias; os pontos riscados; a pólvora; as oferendas; a água;

Os fundamentos do congá (atrator, condensador, dispersor, expansor,

transformador e alimentador)

A sessão de caridade;

O preparo

O desenvolvimento mediúnico

O que se aprende nas sessões de desenvolvimento?

Os passes e aconselhamentos espirituais

Por que os Orixás não incorporam?

A desobsessão na umbanda

O que sãos Orixás?

Os sítios vibracionais dos Orixás

Alguns tipos psicológicos associados aos Orixás; Oxalá, Yemanjá, Xangô, Ogum, Iansã, Oxum, Oxossi, Nanã Buruquê, Omulu.


domingo, 5 de dezembro de 2010

Transfusão de energia que altera o campo celular

Esta energia é direcionada pelo médium passista ao necessitado, através dos recursos da mente, para equilíbrio e harmonização do campo vibratório. 
Daí, porque, a necessidade de os médiuns se portarem como doadores e os necessitados como receptores.
A criação deste campo magnético, entre o médium e o necessitado é o suficiente para assimilação dos recursos, dirigidos pelos espíritos colaboradores.
O que queremos dizer, é que todos precisamos ter muita fé, a fim de alcançarmos os nossos objetivos primeiros, ou seja, regular a saúde ou enfermidade, a harmonia ou desarmonia, colocando em pleno funcionamento nossos centros de forças e órgãos.
O passe como auxílio, dispensa quaisquer preocupações, sendo sua aplicação valiosa a enfermos de toda classe, visto sua ação universal.
Seu direcionamento ao mal (doença física, moral ou espiritual), tem assistência da equipe espiritual, que se encarregará dos problemas, conduzindo as energias ao campo afetado.
O passista é elemento fundamental na administração dos passes, por ser o condutor físico dos atos da espiritualidade.
Sua postura exemplar, sua convivência em todos os níveis, levando paz e compreensão, serão marcos positivos em sua jornada evolutiva.
A frase: -
 "Dai de graça, o que de graça recebestes", é refrão a todos que de boa vontade, se põe à disposição do outro.
A este é importante o aumento da sua capacidade de entendimento, a busca do conhecimento e o aprimoramento moral, baseado sempre nos ensinamentos evangélicos.
Deve o médium passista ter argumentos justificáveis à sua opção de trabalho nesta seara, e consciência de seu estado vibratório antes e depois de sua atuação.
Explicando, dizemos que seu mau proceder em termos de vaidade, egocentrismo, ambição inferior, fatalmente atrairá companhia de esferas inferiores, afinadas com o momento desarmônico.
É também de suma importância que o médium passista, seja coerente de seu estado(sistema nervoso, oprimido, esgotado, mágoa, paixão desvairada, inquietude, impedem a passagem de energias auxiliadoras), e leve ao conhecimento do dirigente.
Este ato poderá beneficiá-lo, pelo não uso de atitudes enganosas, como também, preservará a harmonia do grupo.
Manter disciplina na administração dos passes, evitando gestos escandalosos, barulhentos, teatrais ou ritualísticos, usando seu magnetismo e o envolvimento espiritual, de forma mais mental, na firmeza de propósitos de superar suas deficiências.
Solicitem sempre que necessário, o auxílio do dirigente e os conhecimentos adquiridos através dos livros, obedecendo as normas da casa em que trabalharem.
Confirmamos (mais uma vez) a "imposição de mãos" como veículo condutor, e também como demonstração eficaz na transmissão do passe, pois tudo se resume na nossa vontade, força extraída da mente pelo nosso pensamento.
Diz André Luiz: - 
"Os passistas assemelham-se a duas pilhas humanas deixando os raios a lhes fluírem das mãos depois de lhes percorrerem a cabeça, ao contato dos Benfeitores Espirituais".
Ratificamos o que aventamos anteriormente, 
"que o médium não precisa se fixar em certas partes do corpo do necessitado", pois a Entidade socorrista se encarregará de fazê-lo (auxílio espiritual).

Para finalizar acentuamos que 
"a tarefa do passista é de solidariedade pura, sendo medianeiro entre necessitado/espiritualidade, e de forma nenhuma responsável pela cura".
Fonte: Espada de Ogum
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics