quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

2011 - viver cada momento e construir a felicidade aqui e agora


FELIZ ANO NOVO
(Arnaldo Jabor) 

O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho.
É viver cada momento e construir a felicidade aqui e agora.
Claro que a vida prega peças. O bolo não cresce, o pneu fura, chove demais (Perdemos pessoas que amamos)…
Mas, pensa só: Tem graça viver sem rir de gargalhar, pelo menos uma vez ao dia?
Tem sentido estragar o dia por causa de uma discussão na ida pro trabalho?
Eu quero viver bem… e você?
2010 foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas, mas também de problemas e desilusões, tristezas, perdas, reencontros.
Normal..
Às vezes, se espera demais. A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou.
Normal …
2011 não vai ser diferente. Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas, e aí? Fazer o quê?
Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?
O que eu desejo para todos nós é sabedoria. E que todos nós saibamos transformar tudo em uma boa experiência..
O nosso desejo não se realizou? Beleza… Não estava na hora, não deveria ser a melhor coisa para esse momento (me lembro sempre de uma frase que ouvi e adoro: "cuidado com seus desejos, eles podem se tornar realidade").
Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano…
Mas, se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com
generosidade, as coisas ficam diferentes.
Desejo para todo mundo esse olhar especial!
2011 pode ser um ano especial, se nosso olhar for diferente.
Pode ser muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso.
Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.
2011 pode ser o bicho, o máximo, maravilhoso, lindo, especial!
Depende de mim… de você.
Pode ser… e que seja!

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Atributos Iansã - Orixá regente 2011

Iansã - Orixá regente 2011
Atributo: Movimento e mudança.

Corresponde a necessidade de mudança, de deslocamento, transformações materiais, avanços tecnológicos e intelectivos.

A luta contra as injustiças. A mente é inconstante e rápida de raciocínio.

Os tipos psicológicos das filhas de IANSÃ podem ser irriquietos, por terem muita agilidade mental que ocasiona um mundo de idéias e deixa os pensamentos rápidos demais, iguais a raios. O psiquismo de IANSÃ é propenso à educação, à oralidade, à orientação. Não se prendem a tarefas rotineiras, repetitivas. Precisam colocar em prática a sua garra e impetuosidade diante do novo, como as nuvens nos céus que mudam constantemente o formato se moldando aos ventos.

Aspectos Positivos: Coragem; lealdade e franqueza, fluidez de raciocínio; propicia a higienização mental; mudança de pensamento (jogo de cintura), a facilidade de falar. Talento artístico; charme e sensualidade.

Aspectos Negativos: ciúme doentio; rancor; impulsividade - agir sem pensar; a franqueza que machuca; a impaciência e a irritação.


( este texto faz parte do livro "Umbanda Pé no Chão - Editora do Conhecimento )

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Vídeo: 2011 - falando da regência dos Orixás



Em 2011, desejamos muita paz, saúde, força e união para todos os irmãos planetários.
Muito axé,
Um tríplice e fraternal saravá!!!

Norberto Peixoto
Choupana do Caboclo Pery
Grupo Umbandista Triângulo da Fraternidade

2011 pela Numerologia Pitagórica

Pitágoras nasceu em Samos, uma ilha do mar Egeu, aproximadamente em 570 a.C.. Por volta de 531 a.C., fundou em Crotona, na Sicília, uma associação de caráter filosófico, ético e político.
 
        Os números tão usados pelos céticos racionalistas adeptos das ciências exatas, para quem 1+1 é igual a 2, também possui o seu lado subjetivo e simbólico  e é uma ferramenta do auto conhecimento. Sendo assim tem um lado ciência, já que tem uma metodologia sistemática na sua aplicação, para desvendar, revelar um significado interno de um resultado onde existe uma vibração e sintonia, pelo fato de um nome, letra, número ter um valor vibracional, que leva a uma tendência energética. Neste caso, uma palavra VIBRA, de acordo com um número numa escala de 1 até 9 e um número possui um valor VIBRACIONAL. Na Wikipédia encontramos essa definição:

"Numerologia é o estudo das influências e qualidades místicas dos números. Segundo a numerologia, cada número ou valor numérico é dotado de uma vibração ou essência individual e indicaria tendências de acontecimentos ou de personalidade, apesar de não haver qualquer evidência científica de que os números apresentem tais propriedades.

       Existem diversos sistemas numerológicos, dentre eles o indiano, o japonês, o cabalístico e o caldaico. No ocidente, predomina a chamada Numerologia Pitagórica, embora diversos pesquisadores apontem a inadequação do termo, dentre várias razões porque este sistema não trabalhava com o alfabeto latino.
       A história dos números é vasta. Já os pré-históricos demonstravam, por meio de desenhos, a noção de número como quantidade. Certamente os primeiros números foram contados nos dedos das mãos, posteriormente com outros acessórios, como as pedras (donde os vocábulos calcular e cálculo). Por volta de 3.000 a.C. os sumérios apresentavam um sofisticado sistema de horas com 60 minutos cada e com minutos de 60 segundos cada. Tal sistema foi posteriormente aperfeiçoado por babilônios e caldeus. Estes, aliás, já se utilizavam da Numerologia e da Astrologia fazia milhares de anos.
       Pitágoras nasceu em Samos, uma ilha do mar Egeu, aproximadamente em 570 a.C.. Por volta de 531 a.C., fundou em Crotona, na Sicília, uma associação de caráter filosófico, ético e político. Faleceu em Metaponto, entre 496 e 497 a.C.. Em suas viagens, teve contatos com diversas correntes religiosas e/ou espiritualistas, o que certamente influenciou sua visão ecumênica da divindade, de modo a ter respeitado a orientação religiosa de cada aluno. As rigorosas práticas pedagógicas de Pitágoras (reais ou "mitológicas") apresentavam-se por processos de iniciação e aprovação dos discípulos) e devem ser consideradas no contexto esotérico iniciático da Antiguidade. De qualquer maneira, a essência do sistema pitagórico envolvia o estudo da Aritmética, da Geometria, da Música, da Astronomia e dos antepassados do discípulo, assim como de seu equilíbrio emocional e comportamental. Em linhas gerais, para Pitágoras, a evolução é um caminho natural da vida, assim como o número, carregado de simbologia, representa a lei do Universo.
       Alguns pesquisadores chegam a negar a existência de Pitágoras "pessoa física", assim como acontece com Homero. Entretanto, a doutrina dita pitagórica existe, independentemente de ter sido codificada por mais de um estudioso, chamado ou não Pitágoras, ao qual nós temos absoluta convicção que foi e é verdadeiro.
        Embora ao longo da História, tenha havido uma série de alterações de calendários, datas etc., isso não invalida a Numerologia Pitagórica enquanto ciência do estudo das vibrações numéricas, uma vez que os números representam arquétipos. Além disso, como o mundo astral/espiritual reflete-se no mundo físico, os registros individuais e coletivos, ainda que, muitas vezes e infelizmente ordenados de maneira arbitrária e violenta, permitem ao ser humano conhecer mais a si mesmo e à organização do cosmos. Nesse sentido, embora o planeta não tenha apenas dois mil e poucos anos, como estamos no terceiro milênio, para calcular a vibração "geral" do ano novo, deve-se, considerar-se a vibração 4, correspondente à redução de 2011 (2 + 0 + 1 + 1) - veja na tabela baixo os atributos e aspectos negativos do número 4 e dos outros. O mesmo vale para os registros individuais, que envolvem diversos cálculos, os quais, quando combinados, constituem os chamados Mapas Numerológicos Pessoais.
       O estudo da Numerologia não se presta a sustentar nenhuma forma de determinismo e/ou fatalismo. Ao contrário, oferece elementos para, conforme o livre-arbítrio, facilitar e promover a evolução, mediante uma vida mais equilibrada e harmoniosa.

O SIGNIFICADO DOS NÚMEROS:
1 (UM):
O que lidera, inicio, força,liderança, individualidade, independência. Principio ativo masculino e positivo. Como lado negativo, pode levar a prepotência, solidão, egocentrismo, orgulho e autoritarismo. Como características  positivas: Pioneirismo, iniciativa, liderança, audácia, autoconfiança, positivismo.
Missão a cumprir: Evitar ser egoísta e autoritário.
2 (DOIS):
O que colabora. Cooperação, dualidade, amabilidade. Principio passivo, feminino, negativo, completa o número 1.Moldável, adaptável, conciliador, pacificador, é o equilibrio.  Características Negativas: Timidez, medo, indecisão, dualidade, dúvida, dependência.
Características Positivas: Modéstia, paciência, diplomacia, solidariedade, amabilidade, conciliador.
Missão a cumprir: Evitar a dependência excessiva, desenvolver o espírito cooperativo
 
3 (TRÊS):
O que comunica. Expressão, comunicação, criação.
Representa o relacionamento com o mundo exterior. Após a individualidade, a união com o dois, surge a interação com sociedade.Extrovertido dono de grande magnetismo pessoal, promove o desenvolvimento de todos ao seu redor, alegria, entusiasmo,faz com que tudo pareça possível.  Constitui a expressão do sucesso, da sorte, da fertilidade e da beleza.Associado ao 6 favorece as criações artísticas. Ao 9 ganha força nas artes literárias.
Características Positivas: Otimismo, bom gosto, talento, comunicação, sociabilidade.
Características Negativas: Exibicionismo, superficialidade, espírito fofoqueiro, mentiras, conflitos, solidão.
Missão a Cumprir: Abrir-se para o mundo, ser criativo, procurar expressar-se.

4 (QUATRO): O NÚMERO DE 2011
O que realiza. Palavra chave: ação, estabilidade, firmeza, segurança e conservadorismo. O quatro é o símbolo da lei da ordem. Manifestação do lado racional, é representado pelo quadrado. Por um lado a dureza, que compensa com a estabilidade, segurança.Para construir é preciso valer-se de sua força e poder. Desenvolve o senso prático, a autodisciplina. A defesa das tradições, e um certo conformismo.
Características Positivas: praticidade, espírito construtor, lealdade, organização, franqueza, cautela, trabalho, resistência, amor a tradição.
Características Negativas: rigidez, conformismo, avareza, apego ao passado.
Missão a cumprir: Não se deixar oprimir pelo trabalho e pelas responsabilidades.

5 (CINCO):
O que é livre. Palavra chave: Liberdade, evolução, curiosidade, aventura.
O cinco representa a versatilidade somente alcançada por aqueles que não têm compromissos e sempre podem se lançar em direção a novas oportunidades. De espírito aventureiro, acumulam experiências e possuem conhecimentos sobre uma boa gama de assuntos, mas não se especializam em nada. Com um magnetismo pessoal, atraem pessoas do sexo oposto. Gostam de se por em movimento , adoram viagens. Provocam mudanças por onde passam e também aceitam com a mesma facilidade que as promovem.
Características Positivas: Entusiasmo espírito empreendedor e aventureiro, versatilidade, liberdade, sensualidade, viagem, mudança.
Características Negativas:Irresponsabilidade, inquietação, infidelidade, falta de objetivos, ímpeto que não leva a nada.
Missão a cumprir: não fazer uso inadequado de sua liberdade pessoal; aceitar mudanças.

6 (SEIS):
O que concilia.Harmonia, equilíbrio, verdade e justiça. O seis sintetiza as responsabilidades sociais e familiares. almeja casar, ter uma família. O seis emana vibrações artísticas e domésticas. Representa a busca de um lar, uma família e uma entrega a sua comunidade.
Características Positivas: espírito conciliador, generosidade, estabilidade, idealismo, preocupação com o lar, a comunidade, companheirismo.
Características Negativas: acomodação, espírito de mártir, complicações no casamento, cobranças excessivas.
Missão a cumprir: aprender a aceitar as coisas como são. Cuidar da relação sem ciúmes, buscar o equilíbrio antes da perfeição
7 (SETE):
O que pensa. Palavra chave: análise, investigação, lógica e misticismo, reflexão. O sete relaciona-se com a sabedoria, reflexão, busca de outras respostas além daquelas oferecidas, meditação, descanso, paz interior.
Características Positivas: sabedoria, tranquilidade, introspecção, intuição, poder de análise, meticulosidade, lógica e investigação
Características Negativas: desligamento, melancolia, solidão, perda do sentido da vida, falta de objetivos.
Missão a cumprir: refletir, buscando o saber dentro de si.

8 (OITO):
O que tem poder. Palavra chave: Poder, responsabilidade, riqueza material, reconhecimento. Depois de encontrar respostas, é hora de colocar em movimento. Busca o poder, o prestígio, o lado material da vida. Movido por uma ambição legítima, torna-se um guerreiro, lutador, um perseverante, baseado no senso ético, na justiça, busca a vitória pessoal através do enriquecimento.
Características Positivas:Poder, eficiência, prestígio, sucesso, riqueza, perspicácia, saber, compreensão, autoridade, justiça e verdade.
Características Negativas:ambição excessiva, sede pelo poder, materialismo desenfreado, intolerância, arrogância, desonestidade.
Missão a cumprir:Usar corretamente o dinheiro e o poder, pautado no senso de justiça. Não negligenciar o dinheiro e as coisas materiais.


9 (NOVE):
O que compreende. Palavra chave: Realização, universalidade, abnegação, compaixão. O nove representa a realização total do homem com todas as suas aspirações atendidas e seus desejos satisfeitos. Ele é capaz de dedicar-se ao amor universal, incondicional por tudo e por todos. Busca a perfeição.
Características Positivas:Amor universal, paciência, tolerância, fé, generosidade.
Características Negativas:Sacrifício, fracasso, solidão, fim, decepção, fanatismo.
Missão a cumprir: Ter em mente que a finalidade do ser humano é desenvolver o amor universal, a compreensão e a compaixão.


OS NÚMEROS MESTRES:
Esses são números repetidos entre 1 até 100, tem a conotação de realçar aspectos positivos e negativos de um número antes dele ser reduzido. Por exemplo se uma soma chegar a 11 = 2, teremos na leitura mais riquezas de interpretação e precisão. Dentro desses os mais inspiradores, criativos considerados pelos estudiosos são 11, 22, 33, 44. Até porque a soma de letras de nomes que atinjam somas acima de 55 são raras.
11 (ONZE): O idealista
Características Positivas: Idealismo, intuição, poderes extra-sensorial, paciência, misticismo
Características Negativas:Fanatismo, pragmatismo, cinismo, charlatanismo, preguiça, desonestidade.

22 (VINTE E DOIS): O construtor do Mundo
Características Positivas:Espírito empreendedor, raciocínio lógico, lealdade, perspicácia, otimismo e generosidade.
Características Negativas:cinismo, vaidade exagerada, pessimismo, não conclusão de seus projetos, complexo de inferioridade.

33 (TRINTA E TRÊS): O líder
Características Positivas: Controle emocional, idealismo, capacidade de comando, planejamento, visão para o futuro.
Características Negativas:Negativismo, depressão, violência, excentricidade, futilidade, frieza.

44 (QUARENTA E QUATRO): Eficiência em pessoa.
Características Positivas: Facilidade de expressão, poder, controle mental, projetos voltados para o bem da humanidade, capacidade de ocupar cargos públicos.
Características Negativas: Mau uso de suas habilidades mentais, apossar-se  de idéias alheias, um certo grau de psicose.

55 (CINQUENTA E CINCO): Canal da Força Vital
Características Positivas: Contato com planos superiores, iluminação dom da cura.
Características Negativas:Descumprimento do Karma, autopiedade, sentimento de vítima, falta de perspectivas futuras.

66 (SESSENTA E SEIS): O amor incondicional.
Características Positivas:auto-realização, capacidade de amar, libertação do karma, criação.
Características Negativas:ciúmes, egoísmo, sentimento de posse, negação e repressão do amor.

77 (SETENTA E SETE): O discernimento
Características Positivas: discernimento, capacidade de aceitar mudanças, sucesso, liberdade.
Características Negativas:melancolia, pensamentos conflitantes, sentimento de cobrança.

88 (OITENTA E OITO): A busca da Perfeição.
Características Positivas: Sabedoria, persistência, perfeccionismo, eficiência, coragem ilimitada, reflexão.
Características Negativas:conflitos, dificuldades, desânimo, ante as adversidades.

99 (NOVENTA E NOVE): O altruísta
Características Positivas: atividade, caridade, despojamento, auxilio aos carentes.
Características Negativas:ingenuidade, espírito de sacrifício, falta de senso crítico.

Fontes de pesquisa:
Camaysar, Rosabis, Numerologia, Pensamento.
Cissay, MOnique - Numerologia- A importância do Nome no seu Destino, Pensamento
Dodge, Ellin - Numerologia - Guia Completo da Arte e Ciência dos Números.



segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Vídeo: as diferenças ritualísticas e a formação da consciência umbandista

  Ao observarmos o universo, o macrocosmo e o microcosmo que nos cercam, observamos que nada é igual. Constatamos que o Criador, o Pai-Mãe, Olurum, Zambi, Jeová, Deus, o Grande Incriado e o Único Eterno, não fez suas criações todas iguais. Não somos robôs com o mesmo programa existencial e a diversidade é inerente as almas.
       Inevitavelmente a umbanda nos educa para convivermos com as diferenças sem o ranço atávico religioso que trazemos em nossos inconscientes milenares ancorado na disposição psíquica de impormos igualdades ao outro. Os terreiros são educativos para aceitarmos a diversidade ritual e das consciências com muita harmonia e aceitação dos nossos irmãos semelhantes, numa fraternidade que convive pacificamente com as desigualdades.
       Impensável uma entidade militante no movimento umbandista exigir que se deva entrar nesta ou naquela religião, culto, igreja ou filosofia. Sempre partem da aceitação da fé do consulente e a partir daí o direcionam para o amor universal que se esparge em todas as formas de religiosidade existentes na Terra, levando-nos a despertar o sentimento crístico de dentro para fora em sua essência. As formas externas que amparam nossa relação de religiosidade no meio terreno nada mais são que escoras psicológicas transitórias para melhorarmos nossa compreensão do Divino, da nossa centelha espiritual e nos relacionarmos de maneira mais profícua com o Sagrado, expandindo a consciência no sentido que fazemos parte de uma gigantesca colcha de retalhos que está pacientemente sendo costurada para a nossa reintegração cósmica. Interiorizamos a umbanda no momento que nossos espíritos vibram integralmente o amor incondicional e ao não impormos que além de nossa religião, fé ou igreja não existe salvação.
        O universo é uma grande fraternidade, tendo no amor a igualdade que unifica e une os espíritos. Mesmo nas dimensões de vida em que a unidade cósmica prepondera, o êxtase espiritual sentido não significa igualdade entre as consciências que ali se encontram.
        Assim como os galhos das árvores são de todos os pássaros, as diferenças ritualísticas na umbanda se moldam a diversidade de consciências existentes e contribuem para a evolução coletiva, qual luz solar que clareia todos os telhados.
         A umbanda representa no microcosmo humano a força integradora do universo. A vibração dos orixás, aspectos diferenciados desta força integradora, ao convergir para ela, oferece um momento de unificação com o sagrado durante os seus cultos rituais, assim como se fôssemos peixes de um aquário que voltam ao oceano.
Texto: livro "Umbanda pé no chão - Ed. do Conhecimento 


domingo, 26 de dezembro de 2010

O ritual do terreiro

Ritual de pintura: acontece em tempo de guerra e celebrações sagradas
        "O ritual do terreiro é preciso para ordenamento dos trabalhos. As formas cultuadas servem de apoios mentais, que vos levam a firmar os pensamentos em breves instantes, auxiliando-nos para o rebaixamento vibratório das energias dos orixás ao qual viemos apoiados para fazermos a caridade na Terra.
        A disciplina externa deve estar casada com a ordem interna dos médiuns, sendo o templo de fora um reflexo da "igreja" de dentro de cada criatura que comparece a sessão da noite em que serão atendidas centenas entre encarnados e desencarnados.
         A harmonia, ou como vocês dizem na Terra, o ponto de equilíbrio, é alcançado na superação das fragilidades individuais, sustentada no esforço intencional de servir ao próximo, renovado em cada encontro semanal. A vontade alicerçada no livre arbítrio e no amor incondicional ao semelhante e para com o Sagrado é a maior fortaleza de cada um na caminhada em prol da evolução individual, sendo Jesus o maior exemplo desta disposição interna."
Caboclo Pery

     * * *  
    Somos naturalmente desconcentrados. Conseguimos prestar atenção em uma palestra sem ficarmos dispersivos aproximadamente por seis minutos. Os gestos, palavras, movimentos e sons que caracterizam um ritual, de valor simbólico previamente conhecido dos participantes do rito, repetido com regularidade, em intervalos que se repetem, favorecem a concentração e criam um condicionamento mental individual e coletivo que propicia um automatismo salutar na sintonia mediúnica. Por exemplo, diante o ponto cantado da entidade quando o médium está “pronto”, imediatamente ocorre a incorporação mediúnica.
       Um ritual é uma forma de organização, um método sistematizado, que objetiva disciplinar e dar uniformidade aos pensamentos através de estímulos sensórios externos que são interiorizados no psiquismo. A repetição metódica e regular dos cânticos, a visão das imagens em comum a todos os componentes do terreiro, dispostos de frente para o congá; os atabaques, os cheiros, a defumação, as cores, os movimentos repetitivos, favorecem o condicionamento anímico e a entrega passiva dos médiuns que darão sustentação à corrente, fortalecendo o intercâmbio mediúnico.
      Na umbanda, existem vários tipos de rituais dependendo do terreiro. Variam diante a necessidade espiritual do grupo e dos freqüentadores da casa. Não vamos descrever nenhum pela enorme diversidade em nossa religião e cremos que a finalidade deste livreto não é esta.
       Evidenciamos ainda o aspecto social do ritual que une os seus praticantes em respeito e cumplicidade, além de estreitar os laços de amizade.
      Um terreiro de Umbanda é um local sagrado para o culto aos Orixás. Entidades espirituais que estão presentes precisam de um ambiente magnetizado positivamente para a fixação e manutenção de suas energias no local; o espaço físico-astral consagrado pela fé e confiança dos freqüentadores, tanto da assistência como do corpo mediúnico que se confunde num só, sendo o lado daqui uma conseqüência do lado de lá, que geralmente é bem mais amplo. Serve para a invocação, evocação e ligação mediúnica com os espíritos guias que se apresentam para a realização dos trabalhos de caridade.
       Há que se comentar que a diversidade de culto é conseqüência inequívoca da fragmentação religiosa existente na consciência coletiva, diversidade esta que se intensifica na umbanda por sua universalidade convergente. A forma de cultuarmos o sagrado no interior dos terreiros não deve ser motivo de separatismos. A unidade na umbanda não significa igualdade e as diferenças devem unir e não separar.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

NATAL

Todos os meus pensamentos estão enfeitando a árvore de Natal da meditação com os raros presentes de devoção, embalados em douradas preces fervorosas, para que o Cristo possa vir e receber as minhas humildes oferendas.
 
Participarei mentalmente das celebrações em todas as mesquitas, igrejas e templos; e perceberei o nascimento da Consciência Crística universal como paz no altar de todos os corações devocionais.
 

Paramahansa Yogananda, "Meditações Metafísicas"

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Consciência crística

 Jesus-Oshalá-Christus
"Amai-vos uns aos outros assim como eu vos amarei até o final dos tempos"


Assim como Deus não dá escorpiões ao jardineiro,  o pescador não tira serpentes da rede, a bananeira não frutifica abacaxis e as estrelas no firmamento continuam sendo estrelas mesmo que creiam que sejam vagalumes a piscar nos céus, independente de fé, entenda-se o Sagrado - Deus - e seus enviados como Jesus, Oxalá,  Kardec, Jeová, Buda, Zoroastro, Antúlio, Maomé, Zambi, Olurum, Obatalá, Orunmila, Tupã, Lao Tsé, Confúcio; ou Orixás, Inkices e Vodunsis de todas as nações,...,. Certo é que a consciência crística do Divino - o Uno Incriado Eterno - está perenemente nas mentes e corações pela eternidade, vibrando amor, paz, saúde, força e união aos crentes de todas as crenças, seres viventes e cidadãos planetários.  
Ramatís

* * *
Certa vez perguntei a  Yogananda: “Que ponto a pessoa precisa atingir para se considerar legitimamente um mestre?”
E ele respondeu: “Esse ponto é a consciência crística.”


Swami Kriyananda em “A Essência do Bhagavad Gita”


* * *
Um dia, quando me encontrava sentado acompanhado de um grupo de estudantes em minha escola em Ranchi, vi que alguém se aproximava, por trás dos rapazes. Me perguntei quem seria, porém logo pude perceber que se tratava de Jesus; seus pés não tocavam a terra enquanto andava.
Chegou muito perto de nós, e logo se desvaneceu.
Poucos anos mais tarde, em Boston, vi novamente Jesus. Encontrava-me meditando e orando profundamente a Deus, porque sentia que durante três dias me havia esquecido Dele, deixando-me absorver excessivamente pelas responsabilidades que Ele me havia dado. Disse ao Senhor:”Vou abandonar esta obra”. A atitude correta consiste em amar a Deus e amar a sua obra por amor a Ele. Os que servem como missionários porém não fazem o esforço por meditar e comungar com Deus, jamais encontrarão ao Senhor. Porque eu sentia que as atividades de meu ministério me haviam afastado de Deus, orei: “Senhor, irei embora daqui. Não permanecerei na América nem levarei a cabo esta obra tua, a menos que saiba que te encontras comigo”. Uma voz atravessou o éter, como um raio de luz: “Pede o que desejares, porém não podes ir embora”. Muitas vezes em minha vida Deus me tem impedido de fugir de meus deveres junto a esta causa, para permanecer a sós com Ele. Respondi à divina voz: ” Deixa-me contemplar a Krishna e a Jesus, com seus discípulos, em um mar dourado.” Ainda não tinha terminado de formular este pedido interno, quando vi aqueles divinos seres acercando-se de mim. “Isto é uma alucinação, pensei”. “Se a pessoa que se encontra meditando comigo também perceber o mesmo, crerei”. Instantaneamente, meu companheiro exclamou em alta voz: “Oh! vejo Cristo e Krishna!”
Minha razão disse então: “Isto é mera transferência de pensamento.”
Em meio a dúvidas, orei a Deus pedindo-lhe que me ajudasse em minha falta de fé, e a voz disse: “Quando me for, o aroma de loto preencherá este aposento e quem quer que aqui entre o perceberá.”
Ao desvanecer-se a visão, a sala inteira foi inundada pela maravilhosa fragrância de loto e os que entraram nela, mesmo horas mais tarde, notaram o aroma. Não pude, pois, continuar duvidando.
Mahavatar Babaji me ordenou vir à América com o objetivo de interpretar os ensinamentos de Cristo e demonstrar seu paralelismo com o yoga ensinado por Krishna na Índia. Nas verdades imortais expressadas por estes avatares estão as respostas às necessidades de todas as épocas. É por isso que Babaji, que se encontra em divina comunhão com Cristo, me designou a missão especial de trazer esta mensagem ao Ocidente.

Paramahansa Yogananda



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Carma e reencarnação


Se tivermos bom senso, procuraremos semear bom carma. Temos muitas oportunidades a cada dia para servirmos à vida e cumprirmos nossas responsabilidades, fazendo tudo o que nos for possível para ajudar os outros e oferecer nossos talentos. A família, a comunidade, o trabalho e a profissão são meios importantes para realizá-lo.
Ao mesmo tempo, procuramos equilibrar o retorno do carma negativo. Muitas vezes, o universo traz até pessoas que conhecemos em vidas anteriores e que podemos agora servir, equilibrando uma dívida cármica. Por vezes, esse fato acontece mesmo em nossa família.
Deus nos concedeu livre-arbítrio neste universo e nas nossas vidas. Temos bastante latitude para fazer o que quisermos. Mas o livre-arbítrio opera dentro de certos limites. Até mesmo no plano físico, todos estão sujeitos às leis da natureza. Se, usando o livre-arbítrio, decidíssemos flutuar no ar, depressa experimentaríamos a lei da gravidade. Se a compreendemos, certamente não nos atiraremos do topo de um edifício e evitamos o sofrimento que adviria.
De igual modo, todos têm de viver com a lei do carma. Se a compreendermos, poderemos evitar muito sofrimento. Compreenderemos que, no exercício do livre-arbítrio, tomamos decisões que determinarão o que virá na nossa vida, seja bênção ou desgraça, alegria ou dor __ de acordo com o que semeamos. Se você é uma pessoa observadora, logo se aperceberá de que essa lei está sempre atuando.
No Novo Testamento podemos ler: “Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará”. Quer dizer que não podemos ignorar a lei do carma instituída por Deus ou pensar que ela não se aplica a nós. O que quer que coloquemos em movimento, vai certamente retornar para nós.
Se, no final de uma vida, ainda tivermos muitas dívidas cármicas, Deus, na Sua misericórdia, dá-nos a possibilidade de retornar e corrigi-las. A reencarnação é uma grande oportunidade. É também uma solução misericordiosa quando comparada à idéia de que, no final de uma única vida, só nos espera o céu ou o inferno. Realmente, a maioria de nós não está preparada para um, nem para outro. Então, temos a possibilidade de voltar para terminar nossa missão na Terra. E é o que mais desejamos fazer.
Jesus teve esse grande desejo. Ele disse: “Preciso fazer as obras d’Aquele que me enviou” e “Meu Pai trabalha até agora e eu trabalho também”. Viemos para fazer a obra do nosso Pai e também temos grande desejo de realizar nosso plano divino. Hoje, muitas pessoas têm uma noção interior do carma. Para além dele está o dharma __ o destino de fogo da alma, o desejo de realizar a nossa razão de ser.
Cada alma preparada para o renascimento é imbuída desse sentimento de terminar o que ficou por fazer. Queremos dar ao mundo algo de nós mesmos. Pode ser um dom criativo ou um dom de amor, de doçura ou de bondade. Pode ser um pequeno gesto caridoso ou uma realização monumental. A dádiva que cada um de nós colocará sobre o altar variará, de acordo com nosso plano divino.
DO LIVRO: QUERO NASCER - O BRADO DA ALMA DE ELIZABETH CLARE PROPHET

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Planeta e Orixá regente 2011

Planeta Mercúrio
 Não poderia ser diferente: na Umbanda e nas religiões afro-brasileiras não encontramos um consenso de qual é o Orixá regente para 2011. São muitas formas de se fazer esta leitura: búzios, astrologia, odus, numerologia...
Assim estamos liberando um pequeno texto sobre o assunto, que não tem a intenção de ser definitivo.
É certo que Mercúrio será o planeta regente de 2011. As particularidades e atributos desse planeta fazem referência à comunicação, à eloquência e à energia do movimento, move-se mais depressa do que qualquer outro planeta. Tanto é que seu nome foi atribuído pelos romanos baseado no deus Mercúrio, o deus que tem asas nos pés e que é o mensageiro dos deuses, inclusive do deus Júpiter.
Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol, está entre o Sol e Vênus, e pode ser visto a olho nu ao amanhecer e ao entardecer. O Sol está ligado ao Orixá Xangô, uma das grandes paixões de Iansã, segundo os mitos africanos, e Vênus está ligado a Oxum, que também segunda a mitologia yoruba, é irmã próxima de Iansã e  vivem “disputando” entre si.
Mercúrio está associado aos trabalhos do intelecto como escrever, ensinar e aprender, sendo a inteligência o melhor veículo para compreender o mundo e a si mesmo. Mercúrio representa nossa maneira de aprender e comunicar o que aprendemos, mas também representa nossa maneira de ouvir. Em seus aspectos negativos de comportamento humano surge o mentiroso, o ladrão, o superficial, e no positivo encontraremos aquela pessoa alegre, brincalhona, estudiosa, inteligente.
Com este astro como regente, não faltarão oportunidades para boas conversas, intercâmbio de experiências entre pessoas das mais diferentes idades e uma vontade incontrolável de mudar completamente tudo aquilo que nos cerca. Por ser agitado e muito versátil Mercúrio provocará uma movimentação intensa em todas as áreas da nossa vida, com mil idéias ao mesmo tempo, o desejo de partir em busca de novidades falará mais alto dentro de cada um de nós.
Diante disto, entendemos que o Orixá regente de 2011 será Iansã,  o Orixá que ajudará nossa vida girar e se transformar, afinal é nela que encontramos a eloquência, a potência do movimento e os extremos de temperatura como é característica do planeta mercúrio. É Ela que vemos e sentimos no amanhecer e no entardecer, assim como vemos o planeta mercúrio.
Iansã em seus aspectos psicológicos humanos é alegre, inteligente, impulsiva, afetuosa e atraente, cheia de instinto e justa.
Este próximo ano também estará relacionado com a orixá Oxum, pelo fato de Vênus estar perto de Mercúrio e por levarmos em conta que o primeiro dia do ano cai em um sábado, dia dos Orixás d’água, ou seja, dia em que cultuamos Oxum e Iemanjá, prometendo um ano dotado de intuição, de doçura e, acima de tudo, um ano de libertação. Alias, vale a pena ressaltar o quanto Oxum e Iansã são próximas em suas características e o quanto se cruzam e entrecruzam  no sentido do amor, da alegria, do movimento, da leveza, da intuição e do poder de realização, afinal, quando há amor há alegria; quando há leveza há movimento; quando há intuição há poder realizador … quando há ação de Uma, pode ter certeza, há a ação da Outra complementando e potencializando, fazendo e acontecendo, girando e conduzindo tudo. Tudo no auge da paixão e do amor.
Especialmente "nossa" Choupana já está vibrando em Iansã e Xangô para 2011. Claro está que devemos ter sempre todas estas energias - Orixás - canalizadas em nossos trabalhos e as diferenças de interpretação na comunidade umbandista não devem servir de motivação para conflitos e sim para a compreensão da nossa plena liberdade de escolha.




domingo, 19 de dezembro de 2010

Vídeo 3: estudo sistematizado Umbanda - amaci

"Se Jesus, nosso amado Mestre, espírito de grande escol, se utilizou do batismo no seu coronário, aplicado por João Batista à beira do rio Jordão, com a finalidade de tornar-se Um com o Cristo, por que nós simples médiuns umbandistas iremos dispensar tal ritual?"
O amaci é um banho de ervas, realizado na coroa do médium, com a finalidade de lhe fortalecer o tônus mediúnico. É um reforço na ligação entre o médium e guia espiritual, melhorando cada vez mais este canal, trazendo mais segurança na mediunidade consciente do aparelho.
Como é feito este banho? O amaci é uma mistura de ervas frescas, escolhidas de acordo com os Orixás, macerada com água de cachoeira, do mar ou da chuva. Esta mistura, depois de preparada, deverá ser devidamente magnetizada em ritual próprio na frente do Congá, realizado pelo sacerdote.
Os vegetais em geral atuam como condensadores das energias vitais vindas do Sol, o prana. Eles são importantes reservatórios do éter vital, contendo em si os quatros elementos planetários: terra, fogo, ar e água.
 A água provinda da natureza, dos sítios vibracionais de Oxum, Yemanjá e Nanã Buruquê, gravarão em seus cristais todo o axé acumulado nas ervas maceradas juntamente com a energia do Congá.
Esta mistura energizada será aplicada pelo sacerdote junto com seu guia espiritual, na região localizada atrás do crânio dos médiuns, sendo massageado na altura do bulbo raquidiano, diretamente numa linha vertical com a glândula pineal ou epífise. Esta glândula é o centro psíquico de recepção da mediunidade, ligado ao chacra coronário.
Como este chacra faz a ligação do nosso corpo denso aos corpos superiores, isto é, com o plano espiritual, recebendo esta energia potente do amaci, passará a girar no sentido e velocidade adequados, aumentando e/ou facilitando a ligação médium/mentor.
Consequentemente, como em cascata, todos os outros chacras receberão esta energia, fortalecendo-os, harmonizando-os, enfim, adequando o corpo etérico e astral do médium para os devidos trabalhos mediúnicos.
Mas o trabalho espiritual não acontece somente no dia do ritual. Os médiuns serão trabalhados astralmente pelos guias da casa nos sete dias que antecedem ao ritual propriamente dito, dentro da necessidade mediúnica de cada um.
Neste período de sete dias é aconselhado ao médium se proteger vibratoriamente de conflitos, animosidades ou qualquer outra situação que o leve ao desequilíbrio emocional e mental. Por quê? Porque quando nos desequilibramos a nossa vibração fica mais densa, dificultando a sintonia com o trabalho dos nossos amigos espirituais.
Poderá acontecer, também, dos médiuns ficarem mais sensíveis, sentindo certa melancolia ou saudade de algo ou de algum lugar que não conseguem explicar de onde seria.
É muito grande a importância do ritual do amaci para o médium umbandista. Passamos um ano inteiro trabalhando em parceria com os espíritos que labutam na egrégora da Umbanda, os nossos queridos preto-velhos, caboclos, exus, marinheiros e tantos outros, no embate direto com forças negativas no Astral Inferior. No final do ano estamos como pilhas ou baterias fracas, necessitando recarregar para continuar na empreitada assumida antes de reencarnar.
Se Jesus, nosso amado Mestre, espírito de grande escol, se utilizou do batismo no seu coronário, aplicado por João Batista à beira do rio Jordão, com a finalidade de tornar-se Um com o Cristo, por que nós simples médiuns umbandistas iremos dispensar tal ritual? 
Fontes de pesquisa: livros Umbanda Pé no Chão - Mediunidade e Sacerdócio
                      http://site.edconhecimento.com.br/Ramatis/umbanda-pe-no-chao.html


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Vídeo: Natal, onde está Jesus?








Será que os ensinamentos libertadores de Jesus, o médium do Cristo, não estão um tanto esquecidos? 

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

As defumações e as ervas de efeitos psíquicos

PERGUNTA: — A defumação feita pela queima de ervas odorantes afasta os maus fluidos, ou trata-se apenas de crendice? 
RAMATIS: — Antigamente era crendice colocar prego enferrujado no vinho para reconstituir o sangue, mas, hoje, a farmacologia moderna prepara qualquer medicação contra a anemia, acrescentando-lhe “citrato de ferro”, ou seja, algo de prego enferrujado! No futuro, a Botânica também demonstrará, cientificamente, que durante a queima de ervas odorantes desprendem-se energias ocultas, potencializadas no éter vegetal e que podem afastar os maus fluidos do ambiente onde atuam. Sem dúvida, seria absurdo alguém mobilizar fumaça de ervas, para limpar paredes, abrir janelas ou descascar batatas. Mas não é insensato a fumaça afastar, dispersar fluidos nocivos, obediente à mesma lei de correspondência vibratória, que permite ao homem-matéria acomodar-se numa cadeira material, e o espírito desencarnado sentar o seu corpo astral numa cadeira confeccionada de substância astralina.  

PERGUNTA:Como poderíamos ter uma idéia melhor do efeito energético da defumação atuando simultaneamente no plano astral e etérico?
RAMATIS:Desde o instante em que as ervas principiam a germinar no seio da terra até o momento em que são colhidas, elas extraem do solo toda a sorte de minerais,      vitaminas, proteínas, sais químicos e umidade, além de imantadas pelos raios solares, eflúvios elétricos e magnéticos provindos da própria Lua, além de impregnados do ectoplasma terráqueo, supercarregadas de éter-físico, prana e da energia vigorosa que é o fogo “kundalíneo”. Algumas plantas são fontes prodigiosas de utilidades benfeitoras à humanidade, já na sua contextura física, como é a carnaubeira, vegetal da família das palmáceas. O homem pode extrair dela: açúcar, sal, álcool, ração para o gado, madeira para habitação, combustível para iluminar, resina para cola, medicamento para sífilis, úlceras, erupções e reumatismo. São mais de 40 utilidades já catalogadas nessa planta maravilhosa, cujo poder e serventia, considerados apenas no campo físico, ainda prolongam-se pelo mundo etéreo-astralino, num campo de forças incomuns! Enfim, todo o potencial que se elabora no seio da planta, durante os meses de sua vivência no solo seivoso da terra, depois é liberto em alguns minutos da defumação, projetando em torno um potencial de forças, que, além de sua manifestação propriamente física, ainda desagregam miasmas e bacilos astralinos disseminados no ambiente humano. A queima de ervas defumadoras também obedece a uma determinada disciplina mental ou concentração, atraindo a cooperação de espíritos de pretos-velhos, caboclos e bugres, simpáticos a tal processo tradicional de defesa psíquica, os quais ajudam a amenizar na limpeza das pessoas enfeitiçadas. Considerando que a matéria é energia condensada em “descida” vibratória do mundo oculto, a defumação representa uma operação inversa ou liberação de energias, as quais passam a repercutir novamente nos planos etéricos e astralinos de onde se originaram. O perfume, ou a exalação natural das plantas, também age na emotividade e na mente do ser, pois o seu odor associa idéias e reminiscências místicas, conforme acontecia nos templos iniciáticos do Egito, da Grécia, Índia e Caldéia. A defumação composta de incenso, sândalo e mirra, tão tradicional e estimulante para o espírito, que produzia uma condição receptiva e inspirativa simultaneamente nos planos físico, astral e etéreo, ainda hoje é uma espécie de bálsamo espiritual...

PERGUNTA: — Mas a defumação pode afastar espíritos mal-intencionados? 
RAMATIS: — Há certos tipos de ervas cuja reação etérica é tão agressiva e incômoda, que torna o ambiente indesejável para certos espíritos, assim como os encarnados afastam- se dos lugares saturados de enxofre ou gás metano dos charcos. Aliás, as máscaras contra gases provam suficientemente quanto à existência de certas fumacinhas que também podem aniquilar os seres humanos! Há perfumes que inebriam determinadas pessoas, mas causam cefaléias, tonturas e até náuseas noutras criaturas. O odor ácido e picante do alho e da cebola, que aguça o apetite nas saladas das churrascarias, depois é detestado pela produção do mau hálito. Durante a queima de ervas produzem- se reações agradáveis ou desagradáveis no mundo oculto, porque, além de sua propriedade física, elas também libertam outras energias provenientes do armazenamento do éter e do magnetismo físico no duplo etérico do vegetal. O cheiro ou a exalação das ervas e flores que afetam o olfato dos encarnados também é um campo vibratório. Cada espécie vegetal no mundo possui a sua característica fundamental e atende a uma necessidade na Criação. A mesma seiva venenosa da cicuta, que mata, hoje serve benfeitoramente na medicina homeopática, curando convulsões, estrabismo, efeitos de comoção no cérebro ou da espinha. Deus não criou as espécies vegetais apenas como enfeites do mundo; pois elas atendem simultaneamente às necessidades da vida manifesta no plano físico, etéreo e astralino.  
Magia de Redenção - Ed. do Conhecimento

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Os fundamentos do congá


O congá é o mais potente aglutinador de forças dentro do terreiro: é atrator, condensador, escoador, expansor, transformador e alimentador dos mais diferentes tipos de energias e magnetismo. Existe um processo de constante renovação de axé que emana do congá, como núcleo centralizador de todo o trabalho na umbanda.
Cada vez que um consulente chega à sua frente e vibra em fé, amor, gratidão e confiança, renovam-se naturalmente os planos espiritual e físico, numa junção que sustenta toda a consagração dos orixás na Terra, na área física do templo.
Vamos descrever as funções do congá: atrator: atrai os pensamentos que estão à sua volta num amplo magnetismo de recepção das ondas mentais emitidas.
Quanto mais as imagens e elementos dispostos no altar forem harmoniosos com o orixá regente do terreiro, mais é intensa essa atração. Congá com excessos de objetos dispersa suas forças.
CONDENSADOR: condensa as ondas mentais que se “amontoam” ao seu redor, decorrentes da emanação psíquica dos presentes: palestras, adoração, consultas etc.
ESCOADOR: se o consulente ainda tiver formas-pensamentos negativas, ao chegar na frente do congá, elas serão descarregadas para a terra, passando por ele (o congá) em potente influxo, como se fosse um pára-raios.
EXPANSOR: expande as ondas mentais positivas dos presentes; associadas aos pensamentos dos guias que as potencializam, são devolvidas para toda a assistência num processo de fluxo e refluxo constante.
TRANSFORMADOR: funciona como uma verdadeira usina de reciclagem de lixo astral, devolvendo-o para a terra; alimentador: é o sustentador vibratório de todo o trabalho mediúnico, pois junto dele fixam-se no Astral os mentores dos trabalhos que não incorporam.
Todo o trabalho na umbanda gira em torno do congá. A manutenção da disciplina, do silêncio, do respeito, da hierarquia, do combate à fofoca e aos melindres, deve ser uma constante dos zeladores (dirigentes).
Nada adianta um congá todo enfeitado, com excelentes materiais, se a harmonia do corpo mediúnico estiver destroçada; é como tocar um violão com as cordas arrebentadas.
Caridade sem disciplina é perda de tempo. Por isso, para a manutenção da força e do axé de um congá, devemos sempre ter em mente que ninguém é tão forte como todos juntos.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Umbanda é Universalista?

 
Muito se fala sobre o UNIVERSALISMO ESPIRITUAL e falam como sendo algo utópico, algo muito além e muito distante de nossa realidade. Mas será que o Universalismo Espiritual está tão distante assim? Para responder a isso precisamos primeiro saber o que é universalismo, então vamos lá! Universalismo: relativo à universal que pertence a todo o universo, ao cosmos; que se estende a tudo ou por toda a parte; comum a todos os homens; que é aplicável a tudo; que advém de todos; que não se atem a uma especialidade; que abrange por inteiro um campo de conhecimento; que universalismo é adaptável ou ajustável de modo que possa atender a diferentes necessidades; ecumênico. E agora, o Universalismo Espiritual está distante de nós? É claro que não! E, na minha opinião, ele é a essência da Umbanda.
A Umbanda é uma religião Universalista, onde não se admite racismo, preconceito ou intolerância religiosa. Ela está, assim como a própria representação de Oxalá, de braços abertos recebendo, agregando e amparando todo e qualquer espírito que queira evoluir e manifestar a Força de Deus. Na Umbanda manifestam-se espíritos vindos de todas as outras religiões e regiões do planeta: são hindus, árabes, judeus, budistas, cristãos, índios brasileiros, negros africanos e até grandes magos ou sacerdotes. Esses espíritos dotam-se de nomes simbólicos e são identificados perante as qualidades dos Orixás. Assim, vemos hoje na Umbanda, por exemplo, um antigo e sábio hindu se manifestando como um Caboclo, ou um renomado doutor se manifestando como um Preto-velho, ou ainda um grande mago ou sacerdote se manifestando como Exu, sem preconceito algum, apenas trabalhando e manifestando as qualidades e atributos específicos da Divindade Suprema – Deus - transcendendo todas as religiões espalhadas no plano material e sustentando a evolução de toda a humanidade de forma única e universalista.
A Umbanda surge aberta a toda e qualquer entidade que queira ou precise se manifestar, independente daquilo o que tenha sido em vida "todos serão ouvidos e nós aprenderemos com aqueles espíritos que souberem mais e ensinaremos os que souberem menos e a nenhum viraremos as costas e nem diremos não". Estas são palavras do espírito que se apresentou como Sr. Caboclo das Sete Encruzilhadas, fundador da Umbanda no plano material ao oficializar, em 1908, o primeiro centro umbandista, a Tenda Nossa Senhora da Piedade. E ele continua: "pois da mesma forma que Maria amparou nos braços o seu filho querido, também serão amparados os que socorrerem a Umbanda".
A Umbanda é uma religião Espírita, pois como define Alan Kardec, no Livro dos Médiuns: "Espírita, é aquele que crê no espírito e nas suas manifestações". Ou seja, todo aquele que acredita na manifestação de espíritos, segundo o próprio Kardec, é espírita! A Umbanda também é uma religião Cristã, pois a Umbanda acredita e aceita a existência de Jesus Cristo como o maior médium que já existiu, seguindo seus ensinamentos e seu mandamento maior: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a um irmão, não fazendo a esse irmão aquilo que não queremos que façam conosco". A Umbanda nasceu em meio aos Cultos de Nação e ao Candomblé, mas cultua Orixá de forma diferente. No Candomblé os Orixás têm aspectos humanos, são relacionados a lendas e cultuados com grandes festas, com muita dança, canções e comida. Na Umbanda é uma heresia comparar Orixás a seres humanos tornando-os ruins e punitivos, justificando, assim, erros e desequilíbrios próprios do homem. Na Umbanda, Orixás são manifestadores dos Mistérios de Deus e em suas incorporações realizam todo um trabalho Divino em auxilio à comunidade. Resumindo, no Candomblé se cultua os Orixás e na Umbanda se "trabalha" com os Orixás.
Jêjes, nagôs, ketos, minas, bantos, indígenas, católicos, espíritas e muitos outros povos e religiões contribuíram com a Umbanda, não importando se creem em Orixás, Voduns, Nkisis, Pajés, Santos etc.
Na Umbanda Espíritos de Luz não são eguns e não se apresentam como mentores ou doutores, mas sim como Guias Espirituais. Exus não são escravos, não trabalham fora da Lei Divina e obedecem a uma única ordem: a dos Sagrados Orixás, são espíritos de tanta luz e de tanta sabedoria quanto os Pretos Velhos ou Caboclos. Na Umbanda não se utiliza do sacrifício de animais e não é através do jogo de búzios que conseguimos respostas e conselhos espirituais. O Ritual da Umbanda é simples e até impressiona como se é realizado. A onipresença dos Sagrados Orixás é percebida por todos da corrente mediúnica e através dessa presença, do amor, da caridade, da bondade, da fraternidade, da dedicação, da disciplina e do estudo é que TUDO se realiza, atributos esses necessários a todos que queiram sentir e se beneficiar dessa Onipresença Divina.
Uma Umbanda esclarecida e estudada em conceitos universais é a união de todas as correntes astrais e de todas as linhas de pensamentos que têm norteado a humanidade e harmonizado todas as religiões. O médium que não entende a Religião de Umbanda como a mais ecumênica das religiões e que não respeita todas as outras religiões, não é um verdadeiro médium de Umbanda. Uma Umbanda esclarecida e estudada em conceitos universais é a melhor garantia de que um "papa" não criará seu trono particular dentro da Umbanda e que não ditará dogmas que assegurarão o domínio da fé e da mente de muitas pessoas.
A Umbanda é única, é o micro realizando o macro.
Axé a todos que conseguem trabalhar e aceitar a Umbanda sem distinção espiritual e como uma religião eclética e Divina.

Escrito por Mãe Mônica Caraccio
 http://www.minhaumbanda.com.br/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google analytics